GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como viver em Second Life

Será um jogo? Um universo paralelo? Balcão de anúncios? Saiba como navegar, aprender, conhecer pessoas ou simplesmente passar o tempo neste simulador da vida real cheio de manhas e surpresas

Afinal, que raios é isso?

Você pode se divertir com ele. Fingir que é alguém, procurar mistérios. Mas o Second Life está longe de ser só um jogo. Manja Matrix? É por aí. O SL é como um navegador sofisticado, com representações em 3D que simulam a vida real. Quando acessa essa rede social, você é mostrado como um “avatar”, ou seja, um boneco virtual animado movido pelo teclado. Dentro desse universo, há recursos como som, vídeos, mapas, chat, games e muito mais.

Para que serve?

Não há objetivos definidos dentro do Second Life. Você pode estudar, trabalhar, procurar uma namorada ou simplesmente passear a esmo. Mais ou menos como na vida real, só que quase totalmente virtual (entenda o “quase” mais abaixo).

O que é preciso para entrar nele?

• Ter conexão de banda larga é indispensável, para não travar ou ter problemas. Quem usa conexão discada não deve nem tentar se aventurar.

• Cadastrar-se no site http://www.secondlifebrasil.com.br.

• Baixar a ferramenta de navegação do Second Life, um programa gratuito com versões para os sistemas Windows (36 megabytes), Mac OS (50 megabytes) e Linux (49 megabytes).

Mexendo o “esqueleto” – primeiros passos

• Use as setas do teclado: para cima e para baixo o fazem ir para a frente e para trás. As setas laterais viram o corpo para esquerda e direita.

• Para “falar”, digite um texto na caixa retangular que aparece na parte de baixo da janela do SL. A conversa rola como num chat e também dá para fazer sinais.

• Para interagir com objetos, clique com o botão direito do mouse sobre eles. Clique para ver o que acontece…

Como virar “alguém” do Second Life?

Durante o registro, você escolhe o nome do seu avatar e uma senha de acesso. Você pode acessar o SL de qualquer computador que tenha o navegador instalado. Também é possível fazer um cadastro pago (R$ 19,90 por mês) e trocar reais pela moeda virtual do jogo. Assim, seu avatar pode comprar roupas, carros, terrenos…

Como ser virtualmente estiloso?

Logo que você entra no Second Life pela primeira vez, você se veste com um visual básico: jeans e camiseta branca. É fácil mudar isso. Clique no menu Editar e depois escolha Aparência. Aparecerá uma janela em que você pode definir o sexo do seu avatar e personalizar cada detalhe da roupa e do corpo do boneco virtual. Dentro da opção Forma, você encontra barras que alteram o rosto, a cabeça, os olhos. Rolando os botões na horizontal, você deixa partes do corpo largas, finas, altas ou baixas. Dentro das opções de roupas, é possível escolher cores e estampas e usar as barras para deixar calças, camisetas e jaquetas largas, apertadas, curtas ou longas. Depois de alterar tudo, não esqueça de salvar!

Teletransporte: o jeito mais rápido de se deslocar

Aperte o botão Procurar para abrir o buscador interno. Digite uma palavra-chave para achar o local a que deseja ir, Cristo Redentor, por exemplo. Note que existem abas na parte de cima da busca, para procurar pessoas, lugares e eventos. Quando você encontrar algo, clique em Teleportar para ir até o local. Importante: se, ao navegar em sites convencionais, você encontrar um link do tipo SURL, é preciso estar com o SL aberto para clicar nele.

O que eu aprendo brincando com isso?

O SL oferece possibilidades de aprendizado e de diversão. Como você aproveita isso, já é outra história. Dá para fazer pesquisas escolares e praticar o inglês. Mas também dá para perder horas vagando sem destino.

Dinheiro vivo

A parte financeira do Second Life também é atraente. O internauta pode vender serviços, imóveis e produtos virtuais por dinheiro de mentirinha, os linden dólares, e depois trocar as quantias por grana de verdade, no site da produtora http://www.secondlifebrasil.com.br

Empresas de verdade dentro do Second Life?

Companhias reais abriram filiais no Second Life para divulgar seus serviços lá, como a Agência Reuters, que oferece notícias. Veja mais em secondlife.reuters.com

Longe do perigo mundano

Versões infantis de universos virtuais prometem censurar assuntos impróprios para crianças, como sexo: Habbo Hotel (www.habbo.com.br) e Club Penguin (www.clubpenguim.com).

Dez coisas legais

Para você fazer em Second Life

Voar

É a realização de um antigo sonho da humanidade. Mas, no Second Life, a tarefa é bem mais simples: aperte o botão Voar e saia flutuando pelo mundo virtual.

Colher os frutos da árvore de dinheiro

Existem money trees que derrubam dinheiro. Neste fórum pode ter alguém que conte onde elas estão: forums.secondcitizen.com/showthread.php?t=3704.

Freqüentar a igreja dos adoradores de Elvis

Os seguidores do Rei do Rock criaram a sua igreja. No botão Procurar digite o nome “The First Second Life Church of Elvis”.

Trabalhar em uma equipe antiterrorismo

O projeto Play2Train (play2train.hopto.org) dá um treinamento virtual de técnicas de socorro em caso de ataques terroristas.

Viver como um samurai

Na Samurai Island (samurai.katanablade.net), os internautas podem viver sob o código de conduta dos antigos guerreiros orientais.

Fazer snowboarding e outros esportes de inverno

Na virtual Jericho Hill, você se diverte jogando hóquei e deslizando em uma prancha de snowboard. Para chegar lá: slurl.com/secondlife/Jericho%20Hill/170/84/251.

Ser um cientista caçador de tsunamis

Há uma versão virtual dos laboratórios da National Oceanic and Atmospheric Administration, visite http://www.esrl.noaa.org/outreach/sl.

Comprar, vender e trocar de genitálias

Basta apertar alguns botões para trocar de gênero no SL, mas a transexualidade vai além: em sex shops é possível comprar pênis e vaginas.

Ver shows de “bandas famosas” sem pagar nada

Há gente que cria covers para fazer apresentações virtuais. Fãs do U2 (www.u2insl.com) criaram uma versão virtual da banda para o SL.

Visitar galerias de arte

Existem várias galerias que expõem obras no universo virtual. A brasileira Noema (www.noema.art.br), por exemplo, traz artistas como Giselle Beiguelman.