Clique e Assine por apenas 8,90/mês
Ciência Maluca Por Blog As pesquisas mais importantes para você compreender a sua vida - e as mais inusitadas para você entender todo o resto. Por Tiago Jokura

Felicidade é, em parte, genética

Por Thiago Perin - Atualizado em 21 dez 2016, 10h00 - Publicado em 18 jan 2011, 12h22

Tudo está dando errado, sua vida está uma droga, você mal quer sair da cama? Culpe seus genes. De repente, ajuda. E você não vai estar completamente errado: um grupo de pesquisadores de quatro universidades, do Reino Unido, dos Estados Unidos e da Suécia, afirma que a gente possui algo como um “piso” de felicidade, um nível mínimo de satisfação com a vida que se mantém consistente e persiste ao longo do tempo. E, no caso, cada um tem o seu. Os cientistas analisaram (aqui) dados de uma pesquisa governamental feita nos EUA, o Add Health Study, que vem entrevistando voluntários desde 1994, e constataram que a variação genética explica cerca de 33% da variação na felicidade das pessoas, que a influência dos genes varia conforme o sexo (26% para as mulheres e 39% para os homens) e que ela tende a aumentar com a idade. O culpado disso é o SLCGA6, gene que transporta serotonina (um neurotransmissor ligado à alegria de viver) no cérebro – quem possui uma versão mais “eficiente” dele tem entre 8,5% e 17,3% mais chances de ser uma pessoa feliz da vida. Não ter sido presenteado com essa versão turbo, bem, é só mais um motivo para ficar deprê.

Leia também:
Promiscuidade e infidelidade estão no DNA
Somos mais felizes depois dos 50 anos
Gene faz as pessoas copiarem a bebedeira alheia

Publicidade