Só Pensa Naquilo

Sexo no laboratório

Cientistas do mundo inteiro estão trabalhando duro para entender melhor a libido humana. São milhões de dólares gastos para descobrir o que ajuda e o que atrapalha o prazer sexual. Veja o que alguns estudos vêm indicando.

por Marcelo Bortoloti

O QUE AJUDA?

Leite materno

Substâncias no cheiro do leite materno aumentam em 24% o desejo sexual das mulheres. Para descobrir isso, cientistas da Universidade de Chicago, EUA, colocaram uma pequena almofada no sutiã de mães de recém-nascidos e, depois, expuseram um grupo de 90 mulheres à substância.

Suor

Cientistas da Universidade da Pensilvânia, EUA, colheram suor da axila de homens há 4 semanas sem desodorante. Aplicaram abaixo do nariz de 18 mulheres, que disseram ter ficado relaxadas e alegres. É que o suor tem feromônios, substâncias que animais usam para atrair fêmeas.

Museu

Quem admira obras de arte é pelo menos 3 vezes mais sexualmente ativo do que quem foge dos museus, disse uma pesquisa do Instituto de Psicologia Analítica de Roma com casais entre 25 e 30 anos. O segredo estaria em uma maior “cumplicidade erótica” entre os casais.

Doce

Nutricionistas americanos descobriram que o açúcar eleva a produção de estrogênio, que é um dos hormônios sexuais femininos. Já nos homens, o açúcar pode diminuir a potência sexual.

O QUE ATRAPALHA?

Trabalho

Mulheres que trabalham fazem menos sexo, segundo mostrou uma pesquisa do Instituto Kinsey, EUA, com 853 mulheres. O relatório diz que na década de 1950 as mulheres tinham mais tempo livre e faziam sexo com mais freqüência do que hoje.

Telefone

Parece brincadeira, mas 14% das pessoas param de fazer sexo para atender a chamadas no celular. A revelação foi de um estudo da agência de publicidade Proximity Worldwide,com 3 mil pessoas no mundo todo. Os índices mais altos estão na Alemanha e na Espanha.

Casamento

Não só a rotina, mas também a biologia age contra os casais. Uma pesquisa da Universidade de Pisa, Itália, apontou que a substância neurotrofina, que provoca o desejo, é abundante no sangue durante o início da relação, mas diminui ao fim de dois anos.

Televisão

Uma pesquisa da psicóloga italiana Serenella Salomoni com 523 casais indicou que TV no quarto reduz pela metade a freqüência de relações. Quem não tinha TV ali disse fazer sexo 8 vezes por mês. Já quem tinha ficava em apenas 4.

 

publicidade

anuncie

Super 335 - O perigo do glúten Ele está em tudo que você gosta, age sobre o seu cérebro e pode ser a causa da epidemia global de obesidade. Afinal, glúten faz mal mesmo? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 335
julho/2014

O perigo do glúten
Ele está em tudo que você gosta, age sobre o seu cérebro e pode ser a causa da epidemia global de obesidade. Afinal, glúten faz mal mesmo?

- sumário da edição 335
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Ciência

publicidade

anuncie