GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Metrô de Londres recomenda: não deixe a esquerda livre

Não andar nas escadas reduziu em 30% das filas nas estações.

Se você já andou de metrô no Rio de Janeiro ou em São Paulo, deparou-se com avisos que suplicam: “deixa a esquerda livre”. Para quem está por fora, não é nenhuma declaração política e sim uma regra de etiqueta própria do transporte público. Quem não quer andar na escada rolante fica na parte direita do degrau, deixando o lado esquerdo para quem está com pressa e quer subir andando.

A regra da esquerda é usada para tudo na Inglaterra, trem, aeroporto e até calçada: desacelerar o passo do lado errado é tiro certo para escutar um xingamento com sotaque britânico. Só que, agora, o metrô de Londres está dando um nó na cabeça dos passageiros: passou a ser obrigatório formar fila dupla na escada rolante.

O “Tube”, apelido do metrô londrino, é um exemplo mundial de transporte público eficiente, mas algumas estações são igualmente ou até mais lotadas que o metrô de São Paulo – a rede já opera bem perto do seu limite máximo de passageiros.

LEIA6 técnicas para sobreviver ao metrô lotado

Para tentar diminuir as filas que se formam na entrada das escadas quando o fluxo de pessoas fica afunilado, o departamento de transportes tem feito o possível para evitar que os passageiros subam andando. Pintaram pegadas nos degraus e criaram um holograma, projetado em papelão, pedindo que os passageiros se distribuam dos dois lados da escada rolante. A atendente projetada conta piadas sobre ficar de pé (stand, em inglês) e canta “Stand by Me”, do Ben E. King, “I’m Still Standing” do Elton John, além de fazer biquinho.

O teste está acontecendo na estação Holborn, uma das mais lotadas da cidade nos horários de pico. Até agora, o departamento notou uma redução de 30% nas filas. A ideia é estimular a fila dupla, sem deixar espaço livre para ultrapassagens, em todas as estações com mais de 18 metros de profundidade.

A medida impede os passageiros apressados de chegarem mais rápido lá em cima, mas faz todo sentido para o coletivo. Em Helborn, o passageiro enfrenta 23,41 m de escadas até a superfície e, com isso, a maioria das pessoas escolhe não subir andando. Resultado: muito mais gente fica embaixo, esperando para subir do lado direito, enquanto uma minoria passa a milhão do outro lado.

LEIAEm breve, você poderá usar o metrô sem pegar fila na catraca

O cálculo feito pelo departamento de transporte foi o seguinte: quando as pessoas andam na esquerda, a escada acomoda 81,25 pessoas por minuto. Quando todo mundo para dos dois lados, a capacidade sobe para 112,5 – e é esse aumento que está fazendo diferença nas filas lá embaixo.

O que os técnicos ingleses calcularam o brasileiro já faz por instinto. Na estação Pinheiros do metrô de São Paulo, a mais profunda da rede, em horários de pico tentar andar na escada é uma tarefa impossível. Provavelmente, a inércia é menos por eficiência e mais por desânimo: haja pique para subir andando os 30,95 metros.