Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Artigos científicos com muitos jargões são menos citados por outros pesquisadores

O uso excessivo de terminologias especializadas pode atrapalhar o entendimento e difusão da pesquisa, afetando ainda a relevância atribuída às descobertas científicas.

Por Carolina Fioratti
13 abr 2021, 16h08

Ao conversar com colegas de profissão, é comum usar jargões para facilitar e agilizar o entendimento. No jornalismo, por exemplo, é mais simples pedir uma “suíte” do que solicitar “um texto sobre os desdobramentos de uma matéria já publicada”. No mundo acadêmico, o cenário é igual, e as terminologias especializadas são amplamente aplicadas nos artigos científicos, que costumam ser compartilhados entre pesquisadores. 

E aí é que mora o perigo. Pesquisadores do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália mostraram que os estudos que contam com muitos jargões em seus títulos e resumos são citados com menos frequência por outros cientistas. Isso pode ser negativo por alguns motivos: primeiro que, quanto menos citações, menor a difusão do conhecimento científico; além disso, as citações são um termômetro sobre a relevância de uma pesquisa, sem falar em seu papel para estimar a produtividade de um pesquisador.

Os pesquisadores italianos utilizaram a plataforma online Web of Science para acessar 21.486 artigos científicos sobre cavernas. Eles escolheram esse tema devido ao grupo diversificado de pesquisadores que ele atrai, como antropólogos, geólogos, zoólogos e ecologistas. Cada grupo tem interesses únicos, como as propriedades das rochas ou os desenhos rupestres nas paredes da caverna, mas usa termos específicos que, mesmo com o interesse em comum, não são entendidos por todos. 

Após juntar os estudos, os cientistas vasculharam glossários de livros sobre cavernas e outras fontes para criar uma lista com cerca de 1,5 mil jargões. Então, com auxílio de um programa de computador, calcularam a proporção dos termos técnicos nos títulos e resumos de cada artigo. Os estudos mais populares, que ultrapassavam as 450 citações, não usavam jargões em seus títulos, e menos de 1% das palavras que apareciam nos resumos eram terminologias especializadas. O cenário era o oposto para aqueles que usavam termos técnicos logo de cara. 

Uma pesquisa publicada em 2019 traz outra visão sobre os jargões. Nela, pesquisadores da Universidade de Oregon apontam que o uso de palavras menos comuns pode ser benéfico, pois os jargões parecem aumentar as chances de conseguir financiamento acadêmico. Seja como for, vale considerar o uso de termos simples para atrair leitores e tornar o mundo acadêmico mais acessível, facilitando até mesmo o entendimento de pesquisadores de áreas diferentes, mas com interesses em comum.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.