Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Os 7 desenhos mais polêmicos da Disney

Conheça as controvérsias envolvendo filmes do estúdio. Alguns tiveram de ser alterados ou até recolhidos

Por Noêmia Lopes
Atualizado em 22 fev 2024, 10h14 - Publicado em 9 Maio 2017, 14h23
(Davi Calil/Mundo Estranho)

1) Teu passado te condena

Assistir a The Gallopin’ Gaucho (1928) vai mudar a opinião de quem acha Mickey fofinho demais. Em seis minutos, ele fuma, toma cerveja, galopa num avestruz bêbado e beija Minnie na boca. No início da carreira, Mickey era mais escrachado. Aos poucos, seu jeitão foi passado a outras figuras (como Donald) e Mickey se tornou o “bom moço”.

https://www.youtube.com/watch?v=DnjSVSykNsA

2) Outros tempos

Todo filme acaba capturando a mentalidade da época – mesmo que ela mude, anos depois, e a obra não mais represente a opinião atual dos produtores. É o caso de A Canção do Sul (1946), que o estúdio até tirou do catálogo de DVDs. A película é cheia de estereótipos sobre negros, mostrando, por exemplo, escravos gratos por trabalhar para seus donos.

3) Janela indiscreta

Em 1999, a Disney fez o recall de 3,4 milhões de cópias do vídeo de Bernardo e Bianca (1977). Os funcionários haviam descoberto a imagem de um torso nu de mulher, em uma janela no fundo de uma cena. Houve quem dissesse ser um molde de alfaiataria, mas a empresa não entrou em detalhes, citando em seu comunicado apenas “uma imagem sujeita objeções”.

4) Donald nazista

A Face do Führer (1942) era uma crítica ao nazismo, que ascendia na Alemanha. Mas mostra algumas cenas controversas, como Donald lendo o livro Minha Luta no café da manhã e saudando várias vezes seu autor, Adolf Hitler. É tudo um sonho, claro (ou melhor: um pesadelo). Mas até o YouTube alerta que o conteúdo pode ser “potencialmente ofensivo”.

Continua após a publicidade
(Davi Calil/Mundo Estranho)

5) Kimba X Simba

Um leãozinho chamado Kimba. Um amigo pássaro. Um guru babuíno. Um bando de hienas. Um vilão com uma cicatriz no olho. O Rei Leão (1994) tinha tantas semelhanças com a série animada japonesa Kimba, o Leão Branco (1965) que a Disney teve de se manifestar. Alegou que seu filme era totalmente original e levou anos para ficar pronto. O estúdio de Kimba concordou e jamais abriu processo.

6) Trabalho reciclado

Animações como Robin Hood (1973) e As Aventuras do Ursinho Pooh (1977) trazem cenas e personagens em poses quase idênticas às de Branca de Neve (1937) e Mogli (1967), respectivamente. Não era preguiça dos animadores, e sim consequência de uma técnica chamada rotoscopia, que criava uma espécie de “molde” único com base em desenhos de diferentes movimentos humanos. A indústria cinematográfica considerava legítimo o uso desse recurso (que, além de tudo, era bem econômico).

https://www.youtube.com/watch?v=cmOo_pYMG1U

7) Conteúdo adulto

O lançamento no formato VHS de A Pequena Sereia (1989) também gerou desconforto. Alguns pais reclamaram que um castelo ilustrado na capa da fita tinha uma torre em formato de pênis. A Disney afirmou que semelhança era mera coincidência e negou uma possível sabotagem de artistas descontentes. Mas mudou completamente a arte da capa para o DVD.

Assine nossa newsletter para receber, toda semana, 10 notícias e reportagens que são a sua cara!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.