GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Todo mundo zen

Com massagens, plantas medicinais, meditação, dieta balanceada, postura correta e contato com a natureza, o ayurvedismo ganha milhões de adeptos em todo o mundo afirmando que corpo, mente e espírito em equilíbrio são a melhor barreira contra doenças e estresse

Mariana Mello

Você quer viver 120 anos? Claro que sim. Afinal, postergar o mais possível a data de embarque desta para melhor é um desejo óbvio – e eterno – do ser humano. Bem, e você já ouviu falar em medicina ayurvédica? Provavelmente não. Pois saiba que a longevidade é uma das promessas desta que é uma das doutrinas médicas mais antigas do mundo.

Surgido há mais de 5 000 anos na região onde hoje está a Índia, o ayurvedismo acredita que saúde nada mais é do que o resultado do equilíbrio do homem com a natureza – e consigo mesmo. Naquela época primeva – as pirâmides do Egito estavam sendo construídas! –, o conhecimento médico era passado oralmente de mestre para discípulo. O termo ayurvedismo data daquele tempo e tem origem no sânscrito – significa “conhecimento da vida”.

Para o ayurvedismo, tudo o que existe na Terra – inclusive nós – é composto por cinco elementos: espaço, ar, fogo, terra e água. O espaço, que os ayurvedas chamam de éter, representa a ligação entre os homens e a divindade. O ar é movimento, o fogo é calor, a água adere e a terra dá consistência. Da combinação desses cinco elementos, segundo a doutrina, constroem-se os três tipos básicos de constituição física e psicológica dos seres humanos (ou dosha, em sânscrito): ar e espaço formam Vata, fogo e água formam Pitta, água e terra são Kapha.

Pitta é o dosha do fogo, o elemento da transformação. Portanto, as pessoas de Pitta seriam empreendedoras e objetivas. Vata é a constituição do ar e do espaço. As pessoas de Vata seriam criativas e alegres, porque o ar está sempre em movimento. Kapha é o dosha da água e da terra. As pessoas sob sua égide seriam amorosas, equilibradas e estáveis.

Uma consulta com um médico ayurveda pode durar horas. E a primeira coisa que ele fará é descobrir qual é o seu dosha. (Diz-se que alguns médicos indianos podem identificar o dosha à primeira visão do paciente.) Após perguntar detalhes como seu tamanho ao nascer e como anda o seu apetite sexual, tudo é examinado: o ritmo da pulsação, o aspecto da língua dos olhos e dos lábios, a temperatura da mão, as linhas do rosto. Detalhes mínimos são observados: desde o seu modo de falar e caminhar até eventuais tiques nervosos. Para o ayurvedismo, seu corpo pode revelar mais detalhes sobre a saúde do que jamais imaginou a filosofia halopata.

Um dos tratamentos mais comuns em medicina ayurvédica é o Pancha Karma: uma desintoxicação feita à base de massagens com óleos infundidos com ervas. Segundo Marcia de Lucca, eles penetram no corpo eliminando toxinas, diminuindo o estresse, melhorando o desempenho do sistema imunológico e ativando o sistema circulatório. “É muito importante que a pessoa sinta que corpo, mente e espírito formam uma coisa só.”

A alimentação é um ponto importante para o ayurvedismo. Cada dosha requer uma dieta especial. Quem é Pitta, por exemplo, o elemento do fogo, deve evitar comer pimenta e amendoim, alimentos energéticos e “quentes”. Quem é Vata, o elemento do ar, deve evitar frutas secas e cereais, porque seu organismo já é, em geral, pouco hidratado.

Isso tudo funciona? Aloízio Oria, 63 anos, saiu há meio ano do consultório do seu médico com os exames cardíacos embaixo do braço e uma sentença pairando sobre o pescoço: 70% da veia terciária, um dos principais dutos sangüíneos do coração, estavam entupidos. Ainda em tempo de reverter o quadro que poderia ser fatal, procurou o tratamento ayurvédico. “Passei a meditar uma hora por dia, cinco vezes por semana. Naquele momento, toda a energia do pensamento era dirigida para a cura do meu coração”, diz. Em abril deste ano, Oria refez os exames. “A veia estava totalmente desobstruída. Meus médicos e eu não acreditamos.”

Outra história que faz pensar: a empresária paulistana Leila Pires, 39 anos, descobriu cistos nos ovários e um mioma no útero. E achou que cedo ou tarde teria câncer. “Além de outros casos na família, minha mãe teve câncer de mama. Eu não pensava em outra coisa.” Para aliviar a tensão, Leila passou a freqüentar sessões de massagem ayurvédica. A idéia de que a massagem pudesse curá-la nem passava pela sua cabeça. Depois de seis meses de tratamento, em exames de rotina, a grata surpresa: “Os exames apontaram útero e ovários normais. Hoje acredito que a massagem trabalhou os pontos de energia certos. Tenho certeza de que minha doença era de fundo emocional”.

O ayurvedismo aposta na prevenção das doenças. “Se você acumula toxinas todos os dias no seu corpo, gera um processo de enfraquecimento do organismo que abre caminho para o desenvolvimento de doenças. Nosso trabalho é fazer com que você não acumule toxinas e se purifique permanentemente”, diz Marcia de Lucca.

Como se faz isso? Com práticas simples, mas que exigem boas doses de disciplina, como reeducação alimentar, exercícios respiratórios, de meditação e posturais, aliados às massagens. Esse é o escudo ayurvédico que teria o poder de protegê-lo das moléstias. “A base da massagem é a coluna vertebral, que é a sede das atividades neuromotoras. Você é tão jovem quanto a sua coluna vertebral. Se você tem uma coluna alinhada seu corpo é saudável”, afirma a carioca Ma Pren Ila, especialista em massagem ayurvédica.

O ayurvedismo tem crescido em todo o mundo. Fundador do The Chopra Center for Well Being (Centro Chopra para o Bem-Estar), na Califórnia, o endocrinologista indiano Deepak Chopra é um dos grandes responsáveis pela tradução do ayurvedismo para o Ocidente. Famoso por ter unido conhecimentos da antiga sabedoria do Oriente com a experiência da moderna medicina ocidental, Chopra administra, além do Centro, uma série de produtos que carregam sua marca: tem 21 livros publicados, editados em 30 idiomas, vídeos e fitas de áudio com ensinamentos indianos, óleos, chás e temperos. Entre seus clientes estão estrelas de Hollywood, como Demi Moore e Michael Douglas. Chopra tornou-se milionário e hoje passa boa parte do tempo viajando, dando palestras por todo o mundo (no mês passado esteve no Brasil).

Muitos médicos brasileiros têm se especializado em ayurvedismo. Mas nem todos excluem os exames tradicionais. “Apesar de ser ayurveda, o primeiro diagnóstico que faço é baseado na visão ocidental”, diz o clínico-geral carioca Aderson Moreira da Rocha, presidente da Associação Brasileira de Ayurveda. O cirurgião e homeopata paulista César Deveza encarou a leitura em sânscrito das escrituras originais para se tornar mestre em ayurveda. Ele diz que o segredo do ayurvedismo é entender o ser humano como um ser uno e integrado. “Uma doença não é apenas um órgão doente. Não adianta dar um remédio para o estômago de um paciente que está com um conflito existencial, que teve uma úlcera em função da angústia. A úlcera se resolve, mas o paciente continua doente.”

Deveza está desenvolvendo um projeto de tratamento ayurvédico no Instituto do Coração, o Incor, em São Paulo. “Muitos dos pacientes têm problemas cardíacos e respiratórios somatizados. E muitos dos sintomas físicos estão relacionados com o estado emocional e psicológico.” Segundo Deveza, há uma pressão antiayurveda muito forte por parte da indústria farmacêutica. “Imagine quanto dinheiro vai deixar de ser ganho se a medicina ayurvédica começar a se desenvolver com mais força.” E completa: “Uma medicina que sobrevive por mais de 5 000 anos tem que ter um bom fundo de verdade”.

Para saber mais

Na livraria: Ayurveda de Vasant Lad. Editora Ground

Saúde Perfeita de Deepak Chopra

Na Internet: Associação Brasileira de Ayurveda

http://www.ayurveda.com.br

Centro Integrado de Yoga, Meditação e Ayurveda

http://www.ciyma.com.br

Site oficial de Deepak Chopra

http://www.chopra.com/ccwbwelcome.htm

mamello@abril.com.br

Na sua boca

Para os ayurvedas, a língua e os lábios são mapas que cartografam a saúde do corpo

No ayurvedismo, cada parte da língua representa um órgão. Se houver diferenças de cor ou textura, pode haver problemas com os órgãos correspondentes.

O mesmo vale para os lábios. Se estiverem secos e ásperos, indicam desidratação, distúrbio da constituição de Vata. Os lábios de Pitta, por exemplo, dosha do fogo, são vermelhos, e os de Kapha, dosha da água e da terra, são grossos e oleosos.

Uma ayurveda e tanto

Há dois anos a atriz Maitê Proença se rendeu aos encantos da medicina ayurvédica. Já fez uma viagem à India e promete abrir em breve uma clínica ayurveda no Rio de Janeiro

“Acho que beleza vem da saúde. Não adianta esticar o rosto, puxar aqui e ali, e estar se sentindo péssima por dentro. Eu não conheço nada mais eficaz que o ayurveda para trazer esse benefício. Passei 15 dias na Índia, na região do Kerala. A comida era a mais deliciosa que já comi na minha vida, sabores que eu nunca tinha sentido. Não engordei nem 1 grama porque era tudo muito equilibrado. Continuo fazendo massagens no Rio de Janeiro com uma massagista que tem os óleos indianos, adaptados ao meu dosha, que é Vata.

“Em três dias na Índia a minha pele parecia a de uma criança. Comecei naturalmente a acordar às 6 horas da manhã, para despertar com o dia e adormecer com a noite.

“Nem sempre é fácil seguir os preceitos do ayurvedismo. O teatro atrapalha o horário de dormir. Mas fazer alguma coisa já é bem melhor do que não fazer nada.

“Em breve vou abrir minha clínica. Quero trazer os cozinheiros e os massagistas indianos para o Brasil, porque eles é que sabem das coisas. É uma doutrina milenar que não se aprende de um dia para o outro.”