Clique e assine a partir de 8,90/mês

Reality show leva blogueiros de moda para trabalhar em fábrica no Camboja

Por Suzana Camargo - Atualizado em 21 dez 2016, 10h25 - Publicado em 29 jan 2015, 13h48

reality-show-leva-blogueiros-moda-trabalhar-fabricas-camboja-abre-625

Diversas denúncias já mancharam os bastidores do mundo fashion: trabalho análogo à escravidão, condições insalúbres, pagamentos miseráveis e até pedido de socorro enviado através da etiqueta da roupa. Em 2013, o mundo ficou chocado ao ver nas manchetes dos jornais que quase mil pessoas tinham morrido no desabamento de um prédio em Bangladesh. A grande maioria delas confeccionava peças para redes de lojas internacionais.

Aqui no Brasil, há vários escândalos também com marcas de moda bastante conhecidas, que lamentavelmente, ainda fazem uso de trabalho mal-remunerado e que desprezam garantias fundamentais aos direitos humanos de funcionários.

Para trazer esta realidade chocante para ainda mais perto das pessoas, um reality show da Noruega decidiu levar três jovens blogueiros de moda para passar um mês no Camboja em 2014. Não só eles dormiram em casas de famílias locais, mas também trabalharam em fábricas têxteis.

Continua após a publicidade

Sweatshop, Deadly Fashion, produzido pelo principal jornal norueguês, o Aftenposten, foi considerado um experimento social. O título “sweatshop” se refere a como são chamados os lugares onde as pessoas destes países trabalham: ambientes minúsculos, sem janelas e ventilação, por isso sweat, suor em inglês.

Nos primeiros episódios, Anniken Jørgensen (na foto que abre este post), Frida Ottesen e Ludvig Hambro encaram a aventura como uma viagem turística à capital Phnom Penh. Mas logo, logo eles se depararam com a terrível vida de milhares de trabalhadores de países pobres que fabricam as roupas que vemos nas vitrines e eles noticiavam em seus blogs.

reality-show-leva-blogueiros-moda-trabalhar-fabricas-camboja-casa-625

A série mostra, por exemplo, como o preço de uma peça bem simples pode ser o mesmo pago para o aluguel da casa de uma jovem cambojana da mesma idade dos blogueiros. Sokty, de 17 anos, recebe, em média, 3 dólares por dia de trabalho.

Continua após a publicidade

Em entrevista ao canal de notícias G1, após sua volta à Noruega, Anniken afirmou que demorou a se recuperar da experiência. Disse ainda que agora compra roupas raramente e seu blog fala mais sobre estilo de vida. Todavia, ela acredita que o principal problema não é “comprar”, mas as péssimas condições de trabalho a que as pessoas são submetidas. Os episódios do programa estão disponíveis no site do Aftenpost, com legenda em inglês.

O trailer do reality show, originalmente em norueguês, mas divulgado recentemente com legendas em inglês, viralizou na internet. Revela o que muitos de nós não enxergamos – ou fingimos que não, principalmente os amantes da moda. Por isso, o ideal é saber a procedência das roupas que você compra e não levar para casa peças de marcas envolvidas em denúncias.

Também já divulgamos no Blog da Redação, do Planeta Sustentável, ferramentas com as quais se pode checar se há trabalho forçado na fabricação de produtos. Para isso, é só acessar a página do Slavery Footprint e responder um questionário online, que analisa as condições em que se é fabricado tudo aquilo que temos no guarda-roupa e nos armários de casa.

Há ainda o aplicativo Moda Livredisponível para os sistemas operacionais iOS e Android. Gratuito, mostra como as principais marcas de roupas lidam com as questões do trabalho escravo no Brasil e em suas cadeias de produção

Continua após a publicidade

Confira abaixo o vídeo com o trailer do reality show norueguês que está bombando nas redes sociais:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=-SCHfV97D7I?feature=oembed&w=560&h=315%5D

Leia também:
Escravo chinês denuncia trabalho forçado em bilhete escondido em brinquedo
De olho nos direitos humanos
10 ideias inspiradoras de moda
Ultra 10: moda da sustentabilidade

Fotos: reprodução

Publicidade