Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Comprimido-baiacu: cápsula fica 100 vezes maior dentro da barriga

Conversamos com o inventor da novidade, feita para tratar gastrite – e, quem sabe, substituir os balões gástricos de emagrecimento no futuro.

Por Ana Carolina Leonardi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 mar 2019, 13h30 - Publicado em 26 fev 2019, 18h42

O que você pensa quando vê um baiacu? Xuanhe Zhao, engenheiro mecânico do MIT, teve uma epifania. Especialista em hidrogel, ele criou uma cápsula capaz de monitorar a saúde do estômago por longos períodos, sem ser destruída pelos ácidos estomacais nem causar desconforto ao paciente.

O que motivou você a desenvolver a cápsula-baiacu?

Existe uma demanda na medicina para criar dispositivos ingeríveis melhores. Quando estamos falando em um comprimido que precise passar muito tempo no estômago, liberando remédios ou monitorando temperatura ou acidez, o que você geralmente tem são eletrônicos feitos de materiais rígidos como plástico, ou cerâmica, que incomodam ao passar pelo trato gastrointestinal, e podem até machucar a mucosa. Eu trabalho com hidrogel – e sempre achei que seria uma boa alternativa. O problema é que hidrogéis naturais, como a gelatina, são facilmente digeríveis pelo organismo.

Como foi que o peixe se tornou inspiração?

Continua após a publicidade

Vimos, no YouTube, um baiacu expandir muitas vezes o seu tamanho, sem que a sua pele perdesse elasticidade ou resistência.  Nos inspiramos nisso para desenvolver um material que suportasse o ambiente gástrico cáustrico, cheio de movimentos cíclicos e contrações, e que também conseguisse se expandir para permanecer no estômago sem ser expelido.

Como vai funcionar o uso do comprimido?

Quando chega ao estômago, a interação da cápsula com o ácido estomacal faz com que ele aumente cem vezes de tamanho em 15 minutos. Lá, imaginamos que ele possa liberar medimentos ou até agir como balão gástrico, para passar a sensação de saciedade e promover emagrecimento. Quando não for mais necessário, o comprimido pode ser expelido. O paciente só precisa beber uma solução concentrada de cálcio, que não faz mal ao organismo, e o aparelho volta ao tamanho original.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.