Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Uma em cada 20 pessoas tem alucinações

Pesquisas recentes mostram que 5% da população teve pelo menos um episódio no ano passado - incluindo gente totalmente saudável.

Por Ana Carolina Leonardi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
21 fev 2017, 18h35

Ouvir vozes e sons inexplicáveis e enxergar coisas inexistentes. Esses são sintomas assustadores, que estamos acostumados a associar a psicoses graves. Mas se você anda vendo coisas que não estão ali, não está sozinho: 1 em cada 23 pessoas experimentou alguma alucinação no ano passado. E esses resultados estão desafiando a forma como a psiquiatria classifica os transtornos mentais.

As doenças mentais são classicamente divididas entre neuroses e psicoses. As primeiras são as mais comuns e conhecidas: ansiedade, depressão, fobias, TOC e distúrbios alimentares. Nos últimos anos, elas estão sendo cada vez mais aceitas pela sociedade. Não é o caso das psicoses: esquizofrenia, transtorno borderline e de personalidade dissociativa ainda são doenças muito associadas à ideia de loucura e insanidade.

As alucinações são marcas características ds psicoses, mas não das neuroses – ou pelo menos é que se acreditava até agora. Um estudo recente publicado no British Psychiatry Journal resolveu investigar como essas experiências estranhas aparecem em diferentes diagnósticos. Eles analisaram a saúde mental de 7 mil adultos na Inglaterra. O grupo incluía gente com diferentes quadros psicológicos – e até quem não tinha histórico de distúrbio emocional nenhum. Todos responderam se, no último ano, tinham tido uma alucinação – e quantas vezes isso aconteceu.

Entre as pessoas com transtorno borderline, 13,7% disse ter alucinado pelo menos uma vez, menos do que os pesquisadores esperavam. Já entre pacientes com quadros clássicos de depressão e ansiedade, sem experiências psicóticas, o resultado foi quase igual: 12,6%. Ou seja,  a alucinação não escolhe diagnóstico: um esquizofrênico não é menos normal que um ansioso.

Coisa de gente normal

Continua após a publicidade

Só que as conclusões da pesquisa vão além. Dos 7 mil entrevistados, 4,3% disseram ter tido alucinações no ano anterior – incluindo as pessoas que são absolutamente saudáveis do ponto de vista da psiquiatria. E o estudo não foi o único a ver que o fenômeno é mais comum do que se imaginava.

Em 2015, uma pesquisa ainda maior, feita com 31 mil pessoas em mais de 15 países, chegou a um número parecidíssimo: 5% da população em geral dizia ter tido alucinações. Em um Maracanã lotado, seriam quase 4 mil pessoas que passaram pela experiência – que pode ser visual e auditiva, mas também afetar outros sentidos, desde sentir um cheiro inexistente e até ter a sensação de que está flutuando.

Com tanta gente admitindo ter alucinações, fica mais fácil desestigmatizar o fenômeno. E é exatamente isso que os pesquisadores esperam que aconteça. “Alucinações podem ser assustadoras e poucas pessoas falam sobre isso. Nossa pesquisa pode mostrar que elas não estão sozinhas – e que ter esses sintomas não necessariamente quer dizer ter uma doença mental”, falou o líder da pesquisa, Ian Kelleher, ao Internacional Business Times.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.