Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Vírus sobrevivem no vácuo do espaço?

Não: vírus não se mantêm viáveis por muito tempo se não houver hospedeiros para infectar.

Por Bruno Vaiano 10 set 2020, 12h55

Não. Primeiro, é importante lembrar que vírus não são propriamente seres vivos. Eles não possuem metabolismo e não se reproduzem por conta própria. Como seria um bocado estranho falar na morte de algo que não está vivo, é mais adequado dizer que os vírus se tornam inviáveis quando eles perdem a capacidade de infectar seus hospedeiros.

Cada vírus tem um período de viabilidade diferente. Isso equivale a dizer que cada vírus sobrevive um tempo ao ar livre (ou em uma superfície, ou no vácuo do espaço, como você preferir). O do HIV dura algumas poucas horas; o da hepatite, semanas. O novo coronavírus aguenta 24h sozinho em um pedaço de papelão. A resistência aumenta para 2 ou 3 dias em superfícies de plástico ou de aço inoxidável.

  • Ninguém testou no espaço, mas é improvável que passe disso (principalmente considerando as doses massivas de radiação a que seu material genético estaria exposto sem a proteção da atmosfera terrestre).

    Dentro de um módulo ou da Estação Espacial Internacional, é outra história. Em um ambiente pressurizado, repleto de possíveis hospedeiros e protegido das intempéries do vácuo, vírus podem prosperar, e fazem isso com eficácia. Três missões Apollo, por exemplo, foram palco de surtos de gripe entre os astronautas.

    Pergunta de @gustavogamagomes, via Instagram.

    Continua após a publicidade
    Publicidade