Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Não gosta de vegetais? O problema pode estar na sua boca

Um gene específico aumenta a sensibilidade a sabores amargos — e essa pode ser a causa da sua repulsa por brócolis e cia.

Por Maria Clara Rossini
Atualizado em 23 mar 2020, 15h10 - Publicado em 12 nov 2019, 18h21

Todo mundo sabe que comer vegetais é importante para a saúde — e mesmo assim, muita gente se recusa a colocar uma rúcula na boca.

Para algumas pessoas, o sabor de alimentos amargos é muito mais forte e insuportável do que o normal. Se você é um desses, a explicação pode estar nos seus genes.

Todo mundo herda genes responsáveis por detectar o gosto dos alimentos. O gene TAS2R38, por exemplo, fica encarregado dos sabores amargos. Ele contém duas variantes, chamadas AVI e PAV, e são elas que indicam se uma pessoa é mais ou menos sensível a esse gosto.

Aí está a diferença na percepção de sabor. Acontece que cada pessoa tem uma combinação específica dessas duas variações. Quem tem duas cópias do AVI é menos sensível à molécula PTC, que confere o sabor amargo do alimento. Os portadores de um AVI e um PAV conseguem perceber bem o gosto amargo. O problema está em quem tem duas cópias do PAV: eles o sentem de forma muito mais forte.

Continua após a publicidade

Essas pessoas são chamadas de superdegustadores, justamente porque são muito sensíveis a determinados sabores. É comum que eles não gostem de alimentos como brócolis, couve-de-bruxelas e até café, cerveja e chocolate amargo.

Pesquisadores da Associação Americana do Coração analisaram a relação entre as variantes do gene TAS2R38 e os hábitos alimentares de 175 participantes. Eles fizeram um ranking com os indivíduos que incluíam mais vegetais em sua dieta. As pessoas que possuem a combinação dupla da variante PAV no gene tinham o dobro de chances de estar no final da lista.

Continua após a publicidade

E não é só isso. Outra pesquisa realizada em 2018 mostrou que quem é sensível aos sabores amargos tem 30% mais chances de desenvolver câncer — justamente por não incluírem alimentos saudáveis na dieta.

Cerca de 25% da população mundial é composta por superdegustadores, sendo a maioria mulheres. “A genética afeta a maneira como as pessoas sentem os sabores, e esse é um fator importante na escolha alimentar”, diz Jennifer Smith, autora da pesquisa, em nota. Segundo ela, os nutricionistas devem considerar o paladar do paciente se quiser que ele siga uma dieta saudável.

“Nós esperamos poder usar informação genética para escolher quais vegetais e temperos são mais palatáveis para essas pessoas para facilitar e incentivar o consumo de vegetais”, diz a pesquisadora.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.