Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A Antártica está sendo tomada por vegetação – e isso não é bom

O gelo do litoral está dando lugar a musgos, e dando um sinal preocupante da velocidade do aquecimento global.

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
22 Maio 2017, 15h38

Plantar um pouquinho de verde – nem que seja só uma árvore, para fazer sombra e pendurar uma rede – é uma boa ideia na maior parte dos lugares. Não é o caso da Antártica. O continente, pelo bem da temperatura média da Terra, é coberto por um lençol de gelo permanente, e é frio demais para abrigar qualquer tipo de vegetação.

Ou era até agora. Medições inéditas indicam que, nos últimos cinquenta anos, o aquecimento global já derreteu as áreas de clima mais ameno da Antártica – e abriu espaço para grandes extensões de rocha nua, agora cobertas de musgo.

Não é fácil reverter essa tendência. “Ela não vai ficar totalmente verde, mas vai ficar mais verde do que é hoje”, afirmou ao jornal britânico The Guardian Matt Amesbury, pesquisador da Universidade de Exeter e um dos autores da pesquisa. Hoje, só 0,3% da superfície do continente gelado tem alguma vegetação. “Esse fenômeno está ligado a outros processos que estão ocorrendo na península [área mais habitável do continente, próxima ao sul da Argentina]. Um deles é a diminuição dos glaciares, que libera novos trechos de terra sem cobertura de gelo – os musgos são colonizadores muito eficientes dessas áreas.”

O artigo de Amesbury e seus colegas, publicado aqui, é o primeiro a avaliar o impacto das mudanças climáticas recentes na biologia da Antártica. Os pesquisadores britânicos e norte-americanos analisaram cinco amostras de solo de 20 cm de profundidade retiradas de três ilhas do litoral oeste do continente – onde as temperaturas médias são  0ºC no verão e – 10º no inverno.

Cavar 20 cm de chão, nesse caso, significa voltar 150 anos no tempo – as características dos sedimentos que se acumulam no solo ano após ano indicam como eram o clima e a vegetação no passado e permitem compará-los com a situação atual. Vários indicadores entram nessa conta: a quantidade de musgo, sua taxa de crescimento, a população de micróbios e até a quantidade de carbono – que varia conforme o número de seres vivos que estavam fazendo fotossíntese na época analisada.

O chão não mentiu. A taxa de crescimento de musgos está quatro ou cinco vezes mais alta do que era antes da década de 1950. O resultado bate com análises feitas em 2013 em uma ilha a mais de mil quilômetros de distância do foco da pesquisa atual – prova de que o fenômeno não é uma variação local, mas algo generalizado. Foram excluídas dessa avaliação variações climáticas pontuais, como a flutuação da umidade em cada verão, que pode incentivar ou conter o crescimento de vegetação no verão em ciclos de apenas dois ou três anos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.