Altura de vôo de um avião

Os aviões comerciais, que representam a grande maioria das aeronaves no céu, voam a altitude de cruzeiro, cerca de 11.000 metros. Essa é a altitude em que o avião consegue gastar menos combustível, pois o ar se torna menos denso e por isso oferece menor resistência.

por Piera Utrera Alarcon, São Paulo, SP

Os aviões comerciais, que representam a grande maioria das aeronaves nos céus, voam a altitude de cruzeiro, cerca de 11 000 metros. “Essa é a altitude em que o avião consegue voar gastando o mínimo de combustível”, explica o engenheiro aeronáutico Mauricio Pazini Brandão, do Instituto Tecnológico da Aeronáutico (ITA), de São José do Campos, São Paulo; O avião queima combustível para vencer a resistência que o ar exerce sobre ele, chamada força de arrasto, e movimentar-se para frente. Essa força aumenta quando a velocidade de vôo aumenta e diminui à medida que se voa mais alto, pois o ar se torna menos denso e por isso oferece menor resistência. No entanto, não é vantajoso que a aeronave voe muito devagar porque cresce o tempo da viagem. Também não é econômico subir acima de 11 000 metros já que as operações de subida e descida gastam combustíveis. Abaixo de 11 000 metros, o ar é mais denso e a temperatura não é constante, o que pode aumentar a turbulência. Além disso, é mais fácil manter a pressurização (processo do ar semelhante à entrada na superfície da terra) da cabine do avião se ele voar em altitude de cruzeiro. Aeronaves não comerciais, que não têm como prioridade economizar combustíveis, como as militares, calculam sua altura de modo a alcançar facilmente seu objetivo, como interceptar outras aeronaves ou escapar dos radares.

publicidade

anuncie

Super 335 - O perigo do glúten Ele está em tudo que você gosta, age sobre o seu cérebro e pode ser a causa da epidemia global de obesidade. Afinal, glúten faz mal mesmo? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 335
julho/2014

O perigo do glúten
Ele está em tudo que você gosta, age sobre o seu cérebro e pode ser a causa da epidemia global de obesidade. Afinal, glúten faz mal mesmo?

- sumário da edição 335
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Cotidiano

publicidade

anuncie