Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Machismo abala a saúde mental dos homens

Pesquisa indica que comportamentos de dominação os deixam mais propensos a sofrer problemas psicológicos

Por Karolina Bergamo, de Saúde Atualizado em 12 dez 2016, 18h27 - Publicado em 12 dez 2016, 12h27

A violência contra mulher é uma questão de saúde pública. Uma em cada cinco mulheres já foi atacada pelo companheiro — um comportamento ligado ao machismo e sua aceitação na sociedade.

Embora em uma escala muito menor, essa postura pra lá de condenável também parece afetar o sexo masculino. Pesquisadores da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, mostraram que o machismo prejudica a saúde mental deles.

LEIA: Quem assediar mulheres nas ruas de Buenos Aires vai pagar multa

Segundo o estudo, homens que se veem como “playboys” (termo usado pelos cientistas para designar promiscuidade sexual) ou que buscam exercer poder sobre as mulheres são mais propensos a ter problemas psicológicos, como depressão, do que os que fogem a esses estereótipos. O excesso de autoconfiança também contribui para disturbios.

Para chegar a essas conclusões, os experts juntaram 78 pesquisas que totalizaram mais de 19 mil participantes. E olha que os achados não acabam por aí: além de apresentarem distúrbios com maior frequência, os machistas buscam menos ajuda. “O machismo é uma injustiça social que abala as mulheres, mas também pode ter um efeito prejudicial sobre a saúde mental daqueles que abraçam tais atitudes”, afirma o psicólogo Joel Wong, um dos autores do estudo, em nota à imprensa.

Continua após a publicidade

LEIA: Como a Islândia se tornou o melhor país do mundo para mulheres

Outra pesquisa, publicada no periódico British Medical Journal, descobriu que os homens que sentem estar abaixo dos padrões esperados para um “macho” seriam mais predispostos à violência. Isso significa que o comportamento abusivo é resultado da existência de padrões sociais e preconceitos.

As mulheres, claro, são as mais prejudicadas nesse processo. Em comparação com o ano passado, o número de casos de violência sexual aumentou 123%, segundo dados do Ligue 180, a central de atendimento à mulher da Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República (SPM-PR). Entre os casos, destacam-se a exploração sexual, o assédio e o estupro — o crime mais praticado entre eles.

LEIA: Que tipo de machista é você?

Esse conteúdo foi originalmente publicado em Saúde

Continua após a publicidade
Publicidade