GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Existem origens cerebrais para a corrupção?

Em tempos de Lava Jato, especialista defende que defeitos neurológicos ajudam a explicar parte de escândalos como os que abalaram o Brasil

Os desvios de dinheiro foram tema de um acalorado debate no Congresso Mundial de Cérebro, Comportamento e Emoções, realizado em Porto Alegre. Em uma palestra sobre o tema, o neurocientista Antoine Bechara, da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, defendeu que uma parcela dos casos de corrupção seria causada por mau funcionamento do córtex pré-frontal, área da cabeça que controla impulsos, julgamento moral e empatia.

“Mas esses indivíduos são logo flagrados, pois tomam decisões imprudentes.” O problema estaria mesmo na sociedade. “Se vivemos num contexto onde é comum roubar e não há punição, esse comportamento vai ficar comum”, reflete Bechara. Conhece algum lugar que seja assim?

Biologia e sociedade explicam a propensão à corrupção

O ambiente

É o grande responsável por estimular ações ilegais por agentes do governo e de empresas. Estão por trás disso:

– Falta de punição
– Pobreza e desigualdade
– Ditaduras
– Falta de acesso a serviços de saúde e educação
– Conflitos armados

O cérebro

A imoralidade pode ser entendida como uma espécie de psicopatia provocada por falhas em uma área do cérebro, o córtex pré-frontal, ou até uma liberação reduzida de neurotransmissores ligados à sensação de bem-estar. Mas isso ocorreria em apenas 6 ou 7% da população, de acordo com as estimativas do professor Bechara.

Os países menos e mais corruptos

1º Dinamarca (menos corrupto)
2º Finlândia
3º Suécia
76º Brasil
166º Afeganistão
167º Coreia do Norte
168º Somália (mais corrupto)

Este conteúdo foi originalmente publicado em Saúde