Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quem, afinal, inventou o avião?

Santos Dumont? Irmãos Wright? Conheça a história dos inventores que, de conceito cientificamente impossível, transformaram o avião em realidade

Por Salvador Nogueira
Atualizado em 23 out 2017, 13h19 - Publicado em 2 ago 2016, 16h15

A humanidade sonha com a possibilidade de voar desde que pela primeira vez viu uma ave a singrar o céu. Está aí o mito grego antigo de Dédalo e Ícaro que não nos deixa mentir. Mas torná-lo realidade não foi fácil e passou primeiro pelos balões, antes de finalmente chegar à sua expressão consagrada, na forma do avião.

O sonho começou a avançar concretamente em 1709, quando o padre Bartolomeu de Gusmão, brasileiro nascido em Santos, demonstrou à corte portuguesa o primeiro balão de ar quente. A tecnologia só seria levada a um estágio prático pelos irmãos Montgolfier, na França, que em 1783 fizeram o primeiro voo tripulado num veículo mais leve que o ar.

Foi também num balão que o jovem Alberto Santos-Dumont, filho de uma abastada família de cafeicultores, realizou seu sonho de voar. Em 1898, ele saiu da experiência com duas impressões: o encantamento de flutuar pelo ar e a frustração de não poder controlar a direção do balão, voando ao sabor dos ventos. Em nenhum momento, contudo, lhe ocorreu pensar no voo de um aparelho mais pesado que o ar. Aliás, a sabedoria científica do fim do século 19 julgava tal aparelho impossível. Lorde Kelvin, pai da termodinâmica e um dos físicos mais prestigiados da época, proclamou: “Eu afirmo categoricamente que máquinas voadoras mais pesadas que o ar são impossíveis.”

Leia também:
Como cai um avião
Como escolher seu assento no avião

Felizmente, já naqueles tempos, havia quem pensasse diferente. Um dos mais importantes pioneiros foi o alemão Otto Lilienthal, que realizou diversos experimentos bem-sucedidos com planadores, entre 1891 e 1896. Infelizmente, sua carreira terminou em catástrofe em 9 de agosto daquele ano, quando em um de seus voos o planador perdeu sustentação (fenômeno conhecido como “estol” no jargão aeronáutico) e Lilienthal despencou para o chão. Quebrou o pescoço e morreu no dia seguinte.

Continua após a publicidade

Seu legado, contudo, permaneceu. E no começo do século 20 dois irmãos construtores de bicicletas em Dayton, nos Estados Unidos, se propuseram a continuar os experimentos com planadores: seus nomes eram Wilbur e Orville Wright. Ambos consideravam o elemento mais importante de um voo bem-sucedido o controle absoluto sobre a máquina, nos três eixos possíveis. Era preciso, portanto, ter lemes para movê-la para cima/baixo e para esquerda/direita. Até aí, óbvio. Mas os Wright consideravam essencial também ter a capacidade de girar o veículo sobre seu próprio eixo – como, aliás, fazem as aves quando vão executar uma curva no ar. Para obter esse controle de rolamento, eles desenvolveram uma técnica conhecida como torção de asa (“wing warping”) e a patentearam assim que verificaram, com pipas, que funcionava.

Enquanto isso, Santos-Dumont virava um dos maiores popstars de seu tempo, ao desenvolver os meios para dar dirigibilidade aos balões. Quando seu dirigível No 6 contornou a Torre Eiffel em 1901, ele se tornou uma celebridade mundial. Mas seguia sem cogitar veículos mais pesados que o ar. Os Wright, em contrapartida, não pensavam em outra coisa. Em 1903, colocaram um motor em seu aeroplano, o Flyer, e no dia 17 de dezembro fizeram sua primeira decolagem bem-sucedida, sob os fortes ventos da praia de Kitty Hawk, na Carolina do Norte. O jornal Dayton Daily News, da cidade natal dos aeronautas, publicou no dia seguinte: “Rapazes de Dayton emulam o grande Santos-Dumont”.

Apesar da referência, o trabalho dos Wright era bem diferente – e de natureza secreta. Os irmãos não queriam revelar detalhes de seus experimentos, pois tinham a intenção de comercializar seus aviões para algum governo – preferencialmente, mas não necessariamente, o dos Estados Unidos. Seguiram aperfeiçoando o invento e, em 1905, seu avião já conseguia realizar voos sustentados de 39 km, com total controle de direção e altura. Mas era lançado por uma catapulta, para não depender de ventos para voar.

Quando rumores dessas proezas chegaram à Europa, diversos aeronautas locais se puseram a tentar reproduzi-las. Entre eles estava Santos–Dumont, que em 12 de novembro de 1906 realizou o primeiro voo público de uma máquina mais pesada que o ar, com o seu 14-bis. Ao atravessar 220 metros sem tocar o chão, por sobre o campo de Bagatelle, na França, ele estabeleceu o primeiro recorde oficial da aviação.

Continua após a publicidade

Outros aviadores europeus, como Louis Blériot, Henry Farman e Gabriel Voisin, foram obtendo sucessos, e os Wright corriam o risco de ficar para trás, embora tivessem saído à frente. Os motores superiores fabricados na Europa e a polinização cruzada dos experimentos públicos realizados por lá ajudavam a explicar a situação. Graças a colaborações de todos esses inventores, estava nascendo o avião moderno.

Em 1908, Wilbur Wright finalmente concorda em levar seu Flyer à Europa para demonstrações. Realizando voos soberbos descrevendo oitos no céu, ele é proclamado como o rei da aviação. Em compensação, seu irmão Orville teve a duvidosa honraria de participar do primeiro acidente com perda de vida da história dos aviões. Ao realizar uma demonstração para o Exército americano no Fort Myer, ele levou como passageiro o tenente Thomas Selfridge. Mas uma das hélices se partiu e o avião foi ao chão. O militar morreu. Orville quebrou uma perna e algumas costelas, mas se recuperou após sete semanas no hospital.

Apesar disso, o avião já era uma realidade definitiva. Em 1909, Santos-Dumont realizava seus voos mais expressivos com o pequeno Demoiselle, o precursor direto dos ultraleves modernos. Ele já tinha os lemes na porção traseira da aeronave, diferentemente do 14-bis e dos aviões dosWright, e mantinha a tradição de um trem de pouso com rodas. Naquele mesmo ano, Louis Blériot faria a travessia do Canal da Mancha de avião – uma demonstração poderosa das capacidades do novo invento – e, em 1910, os Wright incorporariam as inovações europeias ao seu Flyer Model B, que se tornaria o primeiro avião dos irmãos a ser amplamente fabricado e vendido.

Em paralelo, eles conduziam processos judiciais contra quem quer que usasse controle lateral num avião, alegando violação de sua patente. Àquela altura, contudo, nenhuma disputa legal seria capaz de frear o impulso da aviação. E não tardou para que as diversas nações notassem suas possíveis aplicações em conflitos bélicos, como veremos agora.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.