Clique e Assine por apenas 8,90/mês

Genética procura a fonte da juventude

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h31 - Publicado em 30 abr 1988, 22h00

Hoje em dia, mesmo nos países de-senvolvidos, as pessoas vivem em média 75 anos; apenas uma pessoa em cada 10 mil vive 100 anos. No Brasil, a expectativa de vida não passa de 60,8 anos. Segundo os últimos cálculos dos cientistas, porém, a duração natural da vida humana deveria oscilar entre 85 e 115 anos – é o tempo que as células do organismo levam para envelhecer. Ser jovem, segundo a Genética, é ter as células funcionando em harmonia como uma orquestra, cujos instrumentos são os genes. No decorrer da vida, as moléculas de DNA (ácido desoxirribonucléico), que, formam os genes, vão perdendo átomos; em conseqüência, os instrumentos desafinam, a orquestra perde a sintonia, o corpo envelhece.

Os geneticistas pensam em uma forma de aumentar ainda mais o limitedos 115 anos. Como? Comparando o que acontece com homens e mulheres. De modo geral, as mulheres vivem de 4 a 10 anos mais do que os homens, independentemente da nacionalidade. Elas são menos ropensas a problemas circulatórios e têm uma resposta imunológica às dgenças muito mais rápida e intensa. E possível que toda a força do chamado sexo frágil seja determinada geneticamente. Os cientistas agora querem saber o que torna frágil o chamado sexo forte – ou seja, ao identificar o que acelera o envelhecimento das moléculas de DNA dos homens, talvez se possa descobrir a pista da fonte da juventude.

Publicidade