Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Se Conselho Fosse Bom Por Blog Coluna semanal de perguntas práticas, sentimentais e existenciais enviadas por leitores da SUPER. Por Karin Hueck

Tenho uma prima que é feia, mas se acha linda, perfeita e maravilhosa. Como eu falo que ela não é?

Perguntas sem respostas, como a acima, atormentaram nossos leitores essa semana. E mais: conselhos para vidas sem rumos e o que fazer com namorados que traem.

Por Karin Hueck Atualizado em 30 dez 2016, 10h22 - Publicado em 8 dez 2016, 15h45

Tenho uma prima que é feia mas se acha linda, perfeita e maravilhosa porque no Facebook, toda vez que ela posta fotos, amigos e familiares dizem que ela é linda demais. Ela não percebe que todo mundo ouve isso, independente do grau de beleza. Ela já tem 26 anos, não tem um namorado desdes os 19 e a meta dela é estar em um relacionamento. No começo, ela achava que arranjaria um namorado facilmente por se achar muito bela. Mas não conseguiu. O que eu faço para ela perceber que não é essas coisas todas e ser mais humilde? Acho que isso a ajudaria a viver a vida com mais leveza, e a ajudaria a arranjar um namorado também.
– Prima
Cara prima. Infelizmente, não existe nenhuma maneira delicada de dizer para alguém que ela é feia. Pense no absurdo que é proferir as palavras: “Lourdes, você se acha muito bonita, mas, na verdade, você é bem mais ou menos. Mais pra menos, até”. Também não acredito que você queira dar esse toque para a sua prima para o bem dela e para que ela encontre um namorado. Me parece que você apenas quer que ela pare de postar fotos no Facebook. Você está muito incomodada com os elogios que ela tem recebido – e acho que o verdadeiro mistério aqui é o por quê desse incômodo. Se você realmente quiser ajudá-la, pare de dizer que ela “já” tem 26 anos e comece a dizer que ela “só” tem 26 anos – e que ninguém precisa de um namorado para ser feliz.

Tenho 22 anos e, como já é de se esperar, todos os meus amigos da minha idade estão se formando, tendo filhos e casando. Enquanto isso, eu ainda estou na metade do curso da faculdade, sem perspectivas de terminar devido às diversas greves. Investi muito tempo e dinheiro em coisas diferentes, como um livro que publiquei por edital e umas exposições que organizei, só que nenhuma delas me passou segurança ou, sequer, retorno financeiro. Queria abandonar isso e levar mais a serio a faculdade, mas gosto do que faço.
– Sem rumo
Caro sem rumo. Não acho que seja de se esperar que seus amigos estejam casando e tendo filhos aos 22. Acho que é de se esperar que pessoas de 22 anos façam o que você está fazendo: experimentando com os caminhos da vida. É muito legal que você já tenha publicado um livro e organizado exposições – olha que coisas incríveis que você fez tão jovem! Você vai ter o resto da vida para entrar no esquema formatura-casamento-filhos (ou para fazer qualquer outra coisa, na verdade) – e lembre-se: você nem precisa entrar no esquema, se não quiser. Dedique-se ao seu curso e termine a faculdade, claro, mas não deixe de fazer as coisas que você realmente gosta. Algo me diz que, nem se você quisesse, você conseguiria se afastar delas.

Estou morando com o pai da minha filha, mas ele tem um relacionamento com outra pessoa. Para piorar, ele me humilha o tempo todo. Às vezes sinto vontade de desistir de tudo, mas aí lembro da minha filhinha. Estou atarantada com toda essa situação, consternada pra dizer a verdade. Fui traída, trocada e ainda sou humilhada. Não dependo dele financeiramente – pelo contrário, sempre o ajudei com dinheiro. O que faço?
– Atarantada
Cara atarantada. Saia desse relacionamento imediatamente. Sei que é difícil romper um ciclo de abusos – mas é isso que você está vivendo: um relacionamento abusivo. Se a sua justificativa para ficar com o seu namorado é a sua filha, lembre-se que ficar debaixo do mesmo teto que ele é muito mais prejudicial para ela do que afastá-la do pai. Testemunhar as humilhações pelas quais você passa é meio que a pior coisa que pode acontecer com a sua filhinha. Aproveite que você tem dinheiro. Procure a ajuda que você tiver disponível – família, amigas, vizinhos – e recomece a vida longe dele. Você não vai perder nada.

Continua após a publicidade
Publicidade