Clique e assine a partir de 8,90/mês

Quantos brasileiros dirigiram outras seleções nas copas?

Como outros brasileiros também tiveram participações apagadas, criou-se o mito de que técnicos do país sempre fracassam no comando das seleções estrangeiras.

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h10 - Publicado em 30 abr 2003, 22h00

Artur Louback Lopes

Ao todo, nove técnicos brasileiros comandaram seleções de outros países em campeonatos mundiais de futebol. Um deles, porém, esteve à frente de três equipes diferentes. Coincidência ou não, trata-se do atual treinador da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, que já dirigiu o Brasil em 1983 e entre 1991 e 1994. Fora do país, entretanto, ele não teve sorte nas Copas: liderando o Kuwait, em 1982, não passou da primeira fase. Em 1990, com os Emirados Árabes Unidos, amargou a última posição. E em 1998, após vera seleção árabe ser goleada pela França por 4 a 0, Parreira tornou-se o primeiro técnico a ser demitido em plena Copa do Mundo. Como outros brasileiros também tiveram participações apagadas, criou-se o mito de que técnicos do país sempre fracassam no comando das seleções estrangeiras. “Pura bobagem.

Na verdade, o simples fato de levar equipes como Jamaica, Iraque ou Kuwait para uma Copa do Mundo já é um grande resultado”, afirma o comentarista esportivo Orlando Duarte, autor do livro Enciclopédia de Todas as Copas do Mundo. Até agora, o caso de maior destaque é o do pioneiro Otto Glória, que dirigiu Portugal em 1966. Naquela Copa, o time luso eliminou o então bicampeão Brasil na primeira fase e só caiu diante da campeã Inglaterra, na semifinal. Até hoje, nenhum estrangeiro conseguiu ser campeão de uma Copa liderando uma seleção de outro país. Há exemplos de sucesso, como o holandês Guus Hiddink, que levou a Coréia do Sul à semifinal em 2002. Ou o iugoslavo Bora Milutinovic, que dirigiu nada menos que cinco times diferentes México, Estados Unidos, Costa Rica, Nigéria e China – nos últimos cinco torneios

Santo de fora não faz milagre

Em seleções inexpressivas, técnicos brasileiros têm performances fracas

TÉCNICO – Otto Glória

PAÍS – Portugal

ANO – 1966

COLOCAÇÃO – 3º

TÉCNICO – Didi

Continua após a publicidade

PAÍS – Peru

ANO – 1970

COLOCAÇÃO – 7º

TÉCNICO – Tim

PAÍS – Peru

ANO – 1982

COLOCAÇÃO – 20º

TÉCNICO – Carlos Alberto Parreira

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

PAÍS – Kuwait

ANO – 1982

COLOCAÇÃO – 21º

TÉCNICO – José Faria

PAÍS – Marrocos

ANO – 1986

COLOCAÇÃO – 11º

TÉCNICO – Evaristo de Macedo

Continua após a publicidade

PAÍS – Iraque

ANO – 1986

COLOCAÇÃO – 23º

TÉCNICO – Carlos Alberto Parreira

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

PAÍS – Emirados Árabes

ANO – 1990

COLOCAÇÃO – 24º

TÉCNICO – Carlos Alberto Parreira

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

PAÍS – Arábia Saudita

ANO – 1998

COLOCAÇÃO – 28º

TÉCNICO – René Simões

PAÍS – Jamaica

ANO – 1998

COLOCAÇÃO – 22º

TÉCNICO – Paulo César Carpegiani

Continua após a publicidade

PAÍS – Paraguai

ANO – 1998

COLOCAÇÃO – 14º

TÉCNICO – Alexandre Guimarães

PAÍS – Costa Rica

ANO – 2002

COLOCAÇÃO – 19º

Publicidade