Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Moses Sithole, o “Estrangulador da Sul-Africano”

Nos anos 80 e 90, ele estuprou mulheres em diversas cidades da África do Sul. Seus crimes foram tão hediondos que ele foi condenando a 2.410 anos de prisão

Por Danilo Cezar Cabral
Atualizado em 22 fev 2024, 10h18 - Publicado em 7 dez 2016, 16h08
retrato_falado_moses_sithole
()

ILUSTRA Eduardo Belga

1) O sul-africano Moses Sithole (1964- ) nasceu em Vosloorus. A cidade era uma das áreas destinadas à população negra durante o apartheid, o regime de segregação racial que durou 46 anos no país. Na época, manifestações contra o controle dos brancos eram respondidas com violência.

2) A morte prematura do pai, quando Moses tinha 6 anos, trouxe dificuldades financeiras e a família Sithole acabou despejada de casa. A partir daí, Moses pulou de orfanato em orfanato, escapando do convívio com a violenta mãe alcoólatra e com a meia-irmã que o molestava sexualmente.

Continua após a publicidade

3) Traumatizado por sofrer maus-tratos nas mãos do sexo oposto, Mosespreferia vitimar mulheres. Seu primeiro ataque aconteceu em 1987, quando amarrou e estuprou uma amiga de sua irmã. Com medo de ser morta, Patrícia Khumalo não apresentou queixa às autoridades.

 

+ Retrato Falado: Robert Pickton, o assassino que alimentava seus porcos com carne humana

Continua após a publicidade

+ Retrato Falado: Bruno Lüdke, serial killer ou vítima do regime nazista?

 

4) Em 1989, Moses estuprou Doris Swakamisa e a deixou viva e amarrada em uma savana. Três meses depois, foi identificado por Doris em Johannesburgo e condenado a sete anos de prisão. Na cadeia, conhece sua futura mulher, e é libertado em 1993.

Continua após a publicidade

5) Sithole voltou à caça em 1994. Sua nova tática era sair pela manhã fingindo procurar emprego. Se apresentando como Silvester, conquistava garotas ajudando-as a arrumar trabalho. Com esse esquema, estuprou, estrangulou e escreveu à faca no corpo de Maria Monama, de 19 anos. .

6) Depois de entrevistar familiares das vítimas, a polícia traçou um perfil de Moses. Até agosto de 1995, Sithole já tinha matado 20 mulheres, descartando os corpos nos subúrbios de Pretória e Johannesburgo. Um mês depois, fotos de Sithole como procurado foram publicadas em jornais.

 

+ Retrato Falado: Pedrinho Matador, o maior assassino das prisões brasileiras

+ Retrato Falado: Dean Arnold Corll, o assassino conhecido como “Candyman”

 

7) Buscando saber mais sobre o caso, Sithole telefonou para a imprensa e começou a revelar detalhes dos crimes a uma jornalista, que repassou tudo à polícia. Em 1995, a foto de Moses apareceu na TV e um conhecido ajudou os investigadores na captura. Sithole reagiu e foi baleado e preso.

QUE FIM LEVOU?

Graças a confissões, testes de DNA e o testemunho de mais de cem pessoas, Sithole pegou 2.410 anos de prisão. Meses depois, foi diagnosticado com aids.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.