Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Por que as mulheres vomitam tanto quando engravidam?

Progesterona altera radicalmente o organismo da gestante

Por Natália Braga
Atualizado em 4 jul 2018, 20h17 - Publicado em 23 out 2013, 17h55

O maior motivo é o aumento na produção da progesterona. Nos três primeiros meses, esse hormônio é gerado principalmente no ovário. Ele evita que o corpo rejeite o feto e aumenta o endométrio, tecido interno do útero que, se não estiver bem desenvolvido, pode provocar um aborto espontâneo. O problema é que ele também deixa o sistema gastrointestinal mais lento, o que resulta em mal-estar. Depois do terceiro mês, a placenta é quem passa a produzir a progesterona e o organismo começa a se acostumar com ela, diminuindo os enjoos. Algumas mulheres, porém, continuam passando mal após esse período da gestação.

– O que é gravidez psicológica?

– Como é feito o parto normal?

Bomba hormonal

Progesterona altera radicalmente o organismo da gestante

Continua após a publicidade

Intestino preguiçoso

A progesterona relaxa os músculos lisos – aqueles que você não controla voluntariamente. O alimento acaba circulando mais lentamente pelos intestinos e o útero pressiona o cólon, inibindo a passagem das fezes. É por isso que as grávidas sofrem de prisão de ventre.

Pressão baixa

Os vasos sanguíneos também ficam mais relaxados, diminuindo o fluxo de sangue e a pressão. Então, a futura mamãe sente aquela moleza e uma tontura que também pode causar enjoos. Mas isso tudo é normal, a não ser que ela sinta fraqueza demais e não consiga se alimentar.

Continua após a publicidade

Barriga Cheia

Normalmente, já sentimos o estômago vazio duas horas após a refeição. Mas, por causa da lentidão no sistema digestório causada pela progesterona, a grávida fica com a sensação de que está “lotada” até oito horas após comer! Daí para a vontade de vomitar, é um pulinho.

Outra explicação é que, ao longo da evolução, a grávida aprendeu a expelir o que ingeria para proteger o bebê de alguma comida desconhecida (e tóxica).

Consultoria dr. Alberto Guimarães, médico obstreta da clínica Parto sem Medo, e dr. Eduardo Zlotnik, ginecologista e obstetra do Hospital Israelita Albert Einstein.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.