GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Os maiores mitos envolvendo a Deep Web

A internet oculta está cheia de histórias assustadoras envolvendo sexo, armas e crimes. Mas também tem coisas que são, pura e simplesmente, lendas

As incursões pelo lado sombrio da web podem reservar situações excêntricas aos visitantes menos experientes. Um dos primeiros pontos que despertam a atenção é a estética da Deep Web. Não espere encontrar páginas de design revolucionário ou preciosidades da engenharia virtual lá embaixo. Pelo contrário. Nos porões da rede, os sites costumam ter um visual semelhante aos da internet de 15 anos atrás. As páginas são simples, sem grandes enfeites ou recursos. Isso porque as ferramentas usadas para criação de estruturas mais elaboradas podem abrir brechas nos mecanismos de anonimato. Além disso, o grande atrativo está na liberdade do conteúdo. E são necessários poucos passos pelas profundezas da rede para você sacar que o lugar é mesmo terra de ninguém. 

Há uma oferta abundante de drogas, armas, passaportes e outros ilícitos em série – tudo por algumas frações de bitcoin. Vasculhando nos fóruns, não é difícil encontrar tópicos e salas destinadas à troca de pornografia ilegal ou grotesca – incluindo sexo com animais e cadáveres. O conteúdo gore também é farto. O termo se refere a fotos ou vídeos de violência extrema, com muito sangue, decapitações e tripas borbulhando na tela do espectador. Grande parte da má fama imputada à Dark Web surgiu com base nessas imagens.

Asas à imaginação

Um exemplo é o caso das bonecas sexuais humanas. A história macabra gira em torno de um pretenso médico polonês que adota meninas em orfanatos do Leste Europeu e aplica técnicas cirúrgicas demoníacas para mutilá-las, transformando-as em bonecas vivas. As Lolitas Slave Toys seriam vendidas pela Deep Web para servir como escravas sexuais. Essas histórias ganharam luz na web convencional, disseminadas por blogueiros e youtubers (basta uma simples busca no Google para perceber que o volume de material sobre o assunto é farto). 

Mas é quase certo que a coisa toda não passe de um hoax – como são chamadas as histórias da carochinha veiculadas na web. O texto das bonecas humanas é apenas um texto de autor desconhecido, postado originalmente em um site polonês contos. Já os vídeos misturam imagens de atendimentos reais a mutilados com cenas de filmes de terror. Aliás, outro mito sugere a existência de grupos secretos dedicados à produção dos chamados snuff movies – vídeos com assassinatos reais. Uma das maiores lendas é o filme Dafu Love. Não há evidências de que o vídeo realmente exista, mas as especulações sobre ele são abundantes. Em um tópico no Reddit, um usuário afirma haver pessoas que supostamente ficaram loucas só de assistir ao vídeo.

Em geral, trata-se de compilações de maquiagens ultrarrealistas utilizadas no cinema de horror. Mas há vídeos snuff verídicos – e alguns circulam até na internet aberta. Houve casos notórios, em que os autores foram presos, mas não tinham necessariamente ligação direta com a Deep Web. As farsas em relação à Darknet não param por aí. É o caso das red rooms – salas de tortura online. Nesses espaços de voyeurismo diabólico, o internauta poderia assistir a pessoas sendo queimadas, mutiladas ou abusadas ao vivo. Certos sites até permitiriam ao usuário escolher o perfil da vítima. Mas, claro, o conteúdo só é liberado depois do pagamento. Há uma enorme probabilidade de essas páginas serem apenas um esquema para roubar bitcoins. E, como não é algo propriamente legal, não há como recorrer às autoridades.

As lendas sobre experimentos científicos com humanos são outro exemplo de como a rede é usada para manipular fantasias. Existem arquivos demonstrando como um grupo de médicos teria replicado a experiência fictícia do filme Centopeia Humana na vida real. Lançado em 2009, o filme traz a perturbante história de um médico alemão que costura pessoas, criando um sistema digestivo único. A probabilidade de ser outra balela é enorme, embora textos sinistros desse tipo se proliferem lá embaixo. Um desses documentos ensina um passo a passo de culinária canibal, detalhando a melhor forma de cortar e temperar carnes humanas (aliás, um tópico quente na Deep Web). Também se acham manuais sobre construção de explosivos caseiros, tutoriais com técnicas suicidas e dicas para transar com golfinhos.

Texto originalmente publicado no Dossiê SUPER: Guia da Deep Web, publicado em novembro de 2017