Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quais foram os maiores erros de arbitragem de todos os tempos?

Na opinião de sete feras que Mundo Estranho ouviu, a maior falha foi um gol irregular da Inglaterra na final da Copa de 1966 contra a Alemanha. Para montar esse top 10, consultamos a memória dos cronistas esportivos Alberto Helena Jr., Juca Kfouri, Ruy Carlos Ostermann e Paulo César Vasconcellos, além dos ex-árbitros José Roberto […]

Por Guilherme Castellar
Atualizado em 22 fev 2024, 11h16 - Publicado em 18 abr 2011, 18h48

Na opinião de sete feras que Mundo Estranho ouviu, a maior falha foi um gol irregular da Inglaterra na final da Copa de 1966 contra a Alemanha. Para montar esse top 10, consultamos a memória dos cronistas esportivos Alberto Helena Jr., Juca Kfouri, Ruy Carlos Ostermann e Paulo César Vasconcellos, além dos ex-árbitros José Roberto Wright, Oscar Roberto de Godoy e Sílvio Luiz – pois é, o atual narrador da Bandsports também já foi juiz! Para decidir a posição de cada erro, adotamos dois critérios: o número de votos de cada falha e sua relevância histórica – um erro em um torneio internacional vale muito mais que em um campeonato estadual, por exemplo. Seguindo o mesmo raciocínio, uma mancada durante uma final vale mais do que uma falha na fase classificatória. Isso explica por que o erro do suíço Gootfried Dienst ocupa o topo da lista: sua “miopia” foi decisiva para os súditos de Elizabeth II conquistarem sua primeira e única Copa do Mundo. A única exceção notória a essa lógica é a nossa terceira posição, uma singela final do Paulistão. Mas vale pelo ineditismo da mancada: como você vai conferir, foi a única vez na história que um erro de matemática decidiu um campeonato!

Filha da p…!
Mães dos juízes ouviram muitas “homenagens” por estas 10 mancadas

10. PORTUGUESA 2X2 CORINTHIANS

Campeonato – Paulistão de 1998 (semifinal)

Data – 26.4.98

Estádio – Morumbi (São Paulo)

Árbitro – Javier Castrilli (Argentina)

Os três primeiros gols da partida nasceram em jogadas duvidosas. Mas a maior sacanagem veio nos acréscimos do segundo tempo: o zagueiro César, da Lusa, interceptou uma bola com o peito em sua grande área, mas o juizão Castrilli viu toque de mão e marcou pênalti. Gol! O Timão, que jogava pelo empate, foi à final.

Continua após a publicidade

9. PALMEIRAS 0X1 SÃO PAULO

Campeonato – Paulistão de 1971 (final)

Data – 27.6.71

Estádio – Morumbi (São Paulo)

Árbitro – Armando Marques (Brasil)

Precisando da vitória para levar o caneco, o Verdão partiu pro ataque. Depois de muita insistência, Leivinha cabeceou um balaço certeiro na meta tricolor aos 22 minutos do segundo tempo. Era o gol do empate, mas o juiz Armando Marques viu toque de mão do atacante e anulou o tento alviverde.

Continua após a publicidade

8. GRÊMIO 0X1 FLAMENGO

Campeonato – Brasileirão de 1982 (3º jogo da final)

Data – 25.4.82

Estádio – Olímpico (Porto Alegre)

Árbitro – Oscar Scolfaro (Brasil)

O tricolor gaúcho buscava o gol do empate — e do título — quando o centroavante Baltazar cabeceou no alto do gol flamenguista. Para impedir o tento, o rubro-negro Andrade meteu a mão na pelota. Pênalti? Não para o juizão Oscar Scolfaro, que mandou o jogo seguir dizendo que o toque foi do goleiro Raul. Mas, como a gente vê na imagem, o arqueiro estava caído na hora do lance…

Continua após a publicidade

7. ITÁLIA 3X2 BRASIL

Campeonato – Copa de 1982 (2ª fase)

Data – 5.7.82

Estádio – Sarriá (Barcelona, Espanha)

Árbitro – Abraham Klein (Israel)

O Brasil só precisava de um empate para avançar à semifinal, mas o carrasco Paolo Rossi enfiou três gols no supertime brasileiro. Tudo poderia ter sido diferente se o árbitro tivesse visto o puxão do zagueiro Gentile em Zico dentro da área italiana. O pênalti não marcado deixou uma prova difícil de contestar: a camisa do “Galinho” ficou com um rasgo enorme!

Continua após a publicidade

6. ESPANHA 0X0 CORÉIA do sul (3 X 5 NOS PÊNALTIS)

Campeonato – Copa de 2002 (quartas-de-final)

Data – 22.6.02

Estádio – Gwangju (Coréia do Sul)

Árbitro – Gamal Gandhour (Egito)

Na prorrogação, o espanhol Morientes aproveitou um cruzamento do lateral Joaquin e cabeceou para o gol. Festa da “Furia”, mas o bandeirinha disse que a bola cruzada saiu pela linha de fundo e invalidou o lance. Só que a regra é clara: quando a bola não sai por inteiro (veja à esquerda), tá valendo! Nos pênaltis, os coreanos venceram por 5 a 3 a partida mais escandalosa da “Copa dos erros de arbitragem”.

Continua após a publicidade

5. BRASIL 2X1 ESPANHA

Campeonato – Copa de 1962 (fase classificatória)

Data – 6.6.62

Estádio – Sausalito (Viña del Mar, Chile)

Árbitro – Salvador González Bustamante (Chile)

Precisávamos de um empate para seguir na Copa, mas a Espanha abriu o placar aos 35 minutos do primeiro tempo. A coisa teria ficado realmente feia se o juiz não tivesse anulado um gol de bicicleta do húngaro naturalizado espanhol Puskas. Acompanhe a seqüência ao lado: você percebe alguma irregularidade? A gente também não. Até hoje, ninguém sabe o porquê desse erro que deu uma força para o nosso bicampeonato.

4. SANTOS 1X1 BOTAFOGO

Campeonato – Brasileirão de 1995 (2º jogo da final)

Data – 17.12.95

Estádio – Pacaembu (São Paulo)

Árbitro – Márcio Resende de Freitas (Brasil)

Uma arbitragem catastrófica definiu o Brasileirão de 1995. Com um gol de Túlio impedido, o Fogão saiu na frente. O Santos empatou em outro erro do juiz: o lateral Capixaba ajeitou com a mão e tocou para Marcelo Passos marcar. Pra ser campeão, o Peixe precisava de mais um gol. E conseguiu no finalzinho, com Camanducaia. Mas, em tarde “inspirada”, Márcio Resende anulou, alegando impedimento inexistente.

3. SANTOS 0X0 PORTUGUESA (decisão por pênaltis inacabada)

Campeonato – Paulistão de 1973 (final)

Data – 28. 3. 73

Estádio – Morumbi (São Paulo)

Árbitro – Armando Marques

Na decisão por pênaltis, o Peixe converteu duas das três primeiras cobranças. A Lusa errou as três, mas ainda podia empatar, certo? Não para o juiz Armando Marques, que encerrou as cobranças e declarou o Santos campeão. Percebendo o erro, o técnico da Portuguesa pegou seu time e sumiu do Morumbi. Para “consertar” a lambança, a Federação Paulista decidiu dividir o título entre as duas equipes.

2. ARGENTINA 2X1 INGLATERRA

Campeonato – Copa de 1986 (quartas-de-final)

Data – 22.6.86

Estádio – Azteca (Cidade do México, México)

Árbitro – Ali Bem Naceur (Tunísia)

Aos 6 minutos do segundo tempo, o pequenino meio-campo Maradona saltou com o grandalhão goleiro Shilton. Com o punho esquerdo (abaixo, a prova do crime em dois ângulos), ganhou a dividida aérea e desviou a bola para as redes. E saiu comemorando. “Fiz o gol com a minha cabeça e a mão de Deus”, declarou o camisa 10 argentino. Sem essa “mãozinha divina” — e do juizão Naceur, que não viu o lance — , a história da Copa poderia ter sido outra.

1. INGLATERRA 2X2 ALEMANHA OCIDENTAL (2 X 0 NA PRORROGAÇÃO)

Campeonato – Copa de 1966 (final)

Data – 30.7.66

Estádio – Wembley (Londres, Inglaterra)

Árbitro – Gootfried Dienst (Suíça)

Depois do empate no tempo normal, a Inglaterra estufou as redes aos 10 minutos do primeiro tempo da prorrogação. “Estufou as redes” é modo de dizer, pois no “gol” do inglês Hurst a bola bateu no travessão e quicou sobre a linha (veja ao lado). Ela não entrou por inteiro, mas o árbitro validou o tento. Revolta dos alemães. Hurst ainda faria outro gol para os ingleses, mas o erro ficou marcado como uma ajuda decisiva para determinar os vencedores daquela Copa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.