Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Por que os dentes do siso nascem depois dos outros?

Eles são conhecidos como terceiros-molares, e têm uma função evolutiva importante - mas, no mundo moderno, às vezes são fonte de problemas

Por Julia Moióli Atualizado em 10 abr 2019, 12h47 - Publicado em 18 abr 2011, 18h49

Porque eles precisam de espaço. Cada dente tem seu tempo de formação e erupção. O siso, ou terceiro molar, começa a se formar por volta dos 5 anos de idade e só nasce entre os 15 e os 20 anos. Afinal, seria impossível a boca de uma criança abrigar todos os dentes de uma vez. O problema é que essa “estratégia” do corpo nem sempre funciona, pois a arcada dentária pode se expandir e ocupar o pedaço da gengiva que seria destinado aos sisos.

“Isso acontece por causa do reduzido tamanho do maxilar superior ou da mandíbula, ou por um mau posicionamento dos dentes que nasceram antes”, diz o professor de odontologia Roger William Moreira, da Universidade Estadual de Campinas (SP), a Unicamp. Quando falta espaço, os sisos pressionam os dentes vizinhos, causando dor e inflamações, e às vezes precisam ser arrancados.

Mas esse episódio do início da vida adulta não foi sempre um incômodo. “Nossos ancestrais tinham uma alimentação mais consistente e abrasiva e as perdas dentais precoces eram freqüentes, o que tornava os terceiros molares fundamentais para complementar o aparelho mastigatório”, afirma Roger. Hoje a situação é outra. Os maxilares diminuíram, as dietas são mais leves e os sisos quase não têm utilidade. “Algumas pessoas nem têm mais esses dentes, o que indica uma tendência evolutiva de desaparecimento”, diz o professor de odontologia Marcelo Giannini, também da Unicamp.

Publicidade