Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Retrato Falado: Marie Noe, a mãe serial killer

Conheça o caso da americana que matou os próprios filhos e confessou os crimes 30 anos depois, em um julgamento controverso

Por Danilo Cezar Cabral
Atualizado em 23 jan 2023, 20h40 - Publicado em 9 set 2016, 15h38

retrato_falado_marie_noe

ILUSTRA Eduardo Belga

1) Entre 1949 e 1968, Marie Noe teve dez filhos mortos de forma misteriosa. A investigação inicial durou 20 anos e não esclareceu nada. Em 1998, o caso foi reaberto e Marie confessou ter assassinado oito filhos – todos com idade entre 2 semanas e 14 meses.

2) Marie alega ter sofrido danos cerebrais na infância ao participar de testes com medicamentos contra escarlatina – doença infecciosa comum em crianças. Sua dificuldade de aprendizado, relacionada à leitura, também foi usada como argumento da defesa durante o julgamento.

+ Retrato Falado: Ed Gein, o serial killer mais famoso do cinema

+ Retrato Falado: Idi Amin Dada, o ditador que aterrorizou Uganda

3) O marido de Marie, Arthur Noe, ainda vive na casa em que tudo aconteceu, na cidade de Filadélfia. O maridão admitiu que o casal tinha problemas com alcoolismo e até hoje defende a inocência da esposa.

4) Em 1998, um sargento e dois detetives reabriram o caso e foram auxiliados pelo policial aposentado Joe McGillen, participante da investigação inicial. Durante o interrogatório, que durou 11 horas, Noe descreveu como sufocou seus três primeiros filhos com um travesseiro.

5) Patologistas envolvidos com o caso no passado revisaram cerca de 50 anos de informações sobre a família Noe. A nova apuração se baseou em conhecimentos pediátricos modernos e descartou a possibilidade de doença como causa da morte das crianças.

+ Retrato Falado: Jeffrey Dahmer, o Monstro de Milwaukee

+ Retrato Falado: Josef Mengele, o Anjo da Morte nazista

6) Suspeitas de que a síndrome da morte súbita infantil (SMSI) tivesse acometido as crianças encerraram as investigações. Apelidada de “morte de berço”, a SMSI se caracteriza pelo óbito inexplicável de bebês aparentemente sadios, com idade entre 1 mês e 1 ano de vida.

7) A Justiça estipulou que a serial killer servisse como fonte viva para pesquisas médicas. Suspeita-se que ela tenha síndrome de Münchhausen – por ferir outras pessoas a fim de chamar atenção – ou desordem dissociativa de identidade – perda ou interrupção de memória, consciência ou identidade.

Que fim levou?

A idade da condenada e a falta de evidências atualizadas levaram a um acordo judicial. Marie pagou fiança e foi liberada para cumprir a pena de 20 anos em seu sombrio lar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.