Por que os homens têm peitos?

Ninguém nunca viu macho dando de mamar, mas os mamilos continuam misteriosamente por lá. E a culpa pode ser do

por Texto Marília Juste

As mamas são essenciais no corpo feminino: são elas as responsáveis pela alimentação dos bebês em seus anos de formação mais importantes. Além disso, os peitos também têm uma função sexual para lá de relevante. Seios fartos são um poderoso fator de atração da atenção masculina, e a sensibilidade da região faz das mamas uma das principais zonas erógenas do corpo da mulher. Nos homens, no entanto, os peitos não servem para rigorosamente nada (talvez apenas para colocar um piercing ou dois naqueles mais rebeldes). Então, se não têm função, por que eles existem no corpo masculino? Somente porque são uma sobra do desenvolvimento.

“Homens e mulheres fazem parte da mesma espécie. Embora tenham órgãos diferentes, eles são, na prática, variações do mesmo tema”, explica Carlos C. Alberts, professor de zoologia e comportamento da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Assis (noroeste de SP).

A formação dos órgãos sexuais só começa no final do 2o mês de gestação. Logo, todos nós temos as mesmas estruturas, independentemente do sexo – elas só se desenvolvem de maneira diferente de acordo com o conjunto de cromossomos do futuro bebê. Quando o embrião é uma menina, o tecido das mamas se prepara para se transformar em seios na adolescência. Quando é um menino, nada acontece, e a região costuma permanecer inalterada durante toda a vida.

Ou seja, os peitos masculinos não passam de resquícios “desativados” das mamas femininas. Embora sejam formados pelo mesmo tecido, eles não têm função sexual alguma. A não ser que o homem tome hormônios femininos, o que estimula o desenvolvimento da mama – uma técnica freqüentemente usada por transexuais que querem ter seios parecidos com os de uma mulher “real”.

A mulher também possui órgãos sem função, que se originam das mesmas fontes (basicamente os mesmos conjuntos de células, cooptados para funções diferentes) que vão formar partes importantes do organismo masculino. É o caso do clitóris, nascido das mesmas estruturas e com o mesmo comportamento de ereção do pênis. Os tecidos que formam o saco escrotal no homem são encontrados também nos pequenos lábios que recobrem a vagina. Há algumas mulheres que até parecem apresentar uma estrutura parecida com o que é a próstata nos homens.

A PRÓSTATA DELAS?

Nos homens, a próstata é uma pequena glândula formada de tecidos mais densos que tem como função produzir parte do esperma (a outra parte é produzida nos testículos. Depois, o conjunto é reunido na vesícula seminal, que expele tudo para fora pela ação dos músculos na hora da ejaculação).

Nas mulheres não há qualquer necessidade de algo parecido, mas algumas parecem apresentar um adensamento de tecidos extremamente sensível na parte interna da vagina que, em alguns casos e em algumas mulheres, pode até produzir um líquido viscoso. Para alguns cientistas, isso seria uma forma de próstata feminina.

Alguns especialistas acreditam que ela seria o mítico ponto G, a área mais sensível da vagina, que levaria a orgasmos mais intensos e que seria responsável também por outro grande mito sexual: a ejaculação feminina. Ainda não existe, no entanto, uma comprovação definitiva da presença, seja da próstata, seja do ponto G ou mesmo da ejaculação entre mulheres. O certo é que essas semelhanças aparentemente misteriosas entre os sexos não têm nada de impossível: considerando que nosso corpo é construído seguindo o mesmo padrão básico, é natural que elas surjam aqui e ali.

Temos “rabo” – ao menos a julgar pela presença do cóccix, osso no fim da coluna. Hoje, ele serve apenas para apoiar os músculos do nosso traseiro.

 

publicidade

anuncie

Super 337 - Foco - organize sua vida agora Os métodos comprovados, a tecnologia que ajuda, a ciência antienrolação. Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 337
setembro/2014

Foco - organize sua vida agora
Os métodos comprovados, a tecnologia que ajuda, a ciência antienrolação.

- sumário da edição 337
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ciência

publicidade

anuncie