Blogs

Muçulmanos abrem as portas de suas casas aos vizinhos para acabar com preconceito

26 de março de 2015

campanha-conheça-muculmano

Onde quer que estejam, os muçulmanos sofrem preconceito por causa de atos terroristas provocados por extremistas. Mas existe muita gente boa no mundo que deseja transformar o medo (ou ódio) das pessoas pelo islamismo em amor, tolerância… Essa é a proposta da comunidade muçulmana ahmadi, do Canadá, que lançou a campanha Meet a Muslim Family* (Conheça uma família muçulmana, em tradução livre).

A ação que lançou essa ideia aconteceu de 1 a 14 de março e incentivou famílias muçulmanas a abrir as portas de suas casas e mesquitas aos vizinhos. Os criadores acreditam que isso pode ajudar a acabar com ideias equivocadas e estereótipos sobre islamismo e intolerância religiosa.

Para participar, os canadenses podiam entrar no site da ação e fazer um pequeno cadastro. Em seguida, eram orientados para o encontro com alguma família. Sem dúvida, uma ótima oportunidade para aprender sobre tradição e valores do islamismo e quebrar barreiras culturais.

Depois da visita, os participantes eram convidados a publicar sobre sua experiência no Twitter com a hashtag da campanha #MeetAMuslimFamily, também para divulgar fotos e vídeos dos encontros com outras famílias locais.

Na verdade, a ação não é nova no Canadá, mas este ano foi realizada em uma situação especial. Em outubro de 2014, o muçulmano Zehaf-Bibeau matou um soldado e tentou atacar o Parlamento canadense. Foi um grande susto para a população local e aumentou a discriminação contra muçulmanos.

A vereadora canadense Marilyn Iafrate se interessou pela ação e almoçou na casa de uma família muçulmana. Em entrevista à CTV News*, ela contou que foi um momento ótimo para compartilhar valores, vivenciar e consolidar saberes.

A comunidade local continua disposta a receber visitantes mesmo após o final da campanha. A família do casal Michael e Esther Ruten, por exemplo, foi a casa de Rashid Ahmed pela primeira vez. A experiência foi tão boa que disseram ao Global News* que já começaram a combinar o próximo encontro.

Seria ótimo se essa ideia se espalhasse pelo mundo (inclusive por aqui, no Brasil). Mais uma linda forma de mostrar que somos todos iguais.

Agora, veja, abaixo, o vídeo de divulgação da campanha feita no Canadá:

*Twitter 
*Meet a Muslim Family 
*CTV News
*Global News

Foto: Divulgação/Meet a Muslim Family

Leia também
O amor (de verdade) não tem idade, cor, credo, gênero…
Do Good Bus: ônibus leva pessoas para voluntariado surpresa
Pizzaria incentiva doação de comida para moradores de rua por US$ 1
Reality show leva blogueiros de moda para trabalhar em fábrica de roupas no Camboja


8 invenções geniais para economizar ou purificar água

19 de março de 2015

ideia-genial-570

São Paulo, a maior e economicamente a mais importante cidade brasileira, vive o risco iminente de ficar sem água. E a crise hídrica se alastra pelo país. Trata-se de um problema grave e sem soluções de curto prazo (a não ser fechar as torneiras, claro), que já está transformando nossos hábitos de consumo.

Mais do que nunca, sabemos que a água é finita. E todas as ideias para economizar e até mesmo purificar a água são sempre bem-vindas. Por isso, decidimos reunir aqui algumas invenções geniais e engenhocas de vários lugares do mundo que inspiram o consumo consciente do nosso bem mais valioso. Afinal, não há vida sem água.

1. Botão evita desperdício na hora da descarga
O brasileiro Gerson Luiz Maezano criou o Acqualógico*, botão universal de baixo custo para privadas com caixa. A engenhoca deve substituir botões tradicionais de descargas, mas sem precisa trocar o mecanismo interno.

O botão libera dois volumes de água. Um deles é para resíduos sólidos e o outro para líquidos. A troca permite uma economia de até 60% a cada vez que a descarga for acionada pelo usuário. O preço é de aproximadamente 15 reais e a peça é simples de trocar como uma lâmpada. Foto: Divulgação/Acqualógico

botao-acqualogico

 

2. Torneira economiza 15% da água
Também existem engenhocas mais complexas. Criar um simples sistema de economia de água, por exemplo, não era o suficiente para Simin Qiu, estudante do Royal College of Art, em Londres. Por isso, ele trabalhou na criação da Swirl*, torneira com design especial.

Ela envia água por meio de uma turbina dupla e uma série de furinhos, criando “desenhos” incríveis. São três bicos dosadores que permitem ao usuário escolher a quantidade de água e o desenho desejado. Além disso, o sistema limita o fluxo de água em 15% quando a torneira fica mais de 60 segundos aberta. A ideia rendeu ao garoto o Prêmio Conceito iF Design em 2014. Mas ainda não há previsão de venda do seu invento. Foto: Simin Qiu

swirl-torneira

3. Tijolo de borracha economiza na descarga
Um grupo de americanos criou outra engenhoca interessante para economizar água na hora da descarga. O Drop-A-Brick* (Solte um tijolo, em tradução livre) é um tijolo ecológico de borracha que afunda e preenche parte do espaço das caixas de descargas, diminuindo a entrada (e saída) de água, ou seja, o desperdício. Durante o financiamento coletivo, o tijolo foi vendido no site Indiegogo por 15 dólares. Mas a campanha só conseguiu arrecadar 50% do valor necessário.

Usar tijolos de alvenaria com essa finalidade não é novidade, mas com certeza também não é 100% seguro como o Drop-A-Brick. Mas quem não quiser comprar o tijolo de borracha, já pode adotar um jeito mais prático e simples de economizar água da descarga: colocar garrafas de plástico cheias de água ou areia dentro da caixa. A quantidade de garrafas depende do tamanho da caixa e da economia que se quer fazer. Esta pequena atitude pode economizar cerca de dois litros de água a cada descarga. Foto: Divulgação/Drop-a-Brick

drop-a-brick

4. Garrafa purifica 99,9% das impurezas da água
Esta ideia genial a gente já revelou aqui no site: um grupo de designers suecos criou a Okopure, garrafa capaz de transformar qualquer líquido em água. A filtragem acontece com ajuda de uma série de pequenos poros. Eles prometem eliminar 99,9% das impurezas e ainda absorver agentes nocivos à saúde.

São vendidos três filtros diferentes, cada um com capacidade diferente (550 ml, 650 ml e 1000 ml). O menor deles custa 22,95 dólares, enquanto o maior custa 24,95 dólares. Ainda é caro, mas uma ótima alternativa em países ou regiões muito pobres, onde não há saneamento básico. Ou em casos de eventos extremos – furacões, tufões, tsunamis e terremotos – ou guerras. Foto: Reprodução/YouTube

5. Engenhoca gera eletricidade e purifica água com energia do Sol
Preocupada com a quantidade de pessoas sem acesso à água potável no mundo, Cynthia Sin Nga Lam, estudante australiana de 17 anos, desenvolveu o H2prO, um dispositivo barato e portátil capaz de purificar águas residuais e gerar eletricidade. Isso, a partir do uso de um ingrediente muito abundante em qualquer lugar do planeta: a luz do Sol.

A água suja entra na parte superior do invento e passa por uma malha de titânio que esteriliza a água quando ativada pela energia solar. Essa reação divide água em oxigênio e hidrogênio, que por sua vez é usado para gerar energia. O mais legal é que impurezas na água, como detergentes, geram mais hidrogênio e, consequentemente, mais energia. Foto: Reprodução/YouTube

6. Sistema purifica água com a luz do Sol
Outro jovem que teve uma ideia genial foi Deshawn Henry, estudante de Engenharia Civil da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos. Ele criou uma lente solar capaz de filtrar água com materiais baratos que garimpou em uma loja de hardware.

A lente aumenta a luz solar e aquece um litro de água. O processo elimina agentes patogênicos e deixa a água potável. O estudante ainda planeja aprimorar a engenhoca e criar uma lente maior, que conseguirá limpar uma quantidade maior de água de uma vez só.

O sistema de baixo custo tem potencial para ajudar comunidades mais carentes que vivem em regiões ensolaradas sem precisar gastar energia ou depender de tecnologias importadas. Foto: Divulgação/University of Buffalo

7. Dispositivo controla consumo de água e envia informações para celular
Outra notícia bacana que já mostramos aqui no site do Planeta Sustentável: um grupo de ativistas americanos criou o Water Hero (“herói da água”, em tradução livre): dispositivo que, conectado ao medidor de água, fornece informações simultâneas sobre o consumo para o smartphone do usuário por meio de um aplicativo.

Para ajudar usuários mais leigos, o sistema converte medidas para litros ou galões e mostra até gráficos sobre o consumo de água. Se o sistema detecta volume muito alto, pode fechar o registro de onde o dispositivo está instalado.

A tecnologia ainda não chegou ao mercado global, mas a previsão é que isso aconteça até o final de 2015. O aplicativo é gratuito, mas o aparelho para controle do registro custa cerca de 200 dólares. Foto: Divulgação

water-hero

8. ‘Tablado’ ajuda a reutilizar 90% da água do banho
O designer húngaro Alberto Vasquez* criou o Gris, espécie de tablado que armazena a água do banho. São quatro compartimentos interligados com capacidade de armazenar até 10 litros.

Quando conectados, os compartimentos formam inclinação no centro, o que permite que a água escorra e entre no tablado. Depois do banho, é possível separar as quatro partes e usar a água ali armazenada para lavar o banheiro, a cozinha, o quintal, para dar descarga, entre outras opções.

Segundo Vasquez, o Gris é mais eficiente do que bacias porque coleta até 90% da água do banho, enquanto baldes reaproveitam apenas 30%. O produto ainda não está à venda, mas tem muito potencial para dar certo. O criador imagina que o tablado irá custar em torno de 60 reais. Foto: Divulgação/Igendesign

gris-alberto-vasquez

*Alberto Vasquez 
*Swirl
*Acqualógico 
*Drop-A-Brick

Foto de abertura: Nemo/Pixabay/Domínio Público


ONU convida você a participar do Dia Mundial da Água. Diga por que água é essencial para o planeta!

18 de março de 2015

onu-convida-voce-participar-dia-mundial-agua-criancas-625

Água é essencial para a natureza, produção de alimentos, saúde, indústria, urbanização, energia. Sem este recurso vital para o desenvolvimento humano e ambiental, não há vida na Terra.

Para refletir sobre este tema, a UN Water – Agência das Nações Unidas para a Água* – convida a todos a fazer parte das celebrações do Dia Mundial da Água, no domingo, 22 de março. Com o slogan #WaterIs to you!, a ONU lançou várias campanhas para saber o que a água significa para você.

A primeira delas convoca pessoas de todos os cantos do planeta a fazer uma selfie com a tag #WaterIs to you!, que deve ser postada nas redes sociais ou enviada para o e-mail unwater@un.org . Na imagem, deve estar uma mensagem com a sua resposta para a pergunta “o que é água para você?”.

onu-convida-voce-participar-dia-mundial-agua-625

A outra iniciativa convida você e seus amigos a criar um trabalho de arte, imagem, fotografia ou vídeo e enviar para ‪#‎WorldWaterDay através do email unwater@un.org  As peças e filmes recebidos serão divulgados no página da campanha no Dia Internacional da Água, 22 de março.

Vários artistas internacionais como Jason Mraz, Pharell Williams, Kesha, Pitbull, a banda One Direction e os personagens da Vila Sésamo já aderiram ao convite.

Este ano as Nações Unidas escolheram como tema “Dia Mundial da Água e o Desenvolvimento Sustentável”. A data será um momento para celebrar, pensar, mudar e preparar o mundo para um novo futuro – mais sustentável e justo, e ciente de que água é um recurso finito.

Participe das campanhas pela água e divulgue nas redes as hashtags #WaterIs to you! e #WorldWaterDay.

*UN Water

Fotos: divulgação UN Wate


Já viu um contêiner-fazenda? Ele produz comida fresca e, ainda, gasta pouca água

16 de março de 2015

conteiner-fazenda-estufa-cropbox

Do lado de fora, o contêiner da foto acima é um recipiente de transporte comum. Mas por dentro, tem cerca de 2.800 pontos de plantio distribuídos nos seus 30 m². Trata-se do CropBox*: uma pequena “fazenda”móvel, que gasta 90% menos água e usa 80% menos fertilizantes que a agricultura convencional, garantem os inventores Ben Greene e Tyler Nethers.

Manufaturado pela fabricante de estufas Williamson Greenhouses, o projeto tem uma proposta simples: produzir grandes quantidades de vegetais locais e frescos durante todo o ano, ocupando pouco espaço e sem usar pesticidas. A ideia partiu de Greene, em 2008, como parte de sua tese de mestrado em design industrial na Universidade Estadual da Carolina do Norte. Eventualmente, Nethers se juntou ao projeto.

Para isso, o interior do contêiner foi equipado com sistema de plantação hidropônica e de monitoramento de 18 sensores instalados na estufa via internet. Ou seja, elementos do ambiente – tais como iluminação, temperatura do ar e da água, pH, quantidade de gás carbônico, nível de água e umidade – podem ser ajustados à distância.

Por enquanto, o sistema usa quase duas vezes mais energia no inverno do que uma estufa comum. Mas os desenvolvedores estão buscando uma alternativa com iluminação LED, que reduziria 60% do uso de energia elétrica.

cultivo-de-alfaces-morangos-plantas-estufa

Cada unidade está sendo vendida por quase 50 mil dólares, que podem ser pagos em dois anos e sete meses. Apesar do preço do contêiner ainda não ser amigável, a companhia afirma que, dependendo do mercado, dos cultivos e da experiência do “fazendeiro”, o retorno financeiro vem entre sete meses e três anos.

Além de um produto para fazendeiros, pode ser também uma boa solução para lugares que sofrem com escassez de água ou mesmo para cidades, onde há pouco espaço para cultivo, já que o CropBox pode ser instalado tanto horizontal quanto verticalmente. Na agricultura urbana, o “local ideal”, na prática, não existe: é o primeiro a ser encontrado. Pode ser um telhado, um prédio abandonado ou – por que não? – um contêiner.

*CropBox

Leia também:
Fazenda móvel produz alimentos frescos e gasta pouca água
Telhados industriais sem uso dão lugar a fazendas urbanas, na Suíça
Manual de agricultura urbana
Por que precisamos de hortas na cidade


O amor (de verdade) não tem idade, cor, credo, gênero…

12 de março de 2015

Certamente, você assistiu um vídeo que está bombando na internet, nos últimos dias, que faz parte da ação Love has no labels* (O amor não tem rótulos, em tradução livre). Ele mostra ação promovida pela ONG Ad Council em Los Angeles, EUA, em fevereiro.

Uma tela gigante de raio-X foi instalada no bairro de Santa Mônica, convidando todos que por ali passavam a prestar atenção na tela que projetava pessoas – ou melhor, seus esqueletos – dançando, se beijando, se abraçando. Em seguida, elas saiam de trás do telão para revelar quem realmente são: casais homossexuais – um deles, com filho -, duas irmãs amorosas (uma com síndrome de Down), pessoas de diferentes credos, raças, gêneros e idades.

Emocionante, o vídeo provoca reflexões a cerca do preconceito que está em nossas ações diárias – e que nem sempre reconhecemos ou queremos ver.

Por conta do tema, da mensagem e da repercussão, resolvemos falar desse vídeo aqui no blog da redação do Planeta Sustentável – mesmo depois da grande divulgação que já teve -, e aproveitar para resgatar outra campanha bacana, que percorreu as redes no início deste ano e que mostramos aqui, em nosso site: The Eyes of a Child (Os olhos de uma criança, em tradução livre), da Associação Noémi*.

Em um vídeo, pais e filhos aparecem lado a lado em uma sala, separados por uma divisória. À sua frente, uma tela exibe pessoas fazendo caretas, o que provoca risos e a imitação dos gestos de todos. Tudo vai bem até que aparece uma garota com deficiência. Os filhos veem suas caretas com naturalidade, mas os pais não conseguem esconder o desconforto.

Como a primeira campanha, esta ação enfatiza a importância do respeito à diversidade. Aqui, mais do que um convite para refletirmos sobre o preconceito, chama-se a atenção para a prática da compaixão e da empatia para incluir e encarar as diferenças como parte de nossa natureza. Como fazem as crianças, já que são desprovidas de julgamentos. Só assim o mundo poderá ser melhor.

Preparada(o) para se emocionar? Então, assista agora aos vídeos das duas campanhas:


*Love has no Labels 
*Associação Noémi 

Leia também
O amor (de verdade) não tem idade, cor, credo, gênero… 
Vídeo emocionante quer mudar a maneira como nós enxergamos pessoas com deficiência
O que aprendi quando fechei meus olhos
Vídeo te inspira a ser pessoa melhor em três minutos

Foto: Reprodução/Facebook/Love Has No Labels