Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

7 fatos – e 1 lado bom – do 7×1

Dois anos depois do Mineiraço, ainda tem informações que podem surpreender

Por Felipe Germano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 19h02 - Publicado em 8 jul 2016, 22h30

Há poucas coisas que conseguem abalar a cultura de um país – mas uma surra dentro de campo no esporte mais popular do mundo, bom, é uma delas. Nesta sexta, 8, o Brasil é palco de um aniversário não muito querido: o Mineiraço, nosso amargo 7 a 1, completa dois anos de existência. Pode até ser que você não ligue para futebol, mas o fato é: o Brasil (e o mundo) nunca mais serão os mesmos; o vexame brasileiro entrou para a história. Separamos alguns fatos que talvez você não saiba, e um lado positivo dessa história toda. Assim, pelo menos dá para citar eles no bar (entre uma lágrima e outra, claro).

1 – Na verdade, o Brasil foi mais ofensivo que os alemães

Apesar do saldo de gols, quem mais atacou, na verdade, foi a seleção brasileira. De acordo com o relatório oficial da Fifa, o Brasil armou 55 ataques, contra 34 dos alemães; também foram 18 chutes da nossa seleção contra 14 dos visitantes. Também levamos vantagem na posse de bola:  em 52% dos 93 minutos de jogo, o Brasil manteve controle do jogo.

2- Foi a dobradinha de gols mais rápida da história

Quando Toni Kroos fez o terceiro e quarto gol da seleção alemã, respectivamente aos 24 e 26 minutos, ele não estava só nos humilhando – estava escrevendo história mesmo. Os 69 segundos que separam as duas balançadas de rede, consagraram-no como o jogador a marcar dois gols com a menor diferença de tempo.

3- 80 anos antes, o Brasil havia tomado mais do que 7 gols

Em 3 de junho de 1934, exatamente 80 anos, um mês e cinco dias antes do fatídico dia, a seleção brasileira também apanhou de muito. Não foram nem 7 gols, foram 8. Era Brasil e Iuguslávia, um amistoso em Belgrado. A diferença é que, além de não estarmos em casa em uma Copa do Mundo, é que daquela vez a gente perdeu mas revidou, o jogo terminou em 8 a 4 para os gringos.

Continua após a publicidade

4 – Foi a exibição mais assistida da história da televisão alemã.

Até então, nunca um número tão grande de Alemães havia parado para assistir televisão ao mesmo tempo. De acordo com o canal alemão ZDF Foram 32 milhões e 600 mil deles – 87,8% de todas as TVs ligadas no país naquele momento. Tendo em consideração que o país tem 80 milhões de habitantes, o número aponta que 40% da nação estava gritando “Gol”. Sete vezes.

5 –  Também foi o evento esportivo mais comentado do Twitter

O Twitter também nunca havia reunido tanta gente para falar de um evento esportivo. Foram 35 milhões e 600 mil postagens sobre o Mineiraço. Quando a Alemanha fez seu quinto gol, o volume de comentários chegou a 580 mil tweets por minuto. Muitos deles, claro, eram memes – que até hoje são postados.

6 – Faziam 62 jogos que o Brasil não perdia em casa – a a última vez havia sido no Mineirão

Com Copa das Confederações, e jogos competitivos no geral, o Brasil costumava se dar bem em casa. A gente já tinha 62 jogos e 39 anos de invencibilidade em terras tupiniquins. A última vez que havíamos perdido por aqui foi em 1975, em um 3 a 1 para o Peru de uma Copa das Américas. O jogo em questão também era uma semifinal, e, mais coincidência ainda: também tinha rolado no Mineirão.

Continua após a publicidade

7 – O resultado imprevisível, havia sido previsto

Mesmo sendo um saldo inimaginável até mesmo para o mais otimista dos alemães, teve gente que havia previsto o resultado. Há registros de pessoas que postaram nas redes sociais a goleada, antes dela acontecer de fato. O engenheiro Flavio Spina e a usuária do Twitter @srtadler foram alguns exemplos (que você vê abaixo). Mas também teve gente que ganhou bolões com isso, dentro e fora do Brasil.

 

Continua após a publicidade

 

1 – lado bom: O peso da maior derrota da história de nossa seleção saiu de Barbosa

O Brasil estava, há 64 anos, cometendo uma injustiça: o Maracanaço, nossa derrota de 2 a 1 para o Uruguai, na final da Copa de 50, havia sido jogada nas costas do então goleiro da seleção, Moacir Barbosa Nascimento. O atleta faleceu em 2000, aos 79 anos, ainda sendo acusado como pivô da derrota brasileira em casa. Depois do 7 a 1, o Maracanaço virou coisa pequena, e, finalmente, começou-se a ver Barbosa como um grande jogador. Em entrevista ao UOL, poucas horas depois do Mineiraço, a filha do goleiro, Tereza Borba afirmou acreditar que o pai estaria feliz com o vexame brasileiro de 2014. “Isso foi pra mostrar que Barbosa tem valor. Ele era ótimo goleiro e foi um grande injustiçado”, disse ela. Antes tarde do que nunca. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.