Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Exame de próstata: a polêmica do cutuco no botico

Enquanto o novembro azul faz campanha pelo exame de toque retal, o Ministério da Saúde, o Inca e a OMS não o recomendam como rotina anual. Entenda a razão.  

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 8 dez 2023, 10h04 - Publicado em 7 dez 2023, 19h35

No dia 6 de novembro de 2023, estreou no YouTube uma “campanha do Porta dos Fundos em prol da sua porta dos fundos” – para incentivar a realização do exame de toque retal para câncer de próstata. O canal de comédia fez um vídeo com o galã Antônio Fagundes soltando frases do tipo “deixar um profissional cutucar o seu botico é a melhor escolha para uma vida saudável”.

Campanhas em benefício ao acesso à retaguarda, você sabe, são comuns em novembro. No começo dos anos 2000, na rabeira de um movimento de conscientização iniciado na Austrália, o mês se tornou azul e passou a ser dedicado à prevenção de tumores malignos na próstata, responsáveis por 28,6% das mortes de homens por cânceres em geral. 

A doença atinge 65 mil pessoas por ano, e mata algo como 15 mil. 20% dos diagnósticos acontecem já em um estado avançado. Sabe-se que ela é mais comum em brancos do que em asiáticos, e mais comum em negros do que em brancos – um recorte étnico importante, já que 56% da população brasileira é negra. O histórico familiar também é um fator de risco.  

O exame de toque retal, em que o médico insere um dedo no ânus do homem e apalpa a próstata por 10 ou 20 segundos em busca de alterações, não é o único do arsenal preventivo. Também existe o exame de sangue, em que se pode averiguar a prevalência de uma molécula chamada antígeno prostático específico – PSA, na sigla em inglês. A concentração de PSA aumenta quando há tumores no órgão (tanto os malignos como os inofensivos). 

A recomendação mais comum é que todo homem com mais de 50 anos realize o exame de toque e o PSA anualmente, ainda que não haja sintomas (nos casos em que sintomas, como sangue na urina ou dor para fazer xixi, nem se fala). 

Se os resultados forem preocupantes, o próximo passo é fazer uma biópsia da próstata, ou seja: cortar um pedacinho e levá-lo para o laboratório. É que metade dos homens passa por um aumento benigno na próstata após os 50 anos, e também existem inflamações causadas por bactérias – é importante eliminar essas possibilidades para não operar uma pessoa saudável. 

 

Quem procura, acha

O problema: não há evidências de que exames anuais em homens sem sintomas diminuam a mortalidade masculina como um todo (há alguma evidência de que reduzam a mortalidade especificamente por câncer de próstata, mas a um custo alto de sobrediagnóstico, um conceito que entenderemos a seguir).

Por isso, o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional do Câncer (Inca) recomendam o PSA e o toque retal não para todos acima dos 50, mas apenas em quem exibe sintomas. O mesmo vale para a Organização Mundial da Saúde (OMS) e para as autoridades de saúde da maioria dos países desenvolvidos. Um dos únicos órgãos brasileiros de porte que mantêm a recomendação é a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). 

Pode não ajudar, mas não atrapalha, certo? Mais ou menos. É que nem todo câncer é agressivo: muitos crescem tão devagar que podem ser ignorados e nunca serão percebidos. O tratamento, por outro lado, é péssimo para a qualidade de vida do paciente. Nas palavras do Inca: “Muitos, com a doença menos agressiva, tendem a morrer com o câncer ao invés de morrer do câncer. Mas nem sempre é possível dizer, no momento do diagnóstico, quais tumores terão comportamentos agressivos e quais terão crescimento lento”. 

Um estudo na Austrália calculou que a vigilância excessiva cobra um preço: em 2012, 18% dos cânceres em mulheres (11 mil de 55 mil) e 24% dos cânceres em homens (18 mil de 77 mil) foram diagnosticados sem necessidade, e que 8,6 mil dos 18 mil casos masculinos eram na próstata. (1) Se os exames anuais aumentam o número de diagnósticos e de pessoas tratadas, mas não diminuem a mortalidade, então existe muita gente sofrendo à toa com a remoção do órgão, que pode causar incontinência urinária e impotência sexual. 

Veja só as conclusões de dois grandes estudos publicados em 2009, que analisaram juntos mais de 200 mil homens e até hoje são os mais citados sobre o tema. Em um deles, (2) a mortalidade foi 13% maior no grupo que fez os exames preventivos do que no grupo que não se testava anualmente (algo que está dentro da margem de erro, vale notar). O outro até encontrou uma queda de mortalidade significativa por câncer de próstata, de 20%, no grupo que fazia regularmente o PSA, (3) mas ela exigia 150 biópsias e 48 diagnósticos de câncer para cada vida salva. (4) 

Continua após a publicidade

Países que fizeram o caminho oposto colheram resultados animadores. Vejamos o caso de outro câncer. A Coreia do Sul passou a diagnosticar quinze vezes mais tumores na tireoide entre 1993 e 2011, conforme o governo aumentou a grana destinada a rastrear o problema na população saudável. Diante dessa epidemia improvável de diagnósticos, eles fecharam a torneira de dinheiro. O número de cirurgias caiu de 43 mil em 2013 para 28 mil em 2014. (5) Mas a mortalidade permaneceu idêntica. Ou seja: muita gente tirou a glândula à toa, e hoje precisa tomar medicação diariamente para manter os hormônios nos níveis certos. 

Ainda há um obstáculo nessa linha de argumentação: os estudos na Europa e nos EUA são feitos com populações majoritariamente brancas, e como já dissemos, câncer de próstata é mais prevalente em populações negras. Por isso, o ideal é fazer nossas próprias pesquisas – não podemos dar por certo que a demografia brasileira renderá resultados idênticos. 

Mas, ainda que se conclua nas próximas décadas que o exame de toque retal e o PSA têm pouco valor preventivo, o combate ao machismo não tornará algo menos necessário para a saúde pública. Não é preciso um cutucão no botico para desestimular homens a visitarem um médico. Eles vivem, em média, sete anos a menos do que as mulheres, e sofrem mais com doenças do coração, câncer, diabetes, colesterol e pressão alta. Tudo isso é motivo para reservar um mês bigodudo no calendário. 

Enquanto os cientistas trabalham, não é difícil saber qual é a decisão mais sensata para você, pessoa com próstata: conversar com um médico e fazer escolhas bem informadas. É ótimo entender os riscos e benefícios do PSA ou do exame de toque e tomar uma decisão racional, que não considere o medo de um procedimento indolor. Mas lembre–se de que a saúde do homem é algo muito maior que a próstata. Nós somos historicamente mais alcoólatras, tabagistas e negligentes com a saúde que as mulheres. Nenhum exame, sozinho, é uma bala de prata contra isso. 

Fontes (1) “Estimating the magnitude of cancer overdiagnosis in Australia”, de Paul Glasziou e outros. (2) “Mortality Results from a Randomized Prostate-Cancer Screening Trial”, de Gerald L. Adriole e outros. (3) “Screening and Prostate-Cancer Mortality in a Randomized European Study”, de Fritz H. Schröeder e outros. (4) “Novembro Cinza”, de Olavo Amaral na revista Piauí. (5) “South Korea’s Thyroid-Cancer “Epidemic” — Turning the Tide”, de Hyeong Sik Ahn.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.