Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Ciência Maluca Por Blog As pesquisas mais importantes para você compreender a sua vida - e as mais inusitadas para você entender todo o resto. Por Tiago Jokura

3 motivos científicos para você continuar solteiro

Por Carol Castro Atualizado em 15 ago 2018, 12h29 - Publicado em 23 Maio 2014, 18h13

Ter companhia para ver um filme de conchinha numa noite chuvosa é bom. Marcar um jantar romântico também. Mas você já pensou que pode haver razões científicas para você continuar sem um amor para chamar de seu? Conheça três delas:

1. Namorar faz você engordar

Dizem que se o casal engordar junto é sinal de felicidade. Mas, em geral, não é o que acontece – pelo menos segundo uma pesquisa britânica que incluiu homens e mulheres que namoravam há mais de um ano. Ao acompanhar os participantes, os estudiosos avaliaram como se deu o ganho de peso e os resultados mostraram que as mulheres engordam, em média, 3 quilos nos primeiros 12 meses de relacionamento. Já os homens tendem a emagrecer.

  • 2. Quem namora se distancia de dois bons amigos

    Essa dói. Pesquisadores da Universidade de Oxford perguntaram a 540 pessoas sobre o círculo de amigos mais próximos – e como isso mudou depois do início do namoro. A maioria deles havia se distanciado de dois grandes amigos. Parece pouco, mas não é. Segundo o estudo, a gente tem só cinco amigões de verdade. Então, perder dois deles é muita coisa. A culpa é mesmo da paixão: você troca as baladas pelo cinema, o bar com os amigos pela noite de conchinha. E assim os amigos ficam em segundo plano.

    3. Relacionamentos aumentam o risco de doenças

    Mas só se rolar muita briga. Um estudo americano contou com a participação de 37 casais e descobriu que o sistema imunológico dos briguentos era pior. Os voluntários doaram amostras de sangue e tiveram de deixar um dispositivo a vácuo criar machucados bem pequenos, de 8 milímetros, no antebraço. Na sequência, os casais sentaram e passaram um tempo conversando. Os pesquisadores anotaram quais eram as duplas mais esquentadinhas – e que mais se irritavam um com o outro – e perceberam que essa turma precisava de mais tempo para curar os machucados.

  • A culpa pode ser da falta de ocitocina. Durante um abraço ou troca de carinhos, a quantidade desse hormônio aumenta no corpo. E ele parece estar relacionado também ao fortalecimento do sistema de defesa do organismo. Ou seja, os mais briguentos passam menos tempo se amando e produzem menos ocitocina.

    E aí, vale a pena namorar?

    Continua após a publicidade
    Publicidade