Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Beija-flores conseguem ver mais cores do que nós, revela estudo

Eles enxergam comprimentos de cores ultravioletas, graças a um tipo de célula a mais nos olhos

Por Maria Clara Rossini
17 jun 2020, 17h24

Talvez você já tenha tentado imaginar uma cor nova, que nunca viu. Não é fácil – não porque a tal cor não exista, mas porque o seu corpo não tem capacidade de enxergá-la. Essa é uma diferença entre nós e os beija-flores. Uma pesquisa da Universidade de Princeton revelou que esses pássaros enxergam cores que nós nem conseguimos imaginar.

Os humanos conseguem perceber as cores graças a três tipos de células presentes no fundo do globo ocular, chamadas cones. Cada uma é responsável por captar um tamanho diferente de onda eletromagnética, e portanto uma tonalidade: azul (ondas mais curtas), verde (ondas médias) e vermelho (ondas mais longas). As cores que nós vemos estão em algum lugar nesse intervalo de ondas. Percebemos o amarelo, por exemplo, porque ele é uma combinação de verde com vermelho.

Os beija-flores, por outro lado, possuem quatro tipos de cones, um a mais que os humanos. Esse tipo extra de célula permite que eles enxerguem ondas ultravioleta, bem como a combinação de ultravioleta com vermelho, verde e azul. Para testar a capacidade de distinção dos pássaros, a equipe de cientistas usou luzes de LED que emitiam quatro comprimentos de onda: vermelho, azul, verde e ultravioleta. Cada cor era colocada ao lado de dois bebedouros: um deles continha água, e o outro, água com açúcar. 

A única diferença eram as luzes de LED: enquanto uma emitia luz verde, a outra emitia uma mistura de ultravioleta com verde. Aos olhos humanos, o verde e a mistura verde + ultravioleta são iguais. Durante o experimento, os pesquisadores invertiam os bebedouros de lugar, colocando o sem açúcar no lugar do com açúcar e vice versa. Mesmo assim, os pássaros não se enganavam e iam direto para o açúcar. Como? Eles percebiam a diferença entre aquelas duas cores, enxergando uma mistura de ultravioleta com verde que nós nem podemos imaginar (o olfato dos beija-flores é pouco desenvolvido, e eles se orientam principalmente pela visão).

O experimento foi repetido milhares de vezes com variações de cores (vermelho e azul também) ao longo de três anos de pesquisa, sempre com os mesmos resultados.

Na vida dos beija-flores, essas variações de cores são importantes para distinguir penas e plantas, oferecendo vantagem em relação a predadores, por exemplo. Outros animais, como renas, pombos e até peixes-dourados, também veem em ultravioleta. Alguns, possuem mais tipos de cones – as lacraias-do-mar, por exemplo, contam com 12 tipos de fotoreceptores. Os humanos, infelizmente, só podem tentar imaginar como seria esse novo espectro de cores.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.