Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Estudo aponta um efeito negativo da melatonina

Ela é cada vez mais usada como suplemento para ajudar a dormir – mas pode agravar doenças intestinais.

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
15 jun 2023, 15h29

Depois que o Sol se põe e o ambiente escurece, a glândula pineal (localizada no meio do cérebro) começa a secretar melatonina, um hormônio que causa sonolência.

Desde outubro de 2021, é possível encontrar nas farmácias brasileiras comprimidos de melatonina, que prometem combater a insônia de forma “natural”, sem os riscos dos soníferos tradicionais. São um sucesso de vendas.

Mas um novo estudo (1), publicado por cientistas da Universidade de São Paulo (USP), descobriu um problema: em ratos, a melatonina agrava a colite – uma doença intestinal, que também afeta humanos, causada pela superativação do sistema imunológico. A Super conversou com a imunologista Cristina Ribeiro de Barros Cardoso, autora do estudo.

O seu laboratório estuda o microbioma e o sistema digestivo. Mas a melatonina atua principalmente em outra parte do corpo, o cérebro. Por que vocês decidiram estudá-la?

A melatonina não age só no cérebro. Existe uma conexão muito íntima entre o sistema imunológico e a parte hormonal. Essa interação existe porque, nas células do nosso sistema imune, existem receptores que entendem os sinais bioquímicos dos hormônios. Nós achávamos que a melatonina fosse um potencial tratamento para doenças intestinais. Mas vimos o efeito oposto.

Continua após a publicidade

No estudo, camundongos receberam dextran sulfato de sódio, para induzir a colite. Aí, quando estavam se recuperando da doença, metade deles tomou melatonina. Qual foi o efeito disso?

O dextran simula a inflamação intestinal, de forma muito semelhante à que acontece em humanos. Os camundongos começam a perder peso, ter sangramento intestinal, pelo mais arrepiado. Eles ficam mais quietos, têm diarreia, uma série de sinais. No grupo tratado com a melatonina, esses sinais foram muito mais exacerbados.

Por que isso aconteceu? Qual é o mecanismo envolvido?

Molecularmente falando, a gente ainda não sabe. Mas sabemos que o mecanismo é dependente da microbiota intestinal. A melatonina pode agir sobre células do sistema imune, ou diretamente sobre as bactérias.

Continua após a publicidade

As cobaias receberam uma dose de melatonina muito maior que a consumida por humanos. Dá para transpor os resultados? Quem tem alguma doença intestinal deve evitar a melatonina?

A gente não pode fazer uma transposição direta. Mas acho muito importante dar esse alerta, porque as pessoas tendem a abusar [das pílulas de melatonina]. É grande a possibilidade de um indivíduo que já tem uma desregulação das bactérias intestinais piorar.

Fonte 1. The Microbiota-Dependent Worsening Effects of Melatonin on Gut Inflammation. C Ribeiro e outros, 2023.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.