GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Quanto tempo vão durar as reservas minerais do Brasil?

Você provavelmente vai viver o suficiente para ver alguns de nossos minérios, como a prata e o estanho, se esgotarem completamente

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

Dados referentes a 2008, ano de produção desta reportagem

1) BAUXITA

Onde há: Oriximiná e Paragominas (PA)
Produção brasileira (toneladas/ano): 22 milhões
Reserva brasileira (toneladas/ano): 3,5 bilhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 159 anos
Produção brasileira X mundial: 2° maior produtor (12,4%)
Reserva brasileira X mundial: 3ª maior reserva (10,6%)
Para que é usada: Mineral mais abundante na crosta terrestre – representa 8% do peso do planeta -, é de onde se extrai o alumínio
Produção mundial (toneladas/ano): 171 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 195 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

2) ZIRCÔNIO

Onde há: Presidente Figueiredo (AM)
Produção brasileira (toneladas/ano): 26,5 mil
Reserva brasileira (toneladas/ano): 3,66 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 138 anos
Produção brasileira X mundial: 4° maior produtor (2,9%)
Reserva brasileira X mundial: 7ª maior reserva (5,17%)
Para que é usado: Altamente resistente à corrosão, é usado na construção de reatores nucleares
Produção mundial (toneladas/ano): 10 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 77 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

3) CHUMBO

Onde há: Paracatu (MG)
Produção brasileira (toneladas/ano): 26 mil
Reserva brasileira (toneladas/ano): 52 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 96 anos
Produção brasileira X mundial: 11° maior produtor (0,8%)
Reserva brasileira X mundial: 1ª maior reserva (27,3%)
Para que é usado: Construção civil, baterias, munição e ligas metálicas
Produção mundial (toneladas/ano): 190 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 63 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

4) ESTANHO

Onde há:Jamari (RO)
Produção brasileira (toneladas/ano): 9,5 mil
Reserva brasileira (toneladas/ano): 768 mil
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 80 anos
Produção brasileira X mundial: 5° maior produtor (2,7%)
Reserva brasileira X mundial: 3ª maior reserva (12,94%)
Para que é usado: Anticorrosivo, é acrescentado ao aço nas latas para preservar o alimento
Produção mundial (toneladas/ano): 302 mil
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 33 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

5) URÂNIO

Onde há: CAETITÉ/BA
Produção brasileira (toneladas/ano): 190
Reserva brasileira (toneladas/ano): 390 mil
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 2052 anos
Produção brasileira X mundial: 14° maior produtor (0,8%)
Reserva brasileira X mundial: 6ª maior reserva (8%)
Para que é usado: Combustível para usinas nucleares e bombas atômicas
Produção mundial (toneladas/ano): 46,4 mil
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 100 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

6) DIAMANTE

Onde há:Juína (MT)
Produção brasileira (toneladas/ano): 200 mil carats (unidade específica para diamantes)
Reserva brasileira (toneladas/ano): 24,6 milhões de carats
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 123 anos
Produção brasileira X mundial: 9° maior produtor (0,11%)
Reserva brasileira X mundial: 6ª maior reserva (2%)
Para que é usado: Máteria-prima de jóias, tem cadeia de produção concentrada: 95% das gemas são cortadas na Índia e 80% vendidas em Antuérpia, na Bélgica
Produção mundial (toneladas/ano): 1,21 bilhão de carats
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 72 anos

Veja também
  • plutaoquery_builder 30 set 2016 - 15h09
  • query_builder

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

7) MANGANÊS

Onde há: Mariana (MG)
Produção brasileira (toneladas/ano): 3,1 milhões
Reserva brasileira (toneladas/ano): 565 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 176 anos
Produção brasileira X mundial: 1° maior produtor (25%)
Reserva brasileira X mundial: 2ª maior reserva (10%)
Para que é usado: É um dos compostos metálicos usados na liga que compõe o aço
Produção mundial (toneladas/ano): 12,5 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 453 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

8) CARVÃO MINERAL

Onde há: Candiota e Gravataí (RS)
Produção brasileira (toneladas/ano):  5,98 milhões
Reserva brasileira (toneladas/ano): 930 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 155 anos
Produção brasileira X mundial: 26° maior produtor (0,1%)
Reserva brasileira X mundial: 12ª maior reserva (0,09%)
Para que é usado: Largamente usado em usinas termelétricas dos EUA e da Europa e, mais recentemente, da China
Produção mundial (toneladas/ano): 6 bilhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 166 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

9) NIÓBIO

Onde há: Nazareno e Araxá (MG)
Produção brasileira (toneladas/ano):  104,8 mil
Reserva brasileira (toneladas/ano): 3,68 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 35 anos
Produção brasileira X mundial: 1° maior produtor (96%)
Reserva brasileira X mundial: 1ª maior reserva (96%)
Para que é usado: Usado em condutores e no marcapasso, por ser um metal não alergênico
Produção mundial (toneladas/ano): 108 mil
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 35 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

10) ZINCO

Onde há: Vazante (MG)
Produção brasileira (toneladas/ano):  185 mil
Reserva brasileira (toneladas/ano): 6,4 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual):159 anos
Produção brasileira X mundial: 13° maior produtor (1,8%)
Reserva brasileira X mundial: 10ª maior reserva (1,4%)
Para que é usado: Vasto uso, de baterias a moedas. Se a demanda mundial continuar crescendo, pode acabar em menos de 40 anos
Produção mundial (toneladas/ano):10 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 46 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

11) NÍQUEL

Onde há: Montes Claros, Niquelândia e Jussara (GO)
Produção brasileira (toneladas/ano): 82,5 mil
Reserva brasileira (toneladas/ano): 9,6 milhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 116 anos
Produção brasileira X mundial: 7° maior produtor (5,1%)
Reserva brasileira X mundial: 7ª maior reserva (6,7%)
Para que é usado: Usado na fabricação de ímãs e moedas, principalmente
Produção mundial (toneladas/ano): 1,6 milhão
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 96 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

12) OURO

Onde há: Paracatu (MG)
Produção brasileira (toneladas/ano): 40
Reserva brasileira (toneladas/ano): 1720
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 43 anos
Produção brasileira X mundial: 14° maior produtor (1,6%)
Reserva brasileira X mundial:  10ª maior reserva (1,9%)
Para que é usado: Além de ser matéria-prima de joalheria, o ouro é cada vez mais usado em eletrônicos
Produção mundial (toneladas/ano): 2500
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 36 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

13) FERRO

Onde há: Ouro Preto e Santa Bárbara (MG)
Produção brasileira (toneladas/ano): 317 milhões
Reserva brasileira (toneladas/ano): 26,1 bilhões
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 82 anos
Produção brasileira X mundial: 2° maior produtor (18,8%)
Reserva brasileira X mundial: 5ª maior reserva (7,1%)
Para que é usado: Principal componente do aço, é fundido desde 550 a.C.
Produção mundial (toneladas/ano): 1,69 bilhão
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 218 anos

 (Diego Sanches/Mundo Estranho)

14) PRATA

Onde há: Marabá (PA)
Produção brasileira (toneladas/ano):  6
Reserva brasileira (toneladas/ano): 11.689
Quanto tempo vai durar (com base na produção atual): 1948 anos
Produção brasileira X mundial: 36° maior produtor (0,1%)
Reserva brasileira X mundial: 9ª maior reserva conhecida (2,1%)
Para que é usada: Usada em jóias, condutores e produtos farmacêuticos
Produção mundial (toneladas/ano):  2500
Quanto tempo vai durar (com base na produção mundial anual): 28 anos

FONTES: Departamento Nacional de Produção Mineral (dados de 2006), United States Geological Survey (USGS), World Nuclear Association, Energy Information Administration