Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

O que causa a depressão?

Os neurônios de uma pessoa depressiva têm dificuldade de se comunicar

Por Anna Ferrazza Atualizado em 4 jul 2018, 20h12 - Publicado em 28 out 2014, 17h16

depressao-prs-155

O distúrbio está ligado à menor produção de substâncias como serotonina e endorfina. Elas facilitam a comunicação entre neurônios e influenciam diretamente na sensação de bem-estar. Mas o que desencadeia esse processo ainda não foi definido com precisão pela ciência. Há vários motivos, como uma doença, um forte sentimento de perda ou até fatores genéticos. Segundo dados de 2012 da Organização Mundial da Saúde, 5% da população global sofre de depressão. E, até 2030, ela deve se tornar a doença mais comum do mundo.

  • Relacionadas

Neurônios do depressivo têm dificuldade de se comunicar

A ponte caiu
A comunicação neuronal ocorre quando um impulso elétrico passa entre os neurônios. Entre eles, há um espaço que precisa ser vencido: a fenda sináptica. É aí que entram os neurotransmissores, liberados pela célula que quer “enviar” a mensagem. Eles reagem com os receptores da célula seguinte, formando uma espécie de ponte

Mão de obra em falta
O depressivo produz menos neurotransmissores. Isso dificulta a comunicação e gera a sensação de desânimo. Para piorar, alguns dos neurotransmissores são reabsorvidos pelo neurônio que os enviou, antes de se conectarem com o neurônio seguinte. Assim, o nível dessas substâncias vai caindo e a pessoa fica mais depressiva

Mutirão da saúde
O tratamento é feito com medicamento e terapia. O remédio bloqueia a reabsorção. Assim, os neurotransmissores remanescentes são mantidos na fenda sináptica, tentando maximizar a comunicação. O acompanhamento psicológico ajuda a descobrir onde está a causa externa do problema, resolvendo-o antes que se crie uma dependência do remédio

Jogo pode ajudar no tratamento
Depois de sofrer da doença, a designer de games Jane McGonigal criou um jogo para ajudar outros depressivos. O objetivo do SuperBetter é exercitar a força de vontade como se fosse um músculo.

CONSULTORIA Camille Gavioli, psicóloga e psicanalista, e Rosemarie Elizabeth Schimidt, psicóloga

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês