Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estudo sugere que a língua humana é capaz de detectar odores

Isso não significa que você pode estender a língua para cheirar, mas a descoberta indica novos caminhos para a percepção do sabor — e até no combate à obesidade

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 24 abr 2019, 17h30 - Publicado em 24 abr 2019, 17h25

O que a sua língua sente quando prova um chocolate? Por incrível que pareça, além do gosto, ela também é capaz de cheirar o doce. Uma nova pesquisa foi capaz de encontrar receptores olfativos na língua, junto com as células que detectam o gosto. Esses são os mesmos sensores que estão no nariz e são responsáveis por identificar odores.

O sabor da comida vem de uma combinação entre paladar e olfato. Já tentou comer algum alimento com o nariz tampado? O sabor vai parecer bem mais sem graça do que o normal. Mas isso a ciência já sabia. O que os pesquisadores descobriram é que essa relação é ainda mais estreita. A interação entre gosto e odor se inicia na língua e não no cérebro, como se acreditava.

Os sistemas olfativo e do paladar sempre foram considerados independentes. O que fez o pesquisador Mehmet Ozdener, do Centro Monell (EUA), questionar essa concepção foi uma pergunta de uma criança de 12 anos: ela queria saber se as cobras estendiam a língua para sentir cheiros – e a resposta é positiva.

Os pesquisadores extraíram células da língua humana e descobriram que em uma única célula podem existir receptores tanto do olfato quanto do paladar. Além disso, os receptores olfativos funcionam de forma similar tanto na língua quanto no nariz.

E os resultados batem com outros experimentos. Em entrevista ao Guardian, o professor Charles Spence, da Universidade de Oxford, disse que em estudos anteriores foi constatado que as pessoas conseguem diferenciar uma comida de outra mesmo quando sua única mudança é o cheiro sem usar o nariz.

Ozdener diz que a nova descoberta pode ajudar a desenvolver métodos para moldar o sabor da comida. Isso pode contribuir para a diminuição do uso de sal, açúcar e gordura adicionando um odor diferente que agrade o paladar. Ele também menciona o combate a doenças relacionadas à dieta, como diabetes e obesidade.

Além de abrir a oportunidade para o estudo da interação entre paladar e odor, a pesquisa também pode ajudar a entender de que maneira o sistema olfativo detecta o cheiro. Os cientistas ainda não sabem quais moléculas são capazes de ativar os tipos diferentes de receptores responsáveis pelo olfato. Entender como eles funcionam na língua é um primeiro passo para compreender o sistema olfativo em toda a sua complexidade.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)