GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Teoria da conspiração: A CIA matou John Lennon?

Será que o homem que matou o ex-beatle estava com a mente controlada pela agência de inteligência? Analisamos essa famosa teoria conspiratória

ILUSTRA Murilo Araújo
EDIÇÃO Felipe van Deursen

 

 (Murilo Araújo/Mundo Estranho)

1. PROGRAMADO PARA MATAR
Às 22h do dia 8 de dezembro de 1980, o americano Mark Chapman disparou cinco tiros contra o ex-beatle John Lennon, em frente ao edifício Dakota, em Nova York, onde o artista vivia. Mas Chapman não teria agido por conta própria. Ele estaria com a mente controlada pela CIA, FBI e membros da extrema direita, que supostamente viam em Lennon uma ameaça à sociedade

2. VEJAM TODOS!
O plano estaria sendo arquitetado havia alguns anos, pois Chapman seria um dos homens preparados pelo MK Ultra, programa de controle mental da agência de inteligência dos EUA. A mente dele teria sido programada para que ele deixasse o Havaí, onde morava, e matasse o músico, a sangue frio, na frente de testemunhas que pudessem comprovar que o assassino era ele

Veja também

3. ISSO, ISSO, ISSO
Em seu depoimento à polícia, Chapman disse que não sentiu emoção ao atirar, apenas ouvia uma voz na cabeça que repetia “faça isso, faça isso”. Ele puxou o gatilho com força e ficou ali parado. Meses depois, alegou que matara o beatle para promover o livro O Apanhador no Campo de Centeio, de J.D. Salinger. Chapman teria alegado ainda que a canção “Imagine” negava a Deus, propondo que paraíso e inferno não existem, e que Lennon era um blasfemo, por dizer que os Beatles eram mais famosos que Jesus Cristo

 

4. PERIGOSOS E SUBVERSIVOS
Em 1989, o advogado e jornalista britânico Fenton Bresler lançou o livro Who Killed John Lennon (“Quem matou John Lennon“, não publicado no Brasil), em que afirmava que o músico foi eliminado por ser uma influência subversiva. O FBI e a CIA o considerariam perigoso por sua capacidade de se comunicar com os jovens. Além de Lennon, outras lideranças populares também teriam sido mortas pelos mesmos motivos

Veja também

 (Murilo Araújo/Mundo Estranho)

5. QUEM QUER GREEN CARD?
Lennon teria se tornado um perigo em 1971, quando fez o show Free John Now em prol da libertação do poeta americano John Sinclair, preso por porte de maconha. A partir daí, Lennon teria sido investigado até 1976, resultando num dossiê de 300 páginas. Ele, que era inglês, ainda ralou para ganhar o visto americano – o país era chefiado pelos republicanos Richard Nixon e Gerald Ford

 

 (Murilo Araújo/Mundo Estranho)

6. PAZ E AMOR
O visto de Lennon veio em 1976, junto com novos ventos na política do país. Segundo a teoria da conspiração, a eleição do democrata Jimmy Carter à presidência naquele ano teria contido o ímpeto assassino da CIA e do FBI. Foram tempos de paz, que Lennon aproveitou para se afastar dos holofotes e criar seu filho Sean, nascido em 1975 de sua relação com a artista multimídia japonesa Yoko Ono

 

 (Murilo Araújo/Mundo Estranho)

7. O RETORNO
Em novembro de 1980, Lennon e Yoko lançaram o álbum Double Fantasy. Essa volta coincidiu com o fim do mandato de Carter e ascensão ao poder de Ronald Reagan, republicano que teve como administrador de sua campanha William Casey. Em janeiro de 1981, pouco após o assassinato, Casey se tornou o novo diretor da CIA

 

 (Murilo Araújo/Mundo Estranho)

8. CLÁSSICO DO MAL
Um exemplar de O Apanhador no Campo de Centeio também teria sido encontrado na casa de John Hinckley Jr. (que em 1981 atirou no presidente Reagan) e na de Lee Harvey Oswald (preso acusado pelo assassinato de outro presidente, John Kennedy), em 1963. O livro, um dos mais importantes dos EUA, seria um gatilho para matadores pré-programados. A missão ficaria “adormecida” na mente até que a pessoa lesse o livro

Por outro lado…
Não há evidências de que Chapman fosse um maluco com a mente dominada

  • Em outubro de 1980, Chapman foi a Nova York para matar Lennon, mas desistiu. No dia do crime, chegou ao Dakota, encontrou Lennon, pediu um autógrafo e esperou algumas horas para então matá-lo
  • O músico inglês foi mesmo investigado de perto. Em 2004, a abertura de um arquivo do FBI revelou que a instituição desconfiava de ligações do beatle com o Exército Republicano Irlandês (IRA) e com políticos de extrema esquerda do Reino Unido, o que não foi comprovado
  • Após receber o visto americano, Lennon de fato tirou um período sabático
  • Preso em flagrante e condenado à prisão perpétua, Chapman está há 37 anos no presídio de Attica, em Nova York
  • O assassino foi examinado por psiquiatras e psicólogos, que não acharam nada de anormal
  • Ao ser preso, ele declarou que só queria ser famoso, e que Lennon foi a vítima mais acessível. Sua lista de alvos tinha a atriz Elizabeth Taylor e o apresentador de televisão Johnny Carson
  • O projeto MK Ultra para controlar mentes realmente existiu. A MUNDO ESTRANHO já falou a respeito
  • Chapman de fato era obcecado por O Apanhador no Campo de Centeio. Ele chegou a assinar uma carta como “The Catcher in the Rye” (título original da obra)
Veja também
  • query_builder

FONTES Livro Who Killed John Lennon, de Fenton Bresler; O Estado de S.Paulo, The Guardian e Rolling Stone

Newsletter Conteúdo exclusivo para você