Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Açúcar é proibido aos diabéticos e nas dietas

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 19h06 - Publicado em 18 mar 2011, 22h00

Boa notícia para os diabéticos e as pessoas que estão de dieta: é possível para esses grupos, sim, ingerir açúcar. “Desde que seja consumido de forma controlada, não deve haver problemas”, diz Dawn Jackson Blatner, doutora em nutrição e ciência dos alimentos do Instituto de Bem-Estar do Hospital Northwestern Memorial, em Chicago, EUA. Vale lembrar: o privilégio só vale para aqueles que estão seguindo à risca o tratamento (no caso da diabetes) e para os que não sofrem de obesidade. A Associação Americana de Diabetes e a Associação Europeia para o Estudo da Diabetes recomendam uma ingestão de açúcares e produtos açucarados não superior a 10% do valor energético total diário – para uma dieta de 2 mil calorias, o máximo seriam 50 gramas por dia ou pouco mais que 3 colheres (sopa).

“Não é só o açúcar que desencadeia o diabetes em pessoas com predisposição genética mas também a obesidade e o consumo exagerado de carboidratos simples (como pães, arroz e batatas), que são convertidos em glicose”, diz a endocrinologista Roberta Villas Boas, do Hospital 9 de Julho, em São Paulo. Vale lembrar que os carboidratos simples são absorvidos rapidamente pelo organismo, causando níveis altos de glicose no sangue, que se traduzem em um quadro de hiperglicemia. Portanto, o diabético não deve exceder a quantidade diária de carboidratos recomendada: 60 gramas em cada refeição principal (por exemplo, 2 colheres de arroz + 1 porção de batata frita) e 15 a 30 gramas nos lanches (um pão francês ou uma salada de frutas). Daí é uma questão de bom senso: se quiser saborear um doce, terá que abrir mão de alguma coisa – as batatas do almoço, por exemplo. Quem está de dieta não deve ultrapassar a medida de 30 gramas de açúcar por dia – no máximo duas colheres (sopa). “Quando consumido em grande quantidade, o açúcar deflagra uma série de reações bioquímicas no organismo, que podem levar à obesidade – e esta, à hipertensão, ao diabetes e outras doenças”, diz a endocrinologista.

O açúcar – a forma mais simples de carboidrato – ganhou ares de vilão no início nos anos 70, com o lançamento do best seller Sugar Blues. O autor, William Dufty, alarmou a sociedade ao chamar o alimento de “droga” e afirmar que ele teria um poder destrutivo tão grande quanto o álcool. A partir dos anos 90, uma série de estudos tratou de desmentir as teorias do autor, inocentando o açúcar. O único crime, dizem os especialistas, é o exagero. Nos EUA, estima-se que a ingestão média anual de açúcar seja de 67 quilos (ou 185 gramas diárias = 12 colheres de sopa) por pessoa. No Brasil, o índice chegaria a 35 quilos por pessoa por ano (96 gramas diárias = 6,5 colheres de sopa). Na hora de consumir, vale a pena levar em conta os diferentes tipos de açúcar (veja tabela abaixo).


Mascavo ou light?

As variações calóricas entre os diferentes tipos são pequenas. Mas há outras diferenças importantes

Refinado
É a sacarose pura, obtida do melado da cana-de-açúcar. No refinamento, as impurezas são eliminadas – e, com elas, as vitaminas e os sais minerais.

Continua após a publicidade

Mascavo
É o açúcar quase bruto, escuro e úmido, extraído depois do cozimento do caldo da cana. Como não passa pelas etapas seguintes de refinamento, conserva o cálcio, o ferro e outros sais minerais.

Invertido
Xarope feito do açúcar refinado. Usado no processo de produção de refrigerantes, biscoitos, sucos, sorvetes, molhos e doces em geral.

Light
Surge da mistura do açúcar refinado com adoçantes dietéticos, como o aspartame, o ciclamato, a sacarina e a sucralose, que quadruplicam o poder de adoçar da sacarose pura. Para você ter uma ideia, um cafezinho só precisa de 2 gramas de açúcar light para ficar doce, contra 6 gramas de açúcar comum.

Frutosa
Açúcar extraído das frutas e do milho. Sem precisar de nenhum aditivo, é cerca de 30% mais doce do que o açúcar refinado, mas também favorece o acúmulo de calorias, sem oferecer uma vitamina sequer.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.