GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Quantos brasileiros dirigiram outras seleções nas copas?

Como outros brasileiros também tiveram participações apagadas, criou-se o mito de que técnicos do país sempre fracassam no comando das seleções estrangeiras.

Artur Louback Lopes

Ao todo, nove técnicos brasileiros comandaram seleções de outros países em campeonatos mundiais de futebol. Um deles, porém, esteve à frente de três equipes diferentes. Coincidência ou não, trata-se do atual treinador da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, que já dirigiu o Brasil em 1983 e entre 1991 e 1994. Fora do país, entretanto, ele não teve sorte nas Copas: liderando o Kuwait, em 1982, não passou da primeira fase. Em 1990, com os Emirados Árabes Unidos, amargou a última posição. E em 1998, após vera seleção árabe ser goleada pela França por 4 a 0, Parreira tornou-se o primeiro técnico a ser demitido em plena Copa do Mundo. Como outros brasileiros também tiveram participações apagadas, criou-se o mito de que técnicos do país sempre fracassam no comando das seleções estrangeiras. “Pura bobagem.

Na verdade, o simples fato de levar equipes como Jamaica, Iraque ou Kuwait para uma Copa do Mundo já é um grande resultado”, afirma o comentarista esportivo Orlando Duarte, autor do livro Enciclopédia de Todas as Copas do Mundo. Até agora, o caso de maior destaque é o do pioneiro Otto Glória, que dirigiu Portugal em 1966. Naquela Copa, o time luso eliminou o então bicampeão Brasil na primeira fase e só caiu diante da campeã Inglaterra, na semifinal. Até hoje, nenhum estrangeiro conseguiu ser campeão de uma Copa liderando uma seleção de outro país. Há exemplos de sucesso, como o holandês Guus Hiddink, que levou a Coréia do Sul à semifinal em 2002. Ou o iugoslavo Bora Milutinovic, que dirigiu nada menos que cinco times diferentes México, Estados Unidos, Costa Rica, Nigéria e China – nos últimos cinco torneios

Santo de fora não faz milagre

Em seleções inexpressivas, técnicos brasileiros têm performances fracas

TÉCNICO – Otto Glória

PAÍS – Portugal

ANO – 1966

COLOCAÇÃO – 3º

TÉCNICO – Didi

PAÍS – Peru

ANO – 1970

COLOCAÇÃO – 7º

TÉCNICO – Tim

PAÍS – Peru

ANO – 1982

COLOCAÇÃO – 20º

TÉCNICO – Carlos Alberto Parreira

PAÍS – Kuwait

ANO – 1982

COLOCAÇÃO – 21º

TÉCNICO – José Faria

PAÍS – Marrocos

ANO – 1986

COLOCAÇÃO – 11º

TÉCNICO – Evaristo de Macedo

PAÍS – Iraque

ANO – 1986

COLOCAÇÃO – 23º

TÉCNICO – Carlos Alberto Parreira

PAÍS – Emirados Árabes

ANO – 1990

COLOCAÇÃO – 24º

TÉCNICO – Carlos Alberto Parreira

PAÍS – Arábia Saudita

ANO – 1998

COLOCAÇÃO – 28º

TÉCNICO – René Simões

PAÍS – Jamaica

ANO – 1998

COLOCAÇÃO – 22º

TÉCNICO – Paulo César Carpegiani

PAÍS – Paraguai

ANO – 1998

COLOCAÇÃO – 14º

TÉCNICO – Alexandre Guimarães

PAÍS – Costa Rica

ANO – 2002

COLOCAÇÃO – 19º