Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Tech: os 4 gadgets mais interessantes de fevereiro

A caixa de som feita de metamaterial, uma arma que derruba drones, a chegada das televisões com tecnologia miniLED - e a pulseira que tem um botão escondido para pedir socorro

Por Bruno Garattoni Atualizado em 12 fev 2021, 11h15 - Publicado em 12 fev 2021, 11h13
Caixa de som LS50 Meta.
KEF/Divulgação

A caixa feita de metamaterial

“Metamaterial” é um material cujas propriedades não existem na natureza, mas podem ser alcançadas combinando outras substâncias. Dentro da caixa de som LS50 Meta (US$ 1.500 o par), criada pela empresa inglesa KEF, há um disco de metamaterial: ele se chama MAT e é capaz de destruir sons (absorve 99% das ondas sonoras, contra 60% dos materiais comuns). Isso elimina a turbulência dentro da caixa, reduzindo drasticamente as distorções do som. 

A Paladyne E1000MP dispara pulsos eletromagnéticos de 2,4 e 5 GHz que sobrecarregam os circuitos do drone.
Paladyne/Divulgação

Uma arma contra drones

A Paladyne E1000MP dispara pulsos eletromagnéticos de 2,4 e 5 GHz que sobrecarregam os circuitos do drone, fazendo com que ele trave e caia. Também é possível enviar um comando para que ele retorne ao lugar de onde decolou, revelando a localização do operador. Ela tem alcance de 1 km e será vendida para exércitos e forças policiais (o preço não foi divulgado).

Samsung microLED – modelo QN90A.
Samsung/Divulgação

Os novos (e menores) LEDs

As TVs microLED, em que a imagem é formada diretamente por LEDs (sem a tradicional camada de cristal líquido), ainda são grandes e caras demais. Mas vêm aí as miniLED, que são mais acessíveis e prometem contraste e cores quase tão bons quanto as microLED. Os primeiros fabricantes são a TCL e a Samsung – cujo modelo QN90A (foto), com tamanhos a partir de 55 polegadas, será lançado nos próximos meses.

Pulseira antiassédio.
Flare/Divulgação

Pulseira antiassédio

Ela se chama Flare (US$ 129) e parece uma bijuteria comum. Mas tem um botão escondido que, se for pressionado por três segundos, envia uma mensagem pedindo socorro e informando a sua localização para até cinco contatos (que você define previamente num app). Também permite simular uma chamada telefônica: faz o celular tocar, dando uma brecha para que a mulher se desvencilhe de um assediador.

Continua após a publicidade
Publicidade