Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Quando inventaram o relógio, como sabiam que horas era?

Conheça os instrumentos de medição do tempo que surgiram antes do relógio mecânico, e que ajudaram a ajustá-lo

Por Tiago Cordeiro Atualizado em 4 jul 2018, 20h12 - Publicado em 27 Maio 2013, 16h26
Ligia Duque/Mundo Estranho

PERGUNTA Raine Castro, Boa Vista, PR

 

O relógio de sol, primeira tecnologia da humanidade para marcar as horas, surgiu por volta de 2000 a.C. e era calibrado no nascer e no pôr do sol. Funcionava assim: erguia-se um obelisco, marcava-se no chão a posição da primeira sombra do dia e a última antes de anoitecer. Depois, dividia-se esse arco entre as marcas em 12 intervalos equidistantes: cada um era uma hora do dia. À noite, “perdia-se a hora”.

Com o tempo outras tecnologias foram sendo criadas para tentar medir o tempo de maneira mais precisa. Ou seja, muito antes do relógio mecânico, “inventado” na Idade Média, já havia maneiras de saber a hora. Cada mecanismo definiu o ajuste do mecanismo seguinte, até chegarmos a época atual. Confira cinco grandes momentos dessa história:

 

1) Água na bacia
ÉPOCA
 Século 16 a.C.

Invenção egípcia, os relógios de água eram conjuntos de bacias furadas montados sob um fluxo de água. Para calibrar, acionava-se o fluxo de água à primeira luz do dia e, a partir daí, usava-se um relógio de sol para criar as marcas de horário no interior das bacias. Funcionava noite e dia.

 

2) Tique-Taque hipnótico
ÉPOCA
 Século 14

Na Europa, a Igreja estimulou monges e artesãos a criar um relógio a pêndulo. Os primeiros já marcavam minutos e eram calibrados com base nos relógios de água. Mas atrasavam 15 minutos por dia, então eram reajustados pelo nascer do sol de todos os sábados.

 

Continua após a publicidade

 

3) Relógio pessoal
ÉPOCA
 Século 16

Os primeiros relógios portáteis só tinham ponteiro de horas e funcionavam a corda, dada por meio de uma chave. Para calibrá-los, os relojoeiros usavam grandes relógios de pêndulo. O mecanismo de corda imperou até o século 20.

 

4) Revolução cristalina
ÉPOCA
 1928

O canadense Warren Marrison descobre que cristais de quartzo excitados por eletricidade vibram com mais regularidade do que mecanismos de corda. Bastou sincronizar o protótipo com relógios de corda e pronto: os de quartzo só atrasam 1 segundo a cada 30 anos.

 

  • Relacionadas

5) Precisão atômica
ÉPOCA
 1948

Pesquisadores perceberam que a frequência emitida por elétrons de átomos de Césio 133 era mais regular do que a frequência do quartzo – atrasa um segundo a cada 30 milhões de anos. Surgiam os relógios atômicos, que hoje são usados para calibrar todos os outros.

 

CONSULTORIA William J. H. Andrewes, especialista em história dos relógios

FONTES Livro Time’s Pendulum: From Sundials to Atomic Clocks, de Ellen Barnett, e The History of Clocks & Watches, de Eric Bruton

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)