Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Aquecimento global dos oceanos equivale a 1,5 bomba atômica por segundo

Um estudo da Universidade de Oxford calculou a quantidade de calor absorvida pelo mar nos últimos 150 anos. É como se 1,5 bomba de Hiroshima explodisse a cada segundo

Por Ingrid Luisa Atualizado em 8 jan 2019, 18h38 - Publicado em 8 jan 2019, 18h37

Você deve estar cansado de ouvir que o aquecimento global faz mal para o planeta. Faz mesmo – e a humanidade sabe disso faz tempo. O cientista sueco Svante Arrhenius (1859-1927) foi o primeiro a afirmar, em 1896, que a queima de combustíveis fósseis pelo homem pode ter sido o início do aquecimento global como o conhecemos. E mais de 90% de todo o calor retido devido às emissões de gases pela humanidade foi absorvido pelos mares — menos de 10% vai parar no resto, como o ar, o solo e as calotas de gelo.

Ou seja: o mar ajudou a conter o fenômeno. Mas isso também é um problema. A quantidade de energia adicionada aos oceanos faz com que eles subam, e furacões e tufões se tornem mais intensos — e  destrutivos. Mas quanto calor os oceanos já absorveram desde o início do aquecimento global? Foi isso que cientistas da Universidade de Oxford responderam em um novo estudo publicado no periódico Proceedings of National Academy of Sciences.

  • Combinando medições da temperatura da superfície dos oceanos desde 1871 com modelos computacionais que preveem a circulação oceânica, os pesquisadores calcularam que o mar absorveu 436 sextilhões de joules de energia de lá para cá. Número abstrato, certo? Então aqui vai uma metáfora simples e bombástica (com o perdão do trocadilho), feita originalmente por jornalistas do jornal inglês The Guardian: isso equivale ao calor liberado pela explosão de uma bomba atômica por segundo nos últimos 150 anos.

    Mais impactante que a metáfora, porém, são as consequências. O aumento do nível do mar é considerado um dos mais perigosos impactos de longo prazo gerado pelas mudanças climáticas. Isso porque o mar pode “engolir” diversas cidades costeiras, ameaçando bilhões de pessoas que vivem lá. 

    Outro fato levantado por eles é que os mares não se aquecem uniformemente, pois as correntes oceânicas transportam calor pelos quatro cantos do mundo. Calcular a quantidade de calor absorvida pelos oceanos nos últimos 150 anos fornece uma linha de base para estimar aumentos possíveis dos níveis do mar no futuro. A equipe descobriu que no Oceano Atlântico, por exemplo, a metade do aumento visto desde 1971, em latitudes baixas e médias, resultou do calor transportado para a região por essas correntes. 

    De acordo com os cientistas, hoje a situação é ainda mais grave, pois o aquecimento acelerou ao longo do tempo, à medida que as emissões de carbono aumentaram. Agora, o mar absorve o equivalente a três a seis bombas atômicas por segundo (dependendo da temperatura da região). 

    Continua após a publicidade
    Publicidade