GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Grupo secreto usa livro falso para conquistar adeptos nos EUA

Dentro de um exemplar velho de 'Tess of the d’Urbervilles', havia apenas registros de novos membros de um grupo fascista e racista

Um livro falso de uma sociedade secreta escondido na biblioteca de uma das universidades mais antigas e prestigiadas dos EUA poderia ser o início perfeito de uma história de detetives. Mas o que vem aí não é um caso de mistério, e sim de ódio: o livro escondia um registro de membros de um grupo de extrema direita, que tenta espalhar seus ideais pelas universidades do país.

Dentro do livro – um exemplar de Tess of the d’Urbervilles, de Thomas Hardy (romance inglês do século 19)-, não havia texto, e sim diversos envelopes com águias carimbadas. Cada envelope continha uma espécie de formulário de inscrição, com o título “tópicos de interesse”, no qual a pessoa precisava marcar os tópicos de que gostava: coisas como “pós democracia”, “nacionalismo” e “extrema direita”.

Havia, também, um tópico marcado como “HBD”, que significa “human biodiversity” (biodiversidade humana) – ou seja, a falsa ideia de que existem raças melhores e piores entre seres humanos (em outras palavras: racismo). Quem preenchia os formulários também precisava indicar sua disponibilidade e se queria ser colocado em “cargos de chefia”.

LEIA: Um dia na vida de uma pessoa negra

O livro foi descoberto na Universidade Columbia, em Nova York, por um funcionário da biblioteca, que levou-o para a reitoria imediatamente. Aí, no mesmo dia, um grupo chamado Dark Enlightenment (algo como “iluminação obscura”) afirmou ser responsável pelo livro. O DarkEn, como é conhecido em fóruns na internet, teria ajudado a organizar trolls neonazistas em redes sociais neste ano, durante as eleições presidenciais nos EUA. Segundo o grupo, eles estão recrutando membros nas grandes universidades do país, embora ninguém saiba quem eles são: o DarkEn atua de forma secreta, principalmente pela internet – até a comunicação com a reitoria foi feita online.

LEIA: 6 sociedades secretas famosas

O Dark Enlightenment surgiu em 2010, em fóruns virtuais como o Reddit e o 8chan. Entre as ideias mais defendidas entre os membros do grupo, estão o fim da democracia e da ideologia liberal e o início de um regime autoritário, com o poder centralizado. Eles também acreditam em conceitos racistas e machistas – mas não se identificam como nazistas ou fascistas. Para o portal The Daily Beast, um representante do DarkEn de Columbia disse que “o Dark Enlightenment é oposto ao nazismo e ao fascismo. Associar a gente com eles é pura irresponsabilidade jornalística”.

O grupo começou como um tipo de fraternidade, só que de um jeito mais misterioso: no início, eles espalhavam cartazes pela universidade, dizendo “Você é politicamente incorreto? Nós também”. Junto com a mensagem, havia um número de telefone “seguro” para que os estudantes pudessem entrar em contato com o DarkEn. E não é só em Columbia: os militantes do grupo afirmaram ao The Daily Beast que têm ramos na NYU e em “outras universidades da Ivy League” (termo que se refere às oito universidades mais tradicionais dos EUA). Eles também não deram nenhuma prova da existência do grupo em outras universidades e não foram capazes de dizer o tamanho do Dark Enlightenment no país. Ou seja, isso tudo pode só ser uma grande brincadeira, mas não deixa de ser bizarro.