Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pela primeira vez, cientistas curam doença hereditária editando genes

A terapia do futuro já está aí.

Por Fábio Marton Atualizado em 4 nov 2016, 19h08 - Publicado em 7 jan 2016, 19h15

Terapia genética é a (até há dias atrás hipotética) promessa de se editar genes defeituosos para tratar toda a imensa lista de problemas causados por eles. Cientistas já haviam conseguido fazer isso, várias vezes, em células individuais. Mas esta semana, não um, mas três estudos quase idênticos mostraram, pela primeira vez, a técnica sendo aplicada em animais vivos, obtendo sucesso em tratar uma doença hereditária.

A doença é a distrofia muscular de Duchenne, causada por uma mutação no cromossomo X que impede o corpo de produzir a distrofina, proteína ligada à integridade dos músculos. Sem ela, os músculos se atrofiam – a maioria dos pacientes está na cadeira de rodas aos 10 anos e não passa dos 25. Ela afeta um a cada 3600 meninos nascidos, o que a torna o segundo distúrbio genético fatal mais comum, depois da fibrose cística. Raramente acontece em mulheres, porque elas têm duas versões do cromossomo X, e o defeito raramente vai aparecer nas duas (como no caso da hemofilia).

A cura foi usar a proteína Cas9, que é capaz de cortar pedaços do DNA. Ela é introduzida em vírus, que infectam o núcleo das células, levando-a até seu alvo. Então a parte defeituosa do DNA é removida. Em um dos estudos, da Universidade da Califórnia, Berkley, os cientistas conseguiram fazer isso com ratos adultos, injetando a solução viral primeiro localmente, nos músculos de uma perna, depois globalmente. O DNA defeituoso foi removido, os ratos conseguiram produzir distrofina novamente, e seus músculos tiveram rápida melhora.

O futuro está à porta, mas ainda não cruzou o capacho. O sistema não é perfeito – às vezes DNA demais é cortado e a distrofina não sai completa. Mas isso ainda assim é melhor que a versão mutante dos genes, com zero distofina. No caso de um estudo chinês, de 86 embriões, apenas 26 tiveram seus genes editados com sucesso. Para chegar a humanos, o sucesso tem que ser próximo a 100%.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)