Clique e assine com até 75% de desconto

Ditador do Turcomenistão proíbe uso da palavra “coronavírus”

Aquele que sair de máscara ou falar o termo na rua corre o risco de ser preso por agentes do governo.

Por Carolina Fioratti 1 abr 2020, 14h55

Sabe aquela história de que um problema não existe se você não falar dele? As autoridades do Turcomenistão parecem acreditar nisso. Em meio à pandemia do novo coronavírus, o governo do país decidiu proibir o uso do nome da doença. 

É isso mesmo. A palavra “coronavírus” não pode aparecer em publicações oficiais, notícias da mídia estatal e nem mesmo em conversas de bar. Um jornalista local disse à Radio Free Europe – um dos poucos veículos que consegue extrair informações não oficiais do país – que moradores da capital Asgabate que andavam pelas ruas de máscara ou eram flagrados falando sobre a pandemia estavam sendo presos por agentes do governo. 

  • As autoridades estavam distribuindo em escolas e hospitais panfletos educativos sobre a doença. Isso se manteve, mas o jornal Crônicas do Turcomenistão revela uma mudança: as palavras “coronavírus” e “Covid-19” foram substituídas por “enfermidade” e “doença respiratória”, numa aparente tentativa de suavizar a situação.

    O país, governado pelo ditador Gurbanguly Berdimuhamedow, afirma que não há casos de Covid-19 em seu território. Mas o país é vizinho do Irã, que soma cerca de 44 mil infectados e quase 3 mil mortes, sendo um dos mais afetados até o momento. De toda forma, é difícil saber a verdade. O Turcomenistão ocupa o último lugar do ranking de liberdade de imprensa feito pela ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), ficando atrás até mesmo da Coreia do Norte. 

    Lá, quase não há imprensa livre, a internet é estritamente controlada e não é permitido acessar sites independentes. A entrada de estrangeiros também é restrita. O Turcomenistão fica na Ásia Central e tem 5,8 milhões de habitantes. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade