GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como a inflação foi baixa, se a gasolina, a luz e o gás só sobem?

Três dos itens que mais pesam no bolso subiram bastante. Ao mesmo tempo, a inflação do ano passado foi a menor desde 1998. Entenda.

A inflação fechou 2017 em 2,95%, um número baixo por qualquer lado que se olhe: foi o menor IPCA desde 1998, além de ser menos da metade dos 6,29% registrados em 2016.

Também foi a primeira vez que a inflação ficou abaixo do piso da meta do governo desde que o regime de metas foi criado em 1999. Mas a impressão de muita gente não é esta diante de três itens importantes: gasolina, gás de cozinha e energia elétrica. Todos, de fato, subiram muito mais do que no ano anterior.

Mas eles não foram suficientes para contrabalançar os efeitos de outro fenômeno: uma queda anual de 1,87% no preço de alimentos e bebidas. Parece pouco, mas é a primeira vez que isso acontece desde que o Plano Real começou em 1994, e este é de longe o grupo que mais importa no orçamento das famílias.

“Temos itens que pressionaram para cima, e é normal do consumidor focar nos elementos mais visíveis. Mas especialmente alimentação em 2017 foi forte elemento de deflação, e o o peso de 25% que esse grupo tem no IPCA é bem maior do que o peso de 10% desses três itens”, diz Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.

Gasolina

A Petrobras começou em 03 de julho uma nova política de reajustes. Ao invés de esperar um mês, a empresa avalia todas as condições do mercado, incluindo cotações internacionais, o câmbio e a concorrência, para mudar preços, o que pode acontecer diariamente.

Daquela data até 28 de dezembro, foram 115 reajustes nos preços da gasolina. Em julho, o governo também aumentou aumentou a alíquota do PIS/COFINS dos combustíveis.

Em 2016, a gasolina caiu 2,54% e puxou o IPCA para baixo em 0,10 ponto percentual. Em 2017, a gasolina subiu 10,32% e puxou o IPCA para cima em 0,41 ponto percentual, e as perspectivas para 2018 não são de acomodação. 

“A gasolina depende muito do câmbio e de como nosso cenário politico vai influenciar essa cotação: ele deve colocar volatilidade, mas não a ponto de chegar em um novo patamar. Além disso, temos um problema de déficit público pra resolver. Outra questão é o aquecimento da demanda previsto em outras economias, o que pressiona para cima a cotação internacional”, diz André Braz, especialista em inflação do Ibre/FGV.

Gás de cozinha

Um fenômeno parecido aconteceu com o gás de botijão, e pelo mesmo motivo: uma nova política de reajustes da Petrobras. No início de junho, a empresa empresa informou que os preços seriam formados pela média mensal das cotações do butano e do propano no mercado europeu, convertida em reais pela média diária das cotações de venda do dólar, acrescida de uma margem de 5%.

O preço do botijão foi de uma alta modesta de 2,10% em 2016 com impacto de 0,03 ponto percentual para um aumento de 16% em 2017 com impacto de 0,19 ponto percentual. De acordo com os dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o gás de botijão teve sua maior alta de 2002, quando subiu 34%.

A Petrobras anunciou no início de dezembro que vai rever a metodologia para não trazer ao país a alta volatilidade do mercado europeu, mas não anunciou a nova fórmula. Não há perspectiva de altas menores para conter a inflação, apenas de reajustes menos frequentes. O preço do botijão ficou praticamente congelado durante os governos Lula e Dilma: houve apenas um aumento, em 2015.

Energia elétrica

Na conta de luz, 2015 foi o ano de reposição tarifária de congelamentos anteriores, 2016 foi o ano de reversão da crise hídrica e 2017 foi um ano de novas altas. A energia elétrica passou de uma queda de 10,66% e impacto negativo de 0,43 ponto percentual no IPCA em 2016 para uma alta de 10,35% em 2017 com impacto positivo de 0,35 ponto percentual.

Houve cobrança de uma taxa extra em todos os meses do ano com exceção de janeiro, fevereiro e junho. As chamadas bandeiras tarifárias são acionadas quando é preciso ligar as usinas termelétricas, que são mais caras, por causa da falta de chuvas.

Andre Braz acredita que a perspectiva de chuvas deste ano seja positiva, ou Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) não teria trocado a bandeira para verde (sem cobrança extra) neste janeiro.

2018

A previsão de mercado é que a inflação acelere em 2018 dos atuais 2,95% para o patamar de 4%, mais próximo do centro da meta, que é de 4,5%. “Existem muitas variáveis: uma possível reforma da previdência, déficit fiscal, além de ser ano eleitoral, com muitos feriados e Copa do Mundo. Mas a inflação deve continuar baixa porque a recuperação é lenta e não está prevista uma reversão acelerada do desemprego”, diz André.

A previsão do mercado é que a inflação de alimentos não siga tão benigna pois dificilmente a safra tão positiva vai se repetir e os preços de combustíveis devem bater nos custos. A menor pressão sobre os preços permitiu que a taxa básica de juros sofresse 10 cortes seguidos pelo Banco Central atingindo sua mínima histórica, de 7%, em dezembro.

“Creio que o crescimento de 3% que esperamos, especialmente no segundo semestre, também pode pressionar mais a inflação. No limite, a resposta do BC será subir juros. Eu estou no grupo que não consegue ver a Selic o ano todo em 6,75%, como deve chegar a taxa na próxima reunião”, diz Sérgio.

Quando o Banco Central aumenta os juros, encarece o crédito e estimula a poupança, o que faz com que a demanda seja contida e faça menos pressão sobre a atividade e os preços. Cortar os juros causa o efeito contrário.

Conteúdo originalmente publicado em Exame.com

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Wһat’s up friends, how iss ɑll, aand ԝhat you desirte to ѕay concerning tһis piece of writing, in my view itѕ
    гeally remarkable іn favor of me.

    Curtir