GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Os ETs que caíram no samba

Alguns casos de contatos com alienígenas em terras brasileiras se tornaram clássicos da ufologia. Especialistas apontam os dez episódios mais importantes

Marlene Jaggi

A polêmica em torno da suposta visita de seres extraterrestres ao Brasil não é diferente da que se observa em outros países. Enquanto os céticos torcem o nariz para o tema, dezenas de pesquisadores se debruçam sobre as evidências em busca de explicações consistentes para os fenômenos relatados. Claro que há truques, fantasias e muita mentira. Mas que há também um fundo de verdade, há, afirmam os ufólogos. “Se vamos à Lua, a Marte, por que não receberíamos a visita de seres de outros planetas?”, diz Ademar Gevaerd, presidente do Centro Brasileiro de Pesquisas de Discos Voadores (CBPDV), entidade que mantém um arquivo com mais de 10 mil relatos de observações de óvnis e contatos com ETs. O acervo reúne todos os tipos de incidentes: da abordagem amigável à ameaça iminente, de observações, filmagens e fotos de óvnis a casos de abduções. São tantas as histórias que pedimos para os especialistas apontarem os dez casos mais significativos já registrados em terras brasileiras. Veja a seguir um resumo dessas dez histórias, em ordem cronológica. A seleção foi feita a partir das indicações de Ademar Gevaerd, do ufólogo Vanderlei D’Agostino e de Rafael Cury, presidente da Associação Nacional dos Ufólogos do Brasil.

1947

Nesse ano teria ocorrido um dos primeiros contatos com ETs no Brasil. O agrônomo José Higgins trabalhava nos campos da Colônia Goio-Bang, em Pitanga (PR), quando teria visto um objeto pousar a cerca de 50 metros. Dali saíram três seres muito altos e idênticos. Segundo Higgins, eles vestiam macacões transparentes, eram calvos, tinham olhos grandes e redondos. Emitiam um som incompreensível. Por meio de gestos e desenhos, mostraram que pretendiam levar Higgins para “o sétimo círculo depois do Sol”. Bom de prosa, o agrônomo disse que precisava buscar a mulher – e assim conseguiu escapar ileso, segundo declarou.

1957

Enquanto trabalhava no turno da noite na fazenda da família, o mineiro Antonio Villas Boas teria sido seqüestrado por ETs e obrigado a manter um contato mais do que “imediato” com uma das tripulantes da nave. Ele afirmou ter mantido relações sexuais com uma ET, que, ao se despedir, apontou para ele e para o ventre dela, indicando que sua intenção era gerar uma criança híbrida (leia mais sobre este caso na página 50).

1958

Dezenas de pessoas, a bordo do navio Almirante Saldanha, da Marinha brasileira, teriam testemunhado um óvni sobrevoar a ilha de Trindade, no litoral do Espírito Santo. O fotógrafo Almiro Baraúna tirou quatro fotos do objeto, que tinha a forma do planeta Saturno e era silencioso. Teria vindo do mar, sobrevoado a ilha e sumido atrás de um morro. Reapareceu do outro lado, voltou para o mar e desapareceu de novo. O fenômeno durou exatos 14 segundos.

1963

Os garotos Fernando, Ronaldo e José Marcos Gomes Vidal afirmam ter visto um objeto esférico flutuando sobre o abacateiro no quintal de sua casa em Belo Horizonte (MG). Do seu interior teria saído um alienígena, parecido com humanos, só que com um único olho. Os garotos teriam partido para o ataque, mas foram contidos por um raio de luz. O ET se pôs a falar, mas eles nada entenderam. O ser voltou para a nave, que se afastou rapidamente.

1966

Os radiotécnicos Miguel José Viana, 34 anos, e Manoel Pereira da Cruz, 32, subiram o morro do Vintém, em Campos dos Goitacazes (RJ), para realizar uma experiência. Dias depois apareceram mortos, usando máscaras de chumbo. Testemunhas afirmam ter visto um óvni no alto do morro. Mas são muitas as hipóteses para o mistério – de encontro fatal com um disco voador a um simples caso de latrocínio. O fato é que, ao investigar a história, em 1980, o ufólogo francês Jacques Vallée verificou que o local onde os corpos tinham sido encontrados chamava a atenção pela ausência de vegetação e pelo solo aparentemente calcinado.

1977

Uma onda de aparições de óvnis colocou em polvorosa a população do Pará e do Maranhão. Brasília decidiu formar uma comissão para investigar os acontecimentos, numa iniciativa batizada com o código Operação Prato, segundo relato feito pelo coronel Uyrangê Hollanda. Comandados por ele, vários oficiais teriam confirmado as aparições de óvnis a curta distância. Autoridades negam que a iniciativa tenha sido oficial.

1979

O agricultor Arlindo Gabriel dos Santos teria saído para caçar com amigos, na cidade de Baependi (MG), levando uma câmera fotográfica e uma bola a tiracolo. Depois de se separar dos companheiros, viu três objetos, de formatos diferentes, pousarem e levantar vôo alternadamente. Quando o quarto objeto pousou e ele tentou fotografar, teria sido atingido por um feixe de luz e capturado por seres humanóides, que conseguiram lhe dizer que eram “do bem”. Segundo ele, no interior da nave, os ETs lhe contaram sobre sua civilização e o deixaram sair. O agricultor afirma ter encontrado depois sua bolsa, com estranhas pinturas, supostamente mensagens de ETs.

1986

Em um episódio que ficaria conhecido como a “Noite Oficial dos Ufos no Brasil”, radares captaram mais de 20 óvnis sobrevoando a região do Vale do Paraíba, no estado de São Paulo. O caso foi testemunhado por inúmeros oficiais. A única explicação dada pelo governo é que pode ter havido uma falha nos radares.

1996

No dia 20 de janeiro, a cidade de Varginha (MG) foi cenário do caso mais discutido da ufologia nacional. Três garotas afirmaram ter visto um ser com cerca de 1,60 metro de altura, três protuberâncias na cabeça enorme, olhos grandes e vermelhos e pele marrom-escura brilhante. Outras testemunhas descreveram o pouso de uma nave avariada e estranhos seres correndo em várias direções. Dois deles teriam sido capturados pela PM e pelo Corpo de Bombeiros. Um teria morrido e o outro estaria até hoje na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). O legista Badan Palhares teria até feito a autópsia de um dos ETs – o que ele nega com veemência. “Nenhum ufólogo sério admitiu que se tratava de um ET. Está claro, no entanto, que houve algum tipo de acobertamento”, diz o ufólogo Vanderlei D’Agostino.

1998

O garoto Allan Bruno de Oliveira, de 10 anos, e seus familiares teriam observado um óvni no céu do bairro de Capão Redondo, em São Paulo. Durante 30 minutos, eles se encantaram com os movimentos de um objeto esférico parecido com uma sonda, de luminosidade intensa. Só se lembraram de filmar bem depois e registraram os últimos quatro minutos e meio do espetáculo. A fita mostra o óvni fazendo incríveis manobras.

20 mil pessoas. É o número de simpatizantes que, até o final de abril, tinham subscrito um abaixo-assinado da campanha “Liberdade de Informação Já”, promovida pela Comissão Brasileira de Ufólogos (CBU). Os organizadores do movimento exigem a liberação de “dados sigilosos” sobre três episódios específicos: a Operação Prato (1977), a Noite Oficial dos Ufos no Brasil (1986) e o Caso Varginha (1996)