Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Engano à primeira vista

Como a sonda Mars Global Surveyor desfez a ilusão de que havia uma face humana esculpida na superfície de Marte.

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h36 - Publicado em 31 Maio 1998, 22h00

Thereza Venturoli

Capítulo um. Agosto de 1976. A sonda Viking 1 envia à Terra as primeiras fotos da superfície marciana. Numa delas, de uma região chamada Cidônia, no hemisfério norte, surge, imagine você, o que parece ser um monumental rosto humano. Para ufólogos e místicos, isso só pode ser obra de extraterrestres. Segundo eles, a face teria sido esculpida por uma civilização inteligente. Nada os convence do contrário. Chegam a dizer que as afirmações dos cientistas de que tudo não passa de ilusão de ótica cheira a conspiração.

Capítulo dois. Abril de 1998. A imprensa publica novas imagens da região de Cidônia, desta vez captadas pela sonda Mars Global Surveyor. E, veja só, o rosto sumiu. A verdade vem à tona, definitiva: a polêmica “face de Marte” não é obra de seres inteligentes, mas uma montanha que sofreu a erosão dos fortes ventos marcianos ao longo de milhões de anos. É o fim da história.

Confira nestas páginas como o Sol e a natureza fazem jogos de luz e sombra, enganando os mais crédulos.

A ilusão está na cara

Em 1976, a Viking captou a imagem da “face” a 1 700 quilômetros de distância. Os equipamentos da sonda detectaram detalhes no solo de mais ou menos 40 metros de diâmetro

Sem máscara

Em 1998, a Mars Global Surveyor flagrou a “face” a 444 quilômetros de distância, com detalhes de 4 metros de diâmetro. Esta imagem é a foto original. Cadê o rosto daqui?

Agora invertida

Esta outra imagem é a mesma foto ali de cima, só que em negativo. O que era claro ficou escuro e vice-versa, para que a luz se tornasse semelhante à da foto batida pela Viking

Continua após a publicidade

Por que aqui se vê um rosto

A sonda Viking fotografou o “rosto” numa tarde marciana.

O Sol estava 25 graus sobre o horizonte oeste. A luminosidade era mais ou menos a das 3 horas da tarde de um dia de inverno em São Paulo.

Os raios incidiam sobre a encosta da montanha, criando longas sombras do outro lado.

Por que aqui a face some

A nave Mars Global Surveyor fez a imagem da “face” de manhã.

Longas sombras também tingem a montanha. Só que do lado oposto ao da foto batida pela Viking.

Desta vez, o Sol estava cerca de 25 graus sobre o horizonte leste. A luminosidade era como a das 9 horas da manhã de um dia de inverno em São Paulo.

Parece mas não é

Cuidado para não cair nas ilusões criadas pela natureza.

Sorriso

Será que alguém já pensou que a cratera Galle, em Marte, na forma de uma carinha sorridente, também foi desenhada por ETs?

Rei na pedra

Você acha que esta pedra, no Parque de Sete Cidades, Piauí, chamada o Rei Coroado, foi esculpida por uma civilização subterrânea?

Silhueta

Há quem veja Cristo. Outros enxergam o compositor Raul Seixas no jogo de luzes produzido pelos ramos desta árvore.

Continua após a publicidade
Publicidade