GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como seria a cara do seu cachorro se ele fosse de outra raça?

Programa isola a fisionomia do seu cão – e mostra como ele seria se fosse um poodle, um bulldog ou até um bicho de outra espécie, como uma onça.

Todos os cachorros, assim como os humanos, têm feições únicas – mas esses traços característicos de cada indivíduo são quase imperceptíveis para um Homo sapiens sem treino, acostumado a reconhecer apenas membros da mesma espécie. Agora diga: você já imaginou como seriam as feições do seu labrador se elas pertencessem a um poodle? Ou sei lá a um leão?

Bem, a empresa de tecnologia Nvidia imaginou: o app GANimals transforma seu cãozinho no que você quiser, automaticamente basta carregar uma foto do animal de estimação e uma inteligência artificial gera uma série de outras imagens realistas que aplicam a expressão dele a outros bichos.

Os resultados você pode ver no gif abaixo.

 (Nvidia/Reprodução)

Em um artigo apresentado na Conferência Internacional sobre Visão Computacional, que ocorreu em Seul, na Coréia do Sul, os pesquisadores descrevem o algoritmo responsável por isso, chamado de FUNIT uma sigla que significa Tradução de Imagem para Imagem, sem supervisão, com poucas tentativas. Calma, parece um nome que não faz sentido, mas você vai entender.

Para traduzir as características de uma imagem de origem em uma imagem de destino final (isto é, para fazer um cachorro se transformar em uma onça), um computador geralmente precisa ser treinado com uma grande coleção de imagens, com níveis variados de luz e ângulos de câmera, para produzir resultados que realmente passem a impressão de que as duas imagens foram mescladas corretamente. Isso exige um grande banco de imagens.

A mágica do FUNIT é que ele pode ser treinado usando apenas algumas imagens do animal alvo (a onça, por exemplo), e aprende rapidamente a generalizar a mesclagem de duas imagens. Uma vez treinado, o algoritmo precisa apenas de uma única imagem dos animais de origem (seu cachorro) e de destino (a onça), que pode nunca ter sido processada ​​ou analisada ​​anteriormente. Por isso, os pesquisadores dizem que esse processo é “sem supervisão e com poucas tentativas”.

Você pode entender melhor testando você mesmo: este link da acesso ao GANimals, e aí é só colocar a foto de seu pet e ver ele transformado em vários outros bichos de leão a suricato. Dependendo da pose, você mesmo pode reparar que os resultados não serão perfeitos, mas já são bastantes bons para um algoritmo que preza pelo minimalismo ao ser treinado.

Essa não é a primeira vez que a Nvidia surpreende: sua tecnologia baseada em GANs já consegue criar rostos extremamente realistas de pessoas que não existem.