Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Por que as moedas são redondas?

Antigamente, o material da moeda era prensado entre dois cunhos, peças metálicas com a face da moeda em alto relevo

Por Saulo Sobanski
Atualizado em 22 fev 2024, 10h10 - Publicado em 20 out 2017, 15h39

O formato vem do processo de cunhagem, usado na produção das primeiras moedas da humanidade, em 700 a.C. na Grécia. Uma pequena esfera metálica chamada eletro, feita de uma liga de ouro e prata, era colocada entre dois “cunhos” – peças de bronze ou aço, cada uma com uma face da moeda gravada em si. Os dois cunhos eram presos por uma pinça para não escaparem. Em seguida, um martelo golpeava o cunho de cima, gravando (cunhando) a moeda nos dois lados. Como o material era maleável, o impacto do martelo criava uma peça vagamente circular. No Egito, entre 246-221 a.C., o processo foi aprimorado: usando discos de metal levemente aquecidos, era preciso menos força de impacto para transferir a imagem dos cunhos para a moeda. De lá pra cá, a maior mudança aconteceu em 1788 durante a Revolução Industrial inglesa, quando o empresário Matthew Boulton criou uma prensa movida a vapor para “martelar” moedas em massa. Esse método prático e preciso ajudou a padronizar o formato do dinheiro que usamos hoje.

TdF Sugeriu – Caroline Walkinir

FONTES Livros Numismatics, de Philip Grierson, Matthew Boulton: Enterprising Industrialist of the Enlightenment, de Sally Baggott, Collecting Greek Coins, de John Anthony; site Forvm Ancient Coins

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.