Blogs

Reality show leva blogueiros de moda para trabalhar em fábrica no Camboja

29 de janeiro de 2015

reality-show-leva-blogueiros-moda-trabalhar-fabricas-camboja-abre-625

Diversas denúncias já mancharam os bastidores do mundo fashion: trabalho análogo à escravidão, condições insalúbres, pagamentos miseráveis e até pedido de socorro enviado através da etiqueta da roupa. Em 2013, o mundo ficou chocado ao ver nas manchetes dos jornais que quase mil pessoas tinham morrido no desabamento de um prédio em Bangladesh. A grande maioria delas confeccionava peças para redes de lojas internacionais.

Aqui no Brasil, há vários escândalos também com marcas de moda bastante conhecidas, que lamentavelmente, ainda fazem uso de trabalho mal-remunerado e que desprezam garantias fundamentais aos direitos humanos de funcionários.

Para trazer esta realidade chocante para ainda mais perto das pessoas, um reality show da Noruega decidiu levar três jovens blogueiros de moda para passar um mês no Camboja em 2014. Não só eles dormiram em casas de famílias locais, mas também trabalharam em fábricas têxteis.

Sweatshop, Deadly Fashion, produzido pelo principal jornal norueguês, o Aftenposten, foi considerado um experimento social. O título “sweatshop” se refere a como são chamados os lugares onde as pessoas destes países trabalham: ambientes minúsculos, sem janelas e ventilação, por isso sweat, suor em inglês.

Nos primeiros episódios, Anniken Jørgensen (na foto que abre este post), Frida Ottesen e Ludvig Hambro encaram a aventura como uma viagem turística à capital Phnom Penh. Mas logo, logo eles se depararam com a terrível vida de milhares de trabalhadores de países pobres que fabricam as roupas que vemos nas vitrines e eles noticiavam em seus blogs.

reality-show-leva-blogueiros-moda-trabalhar-fabricas-camboja-casa-625

A série mostra, por exemplo, como o preço de uma peça bem simples pode ser o mesmo pago para o aluguel da casa de uma jovem cambojana da mesma idade dos blogueiros. Sokty, de 17 anos, recebe, em média, 3 dólares por dia de trabalho.

Em entrevista ao canal de notícias G1, após sua volta à Noruega, Anniken afirmou que demorou a se recuperar da experiência. Disse ainda que agora compra roupas raramente e seu blog fala mais sobre estilo de vida. Todavia, ela acredita que o principal problema não é “comprar”, mas as péssimas condições de trabalho a que as pessoas são submetidas. Os episódios do programa estão disponíveis no site do Aftenpost, com legenda em inglês.

O trailer do reality show, originalmente em norueguês, mas divulgado recentemente com legendas em inglês, viralizou na internet. Revela o que muitos de nós não enxergamos - ou fingimos que não, principalmente os amantes da moda. Por isso, o ideal é saber a procedência das roupas que você compra e não levar para casa peças de marcas envolvidas em denúncias.

Também já divulgamos no Blog da Redação, do Planeta Sustentável, ferramentas com as quais se pode checar se há trabalho forçado na fabricação de produtos. Para isso, é só acessar a página do Slavery Footprint e responder um questionário online, que analisa as condições em que se é fabricado tudo aquilo que temos no guarda-roupa e nos armários de casa.

Há ainda o aplicativo Moda Livredisponível para os sistemas operacionais iOS e Android. Gratuito, mostra como as principais marcas de roupas lidam com as questões do trabalho escravo no Brasil e em suas cadeias de produção

Confira abaixo o vídeo com o trailer do reality show norueguês que está bombando nas redes sociais:

Leia também:
Escravo chinês denuncia trabalho forçado em bilhete escondido em brinquedo
De olho nos direitos humanos
10 ideias inspiradoras de moda
Ultra 10: moda da sustentabilidade

Fotos: reprodução


Bombas coloridas de sementes espalham flores (e salvam abelhas)

27 de janeiro de 2015

seedles-seed-bombs.jpg.650x0_q85_crop-smart

Você já ouviu falar em bombas de sementes? São pequenas bolinhas – feitas de materiais diversos – recheadas com sementes, adubo e argila e muito usadas por ativistas americanos na década de 70 como estratégia de reflorestamento. Quando são arremessadas e ficam expostas ao sol e à chuva germinam até mesmo em solo pouco fértil. Além de ser uma diversão lançar essas bombas por aí, é uma tática fácil e muito interessante para aumentar o verde em praças e terrenos baldios.

Em São Francisco, na Califórnia (EUA), por exemplo, elas têm sido usadas para combater o desaparecimento das abelhas. Com o intuito de espalhar flores silvestres por todos os cantos do país, o casal Chris Burley e Ei Ei Khin criou o projeto Grow the Rainbow* (“Cresça o arco-íris”, em tradução livre). O nome se deve às cores das bolinhas – feitas com sementes nativas dos Estados Unidos, composto orgânico para ajudar na fertilização e um pó não tóxico – que remetem ao arco-íris em tons pastel, como mostra a foto. Não dá vontade de comê-las?

Mas não é só para enfeitar as cidades que eles disparam bombas de sementes. Chris e Ei Ei querem que as abelhas voltem a voar pela Califórnia, pelos Estados Unidos, pelo mundo. Como sabemos, sua população está em declínio em várias regiões, inclusive no Brasil. Os cientistas acreditam que vários fatores contribuem para o colapso de suas colônias como a proliferação de pesticidas e parasitas, além da maior frequência de eventos extremos causados pelas mudanças climáticas. Tudo isso causa o declínio dos habitats naturais da espécie. E isso atinge a nossa vida diretamente.

As abelhas são indispensáveis para a produção dos alimentos porque polinizam cerca de 70% das frutais e vegetais que consumimos. Ao transportar o pólen de uma flor para outra, polinizam maçãs, morangos, amêndoas, melões, tomate, feijão, entre outros.

Criar abelhas num mundo complexo e contaminado como o de hoje, não é fácil, mas todos podem fazer sua parte para ajudar a proteger essa prática. E é por isso que Chris e Ei Ei estão na “batalha”, com seu projeto, para incentivar o plantio de flores.

Um pacote da Grown the Rainbow, com 20 bolinhas, custa cerca de nove dólares no site do projeto. Mas fabricá-las em casa é possível e pode ser ainda mais divertido. A jornalista Giuliana Capelo, autora do blog Gaiatos e Gaianos (aqui no Planeta Sustentável), em post recente, ensinou seus leitores a produzir bombas de sementes, mostrando as que ela fez como lembrancinhas para o chá de bebê da filha que vai nascer em fevereiro.

Que tal espalhar essa ideia e ajudar a colorir as terras do Brasil, também? De quebra, com certeza as abelhas virão participar dessa festa.

*Grow the Rainbow 

Leia também
Bombas coloridas de sementes espalham flores (e salvam abelhas)
População de abelhas enfrenta declínio em muitos países
A extinção das abelhas pode acabar com a humanidade?
Aplicativo brasileiro vai monitorar o desaparecimento das abelhas
E se as abelhas sumirem?

Foto: Divulgação/Seedles/Grow the rainbow


Nos EUA, casal recebe US$ 2,2 milhões para trocar asfalto por placas solares

26 de janeiro de 2015

nos-eua-casal-recebe-us-22-milhoes-para-trocar-asfalto-por-placas-solares1

O casal norte-americano Julie e Scott Brusaw tem um sonho ambicioso: trocar todo o asfalto do mundo por placas solares, o que reduziria drasticamente as emissões de gases de efeito estufa e geraria energia limpa e renovável. A boa notícia é que o plano visionário está mais perto de se tornar realidade.

Batizado de Solar Roadways*, o projeto dos dois recebeu US$ 2,2 milhões via financiamento coletivo – aliás, mais que o dobro do valor que pediram inicialmente na plataforma de crowdfunding Indiegogo. O dinheiro veio de mais de 48 mil pessoas, de 42 países. Um sucesso! Especialmente, porque o vídeo de divulgação viralizou na web, com mais de 19 milhões de visualizações (assista no final deste post).

nos-eua-casal-recebe-us-22-milhoes-para-trocar-asfalto-por-placas-solares3

Como colocar o projeto em prática? Para responder a essa pergunta, vou contar a história do começo. Quando tiveram a ideia de instalar painéis fotovoltaicos no chão, o casal passou a pesquisar uma forma de fazer as placas aguentarem muito peso. “Queríamos painéis solares em que você pudesse dirigir, estacionar e andar em cima”, conta Scott, que é engenheiro elétrico, no site da iniciativa. A pesquisa durou oito anos, mas foi bem sucedida!

Com financiamentos da Administração Federal de Rodovias dos EUA, o casal desenvolveu painéis que podem aguentar mais de 113 toneladas. Feitos de vidro (10% do material é reciclado!), cada módulo possui pequenos hexágonos que contém células solares.

nos-eua-casal-recebe-us-22-milhoes-para-trocar-asfalto-por-placas-solares2

Agora, o dinheiro arrecadado com o crowdfunding será usado para viabilizar a tecnologia no mundo todo e contratar profissionais. “Esses painéis podem ser instalados em rodovias, estacionamentos, calçadas, ciclovias e playgrounds… Literalmente, em qualquer superfície abaixo do sol”, conta o casal em seu site.

A ideia é que a eletricidade gerada pelas placas abasteça casas e empresas. De acordo com os cálculos do casal, um sistema nacional de painéis pode produzir mais energia limpa do que os Estados Unidos usa como um todo.

nos-eua-casal-recebe-us-22-milhoes-para-trocar-asfalto-por-placas-solares4

Além disso, o Solar Roadways também tenta convencer com outros benefícios, como:
- fazer crescer o mercado de carros elétricos, graças aos novos postos de abastecimento de energia;
- acabar com os postes de energia das ruas, já que os fios de transmissão de eletricidade seriam subterrâneos;
- descongelar neve que fica acumulada nas vias, e
- sinalizar com iluminação LED pessoas e animais atravessando a pista à noite.

nos-eua-casal-recebe-us-22-milhoes-para-trocar-asfalto-por-placas-solares5

Convenceu?

Abaixo, assista ao vídeo do projeto:

*Solar Roadways

Fotos: Divulgação/Solar Roadways

Leia também:
Que tal trocar todo o asfalto do mundo por painéis fotovoltaicos?
Árvore do vento transforma até leves brisas em energia
Mochila reciclada com placa solar leva luz a crianças da África do Sul
Menina de 17 anos inventa dispositivo que gera eletricidade e purifica água com energia do Sol


Be My Eyes: voluntários “emprestam” seus olhos a deficientes visuais em aplicativo gratuito

22 de janeiro de 2015

be-my-eyes-625

Algumas das coisas mais simples que fazemos rotineiramente podem não ser tão fáceis para quem possui problemas visuais: ler o rótulo de um medicamento, a validade de um produto ou o conteúdo de uma carta.

Para ajudar estas pessoas, o dinamarquês Hans Jorgen Wiberg criou o aplicativo gratuito Be My Eyes, através do qual voluntários podem emprestar sua visão para quem necessita.

Para fazer parte desta rede mundial de solidariedade, é muito fácil e rápido. O app, que inicialmente só funciona no sistema iOS, pode ser baixado na App Store. Depois de feito o download e o cadastro (basta simplesmente fornecer nome, email e permitir que o aplicativo tenha acesso ao microfone e à camera do iphone ou ipad),o voluntário recebe chamadas de deficientes que precisam de auxílio.

O Be My Eyes funciona com voz e vídeo ao vivo, assim é possível para o deficiente mostrar o que ele quer ler. Voluntário e deficiente precisam estar online, com uma conexão de internet ou 3/4G de boa qualidade. Caso no momento da chamada o voluntário não possa responder à ligação, o sistema a encaminha automaticamente para outro usuário do app.

be-my-eye-app-625

Até agora já estão cadastrados no aplicativo 66 mil voluntários e 5 mil deficientes visuais. Dez mil chamadas de ajuda foram realizadas com sucesso. “Espero que esta comunidade online consiga fazer a diferença na vida de pessoas cegas em todo mundo”, disse Wiberg.

O aplicativo já foi premiado na Dinamarca como “the most innovative idea”. Be My Eyes ainda está sendo utilizado principalmente por pessoas que falam inglês. Mas que tal divulgar esta ferramenta bacana nas redes e aumentar o uso do aplicativo no Brasil?

Leia também:
Anel digital lê livros para deficientes visuais
Escola oferece aulas gratuitas a deficientes visuais
Óculos inteligentes ajudam deficientes visuais a enxergar

Imagens: reprodução


São Paulo em manutenção: intervenções artísticas reformam e embelezam a cidade

20 de janeiro de 2015

servicosgerais_560

São Paulo está em manutenção para os idealizadores do projeto Serviços Gerais: o artista plástico Rodrigo Machado e os cineastas Filipe Machado e Gustavo McNair. Juntos, os três amigos fazem intervenções urbanas artísticas na capital paulistana: são pequenos consertos, arrumações e reformas. Ou, como contou Rodrigo, “cirurgias bem localizadas na cidade”.

O trio iniciou o projeto em 2011. Desde então, já consertou grades de proteção, lixeiras de ponto de ônibus, desentortou placas, colocou pastilhas no calçadão do Viaduto Santa Ifigênia e limpou o sino localizado no bairro da Lapa.

Todas as performances realizadas por Rodrigo são gravadas por Filipe e Gustavo e se transformam em vídeos que mais parecem exibidos em tempo real na página do YouTube, o Trinca SP*, como também no Tumblr* e no Facebook*. Longos e sem trilha sonora, mostram a intervenção do começo ao fim, sem cortes. “Optamos por fazer registros mais próximos da realidade”, conta Rodrigo.

meninos-servicos-gerais

O que os três artistas querem é provocar um novo olhar, criar um novo paradigma na relação das pessoas com a cidade. “Os paulistanos têm uma rotina difícil, pesada em São Paulo. Trabalham muitas horas e não reparam no espaço urbano. É absurdo, mas ainda tem muita gente que joga lixo na rua, que maltrata a cidade”, destaca o artista plástico. “Queremos que as pessoas se relacionem com esse espaço de uma maneira diferente. Temos que mudar algumas coisas para que nossa qualidade de vida melhore”.

Até os vídeos longos são uma provocação do trio. “Queremos causar desconforto, mesmo! De certa forma, isso faz com que nossa ideia não se torne viral já que não é muito fácil de assimilar. É uma proposta mais crítica, mais política do que simplesmente um vídeo bacana de alguém que está feliz consertando a cidade”.

Em uma das intervenções, por exemplo, Rodrigo consertou balanço em uma praça. A ação demorou entre 10 e 15 minutos e aparece inteira no vídeo. “Não faz sentido editarmos a gravação em apenas um minuto e meio. Deixamos o vídeo na íntegra para mostrar que existe um trabalho que leva tempo, que tem uma maneira certa de fazer, que esse cuidado com a cidade exige que você pare o que está fazendo para se dedicar”, explica.

As áreas mais centrais da cidade são as preferidas do Serviços Gerais. Há até um mapa* com todos os locais da cidade onde o grupo já fez reformas. “Às vezes, pegamos o carro, paramos em algum bairro e vamos caminhando. Não é preciso andar muito para achar algo que precisa ser consertado”. Trabalho – para eles e para cada paulistano em busca de uma cidade melhor – é o que não falta. Então, que tal arregaçar as mangas?

E se você não mora em São Paulo, que tal se inspirar na iniciativa de Rodrigo, Filipe e Gustavo e deixar sua cidade ou bairro mais bonitos? Mãos à obra!

Fotos: Divulgação/Serviços Gerais

*Trinca SP
*Tumblr
*Facebook
*Mapa

Leia também
São Paulo em manutenção: intervenções artísticas reformam e embelezam a cidade
Eduardo Srur sobe em trampolim pela água, em exposição na Praça Victor Civita, em SP
Que ônibus passa aqui? Ação melhora mobilidade com a colaboração de todos
Band-aids gigantes são espalhados pelas ruas das capitais para evidenciar buracos nas calçadas