Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Sabia que a qualidade do computador afeta o desempenho nos estudos?

Neurocientistas concluíram que, quando os equipamentos tecnológicos atendem às necessidades dos usuários, eles têm maior capacidade de realizar tarefas

Por Abril Branded Content Atualizado em 24 ago 2021, 19h18 - Publicado em 18 ago 2021, 11h00
Homem sentado no chão ao lado de bicicleta verde enquanto usa Notebook Dell Inspiron 15 3000 Series.
Shutterstock/Divulgação

É bem provável que, desde o início da pandemia de Covid-19, a sua relação com a tecnologia tenha se tornado mais intensa. Confere? Se antes o smartphone era suficiente para você jogar, assistir a vídeos, ouvir música e navegar nas redes sociais, o home office e o ensino remoto mostraram que o PC, com seus recursos insubstituíveis, ainda é essencial para um bom trabalho.

Nos estudos, o uso do computador já se tornou fundamental, não apenas para fazer pesquisas na internet, mas também para produzir textos longos, acessar conteúdos multimídia e muito mais. Na lista de material escolar, aos poucos o PC vai assumindo o espaço do lápis e do caderno. E essa mudança, ao que tudo indica, veio para ficar, mesmo com o retorno das aulas presenciais.

O cérebro e a tecnologia

Conhecer as necessidades dos usuários é um passo necessário para que os fabricantes de PCs possam desenvolver produtos adequados a esse público. Para explorar especificamente a relação que as pessoas têm com a tecnologia e, principalmente, entender como isso afeta a capacidade de trabalho, a Dell realizou, no início do ano, seu primeiro estudo de neurociência, o Brain on Tech.

Juntos com a Emotiv, líder global em tecnologias portáteis de sensoriamento cerebral e neurociência do consumidor, os cientistas monitoraram, em tempo real, a atividade cerebral de funcionários de algumas empresas. O acompanhamento foi realizado por meio de fones de ouvido de varredura EEG, que coletaram dados do cérebro dos participantes durante o trabalho e registraram os níveis de estresse, foco, entusiasmo e frustração enquanto eles interagiam com a tecnologia.

Os neurocientistas concluíram que, quando os equipamentos tecnológicos são funcionais, a produtividade aumenta em 37%. Na ponta do lápis, para cada hora trabalhada, um bom computador pode economizar 23 minutos. Isso representa 15 horas em uma semana de trabalho de 40 horas!

O mesmo estudo ainda concluiu, por outro lado, que uma má experiência com tecnologia – por exemplo, aquele PC com pouca memória – pode diminuir em 30% o desempenho, independentemente do conhecimento do usuário em informática. E para os entrevistados com menos de 26 anos, o desempenho é duas vezes pior.

“Por isso, no momento da compra, é importante avaliar quais são as principais características e entregas do modelo de computador ou notebook a ser adquirido, e se essas funcionalidades atendem às reais necessidades do seu dia a dia”, aconselha Fernando Faria, gerente de produto da Dell Technologies.

Continua após a publicidade

Requisitos para turbinar sua produtividade

Fernando explica que, com o ensino à distância, algumas necessidades ficaram ainda mais latentes, como a procura por dispositivos com uma boa qualidade de tela e configurações que ofereçam uma ótima experiência em transmissões de vídeo para as aulas online. E mesmo com a volta do ensino presencial ou no formato híbrido, contar com um computador ágil, eficiente e multifuncional é essencial para o bom desempenho nos estudos.

“Na hora da compra, é importante avaliar, ainda, o bom desempenho da bateria, com uma recarga rápida e durável e de qualidade, além do conforto para o transporte do equipamento – pois a mobilidade é cada vez mais valorizada, principalmente quando se pode estudar em diferentes ambientes. Configurações com SSD para armazenamento rápido também garantem que o estudante terá acesso ágil ao conteúdo na hora e local em que precisar”, explica ele.

A Linha Inspiron da Dell conta com várias opções para apoiar as necessidades de quem estuda. Uma delas é o conforto e a ergonomia do teclado, para longos períodos de digitação, permitindo maior rendimento nas atividades.

Para se ter uma ideia, segundo o estudo Dell Display Productivity Study, adicionar teclado e mouse ao notebook aumenta a produtividade em 25,8%; e esse percentual sobe para 32,7% quando se acrescenta um monitor de 24 polegadas, como o Dell S2421HGF.

Fernando destaca que o Inspiron 13 possui tela Full HD de 13” e possui os mais recentes processadores Intel® Core™ de 11ª geração, oferecendo capacidade de resposta incrível, agilidade e fluidez. “O notebook pesa pouco mais de 1 quilo, possui armazenamento rápido (SSD) e ainda conta com uma unidade adicional com a tecnologia Intel Optane, que se adapta a suas rotinas no equipamento para entregar respostas ainda mais velozes. Além da alta capacidade de processamento, o modelo possui a tecnologia ExpressCharge™, que garante uma recarga eficiente e rápida da bateria, e um sistema térmico inteligente, que detecta se o notebook está sendo usado em uma mesa ou em contato com o corpo e ajusta a exaustão do ar quente para fornecer mais conforto no uso.”

Já para quem passa o dia elaborando textos e navegando na web, o Inspiron 15 3000 é uma ótima escolha. Isso porque, assim como o Inspiron 13, possui conjunto de teclas no formato ABNT e o teclado numérico, que facilita ainda mais as jornadas de estudos de ciências exatas”, aconselha. O modelo também possui a tecnologia ExpressCharge™ e opções de processadores Intel® Core™ de até 11ª geração. “Mas o destaque fica para a tela de 15’’, com bordas finas em dois lados, que pode ser combinada com Dell Cinema, que garante uma experiência de alta qualidade na reprodução de vídeos e nas aulas e interações por videoconferência”, salienta o gerente de produto.

Clique aqui e saiba mais sobre os notebooks Inspiron!

Continua após a publicidade
Publicidade